Covid-19: OMS assegura que subvariantes que circulam na China não são novas

Agência Lusa , PF
4 jan, 16:45
Covid-19 na China (Lusa)

De acordo com a organização, até à data, "nenhuma nova variante" do coronavírus "foi reportada pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças da China"

A Organização Mundial da Saúde (OMS) assegurou esta quarta-feira que as subvariantes do coronavírus SARS-CoV-2 que dominam na China, onde explodiram os casos de covid-19, são conhecidas e já circulavam noutros países.

Em comunicado, o Grupo Consultivo Técnico da OMS sobre a Evolução do Vírus SARS-CoV-2, que se reuniu na terça-feira para analisar a situação na China, refere que as subvariantes BA.5.2 e BF.7 da variante Ómicron do SARS-CoV-2, que causa a covid-19, predominam no país, contribuindo, juntas, para 97,5% das infeções adquiridas localmente.

De acordo com a OMS, estas subvariantes "são conhecidas" e "têm circulado noutros países", sendo que, à data, "nenhuma nova variante" do coronavírus "foi reportada pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças da China".

Os dados comunicados na terça-feira pela China ao grupo consultivo da OMS e que suportam as infeções adquiridas no país baseiam-se em mais de dois mil genomas (informação genética) recolhidos e sequenciados a partir de 01 dezembro de 2022.

A OMS, que há duas semanas renovara o apelo à China para partilhar dados, adianta que, até terça-feira, 773 sequências genéticas do SARS-CoV-2 com origem no país foram submetidas no repositório de dados público Gisaid, sendo que a maioria (564) foi recolhida após 01 de dezembro passado.

Entre a maioria das sequências genéticas tornadas públicas, 95 correspondem a infeções adquiridas localmente na China e 187 a casos importados, não havendo informação sobre as restantes.

As subvariantes BA.5.2 e BF.7 da variante Ómicron foram detetadas em 95% das infeções locais, o que, segundo o Grupo Consultivo Técnico da OMS sobre a Evolução do Vírus SARS-CoV-2, "está de acordo com os genomas de viajantes da China enviados ao banco de dados Gisaid por outros países".

A OMS reforça que "nenhuma nova variante ou mutação de significado conhecido é observada nos dados de sequenciação disponíveis publicamente".

O grupo consultivo da Organização Mundial da Saúde reitera "a importância de análises adicionais e da partilha de dados de sequenciação" genética para compreender a evolução do coronavírus que causa a covid-19 e "o aparecimento de mutações ou variantes preocupantes".

No comunicado, a OMS indica que continuará a acompanhar "de perto" a situação na China e no mundo e insta "todos os países a manterem-se vigilantes, a monitorizarem e reportarem sequências" genéticas do coronavírus, bem como "a realizarem análises independentes e comparativas" das diferentes subvariantes da variante Ómicron, incluindo sobre "a gravidade da doença que causam".

O Grupo Consultivo Técnico da OMS sobre a Evolução do Vírus SARS-CoV-2 acrescenta que está a avaliar o "aumento rápido da proporção" da subvariante XBB.1.5 da variante Ómicron nos Estados Unidos e noutros países.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados