Pelo menos um morto após sismo no Japão. "Ameaça de um tsunami foi em grande parte eliminada"

1 jan, 15:49
Sismo no Japão (Kyodo News via AP)

Sismo de 7,6 deixou rasto de destruição pelo arquipélago

Um forte sismo atingiu, esta segunda-feira, o centro do Japão causando pelo menos uma vítima mortal e vários desaparecidos, causando a destruição de edifícios e deixando sem eletricidade dezenas de milhares de casas, levando os residentes de algumas zonas costeiras a fugir para terrenos mais altos.

Segundo a NTV, que cita a polícia local, um idoso foi declarado morto depois de um edifício ter desabado na cidade de Shika, em Ishikawa.
 
O sismo, com uma magnitude de 7,6, provocou ondas de cerca de um metro ao longo da costa ocidental do Japão e da Coreia do Sul, com as autoridades a afirmarem que poderão seguir-se ondas maiores.
 
A Agência Meteorológica do Japão (JMA) emitiu alertas de tsunami para as prefeituras de Ishikawa, Niigata e Toyama. Um alerta de tsunami de grandes proporções - o primeiro desde o terramoto e tsunami que atingiu o nordeste do Japão em março de 2011 - foi inicialmente emitido para Ishikawa, mas foi posteriormente retirado, com o Centro de Alerta de Tsunamis do Pacífico, com sede no Havai, a considerar que a ameaça de tsunami foi "em grande parte descartada".

"A ameaça de um tsunami foi em grande parte eliminada", declarou a agência norte-americana.

Segundo a agência Reuters, que cita o porta-voz do governo Yoshimasa Hayashi, várias casas ficaram destruídas, incêndios deflagraram e foi enviado pessoal do exército para ajudar nas operações de salvamento, sendo que as autoridades ainda estão a avaliar os danos causados pelo abalo.
 
De acordo com a JMA, nos próximos dias podem ocorrer fortes réplicas do sismo - só esta segunda-feira foram registados 21 tremores - e as ondas de tsunami podem intensificar-se.

A Reuters avança ainda que pelo menos 30 edifícios ficaram destruídos em Wajima, uma cidade de cerca de 30 000 habitantes e um incêndio de grandes proporções tomou conta de vários edifícios.
  
Mais de 36.000 famílias ficaram sem eletricidade nas prefeituras de Ishikawa e Toyama, áreas onde as temperaturas deverão cair para perto de zero durante a noite.
 
Já nos transportes, 40 linhas de comboio e dois serviços ferroviários de alta velocidade para a zona atingida pelo terramoto tiveram de interromper as operações, enquanto seis vias rápidas foram encerradas e um dos aeroportos de Ishikawa foi forçado a fechar devido a uma fissura na pista.

Relacionados

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados