Adolescente que morreu em parque de diversões excedeu o limite de peso na "torre mais alta do mundo"

CNN , Amir Vera e Jamiel Lynch
18 jun, 09:00
Um memorial improvisado para Tyre Sampson do lado de fora da atração Orlando Free Fall no complexo de entretenimento ICON Park

De acordo com o relatório da autópsia a que a CNN teve acesso, o rapaz de 14 anos que morreu num parque de diversões na Florida, no início deste ano, excedeu o limite de peso permitido em quase 45 quilos.

Tyre Sampson morreu no dia 24 de março enquanto visitava o ICON Park, nos arredores de Orlando, com amigos da família. Ele era uma das pessoas que estava na torre de queda livre Orlando FreeFall. Esta diversão é descrita por quem já andou nela como a torre mais alta do mundo. De acordo com o parque, nesta diversão, as pessoas são enviadas para cima. Em seguida, são largadas a uma altura de 122 metros e a uma velocidade que atinge mais de 120 quilómetros.

O guia do proprietário para a utilização desta torre estabelece que o limite para aquela diversão são 130 quilos. Segundo o relatório da autópsia, o adolescente tinha pouco mais de 1,80 m de altura e pesava cerca de 175 quilos.

A autópsia também determinou que a causa da morte de Tyre foi um traumatismo, do qual resultaram múltiplas fraturas, lacerações e hemorragia na cabeça, pescoço e extremidades. Segundo o relatório, a causa da morte de Tyre Sampson foi considerada um acidente.

Em abril, a Quest Engineering & Failure Analysis Inc., uma empresa de engenharia forense, foi contratada por funcionários do Estado, de forma a investigar a morte de Tyre. Descobriu-se que tinham sido feitos ajustamentos manuais em dois assentos da torre, incluindo no assento ocupado pelo adolescente. O relatório da empresa afirma que esse ajustamento permitiu uma diferença maior do que o normal entre o cinto de segurança e o assento.

O relatório da empresa de engenharia forense diz: "A causa do acidente deveu-se ao facto de Tyre Sampson não estar preso, de forma correta, no assento. Isso resultou do ajustamento errado do sensor de proximidade do cinto.”

A torre encontra-se fechada desde a morte de Tyre. Irá permanecer assim, por tempo indeterminado. O advogado que representa Orlando Slingshot, o concessionário daquela diversão, emitiu um comunicado, na segunda-feira, onde dizia que a morte do rapaz "foi um acidente trágico".

"Continuamos a comunicar e a cooperar com os representantes da família de Tyre, bem como com o Departamento de Agricultura. Continuamos focados em trabalhar com os nossos legisladores, de forma a fazermos mudanças duradouras, a nível da segurança, na indústria dos parques de diversões", disse Trevor Arnold, o advogado de Slingshot.

Numa declaração anterior, Arnold disse que "foram seguidos todos os protocolos, procedimentos e medidas de segurança fornecidos pelo fabricante daquela diversão”.

Nekia Dodd e Yarnell Sampson, os pais de Tyre, estão a ser representados por diferentes advogados. No entanto, estes interpuseram, em conjunto, um processo por homicídio culposo.

O processo nomeia vários arguidos, incluindo o ICON Park, Orlando Slingshot, o fabricante daquela diversão, a Funtime Handels (com sede na Áustria), bem como o fabricante dos assentos e dos cintos. O fabricante das diversões Gerstlauer (com sede na Alemanha) também faz parte deste processo.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados