Há uma tendência preocupante a juntar-se ao declínio da saúde mental dos jovens

CNN , Kristen Rogers
10 mar, 19:00
Saúde mental e medicação (Getty Images)

A pandemia afetou a saúde mental dos jovens e isso traduz-se num aumento da procura dos serviços de saúde. A este efeito junta-se agora outro, que desperta a preocupação dos especialistas. Trata-se de uma tendência que se nota mais nas adolescentes do sexo feminino

Muitos jovens reportaram ter uma saúde mental debilitada durante e após a pandemia da covid-19. As suas experiências são confirmadas por um novo estudo, que revela que a taxa de prescrição de antidepressivos a este grupo também aumentou durante o mesmo período.

O número de jovens entre os 12 e os 25 anos a tomar antidepressivos já estava a aumentar antes da pandemia. Mas desde o surto de covid-19 nos Estados Unidos (EUA), em março de 2020, a taxa de dispensa subiu quase 64% mais depressa do que o normal, de acordo com o estudo publicado na segunda-feira, dia 26 de fevereiro, na revista Pediatrics. (A dispensa, no contexto deste estudo, refere-se aos antidepressivos dados aos pacientes por farmácias de retalho, de venda por catálogo ou de cuidados prolongados; não reflete o uso dos medicamentos depois de adquiridos).

"As diferenças por sexo são de longe o que mais me chamou a atenção", disse o primeiro autor do estudo, o médico Kao-Ping Chua, sobre os resultados. Chua é pediatra de cuidados primários e professor assistente de pediatria na Escola de Saúde Pública da Universidade de Michigan.

Nas adolescentes do sexo feminino com idades compreendidas entre os 12 e os 17 anos, a taxa de dispensa aumentou 130% mais rápido depois de março de 2020, afirmou Chua. Para as jovens adultas com idades entre os 18 e os 25 anos, a taxa aumentou 60%.

"Em forte contraste," acrescentou Chua, "o que vemos é essencialmente nenhuma mudança na taxa de dispensa de antidepressivos após março de 2020 nos jovens adultos do sexo masculino e um declínio surpreendente na taxa de dispensa de antidepressivos nos adolescentes do sexo masculino".

Alguns estudos anteriores avaliaram as alterações na taxa de dispensa pós-pandemia a nível nacional nos EUA, mas, tanto quanto é do conhecimento dos autores, o novo estudo é o primeiro específico para adolescentes e jovens adultos e a analisar dados para além de 2020.

"Dei por mim, durante a pandemia, a prescrever antidepressivos a um ritmo nunca antes visto", afirmou Chua, que decidiu conduzir a investigação para ajudar a informar o debate sobre a crise de saúde mental dos jovens no país.

"Não sei dizer quantos pediatras me disseram que se sentem apenas como clínicos de saúde mental nesta altura", acrescentou.

De 2016 a 2022, Chua e os seus co-autores descobriram que a taxa de dispensa mensal aumentou 66,3%, uma tendência que se acentuou durante e depois da pandemia, utilizando a Base de Dados de Prescrição Longitudinal da IQVIA. Esta é uma base de dados de prescrição de doentes a longo prazo baseada em dados de farmácias de retalho.

"No segundo ano da pandemia, as idas às urgências por problemas de saúde mental debilitada nos jovens aumentaram e assistimos a uma subidas das idas por tentativas de suicídio ou de automutilação, especialmente entre as adolescentes do sexo feminino", disse Neha Chaudhary, psiquiatra de crianças e adolescentes do Hospital Geral de Massachusetts e médica-diretora da Modern Health, uma plataforma de cuidados de saúde mental para empresas que apoiam os seus funcionários. Chaudhary não esteve envolvida no estudo.

"Como psiquiatra de crianças e adolescentes que testemunhou de perto o impacto da pandemia na saúde mental dos jovens, os resultados do estudo não são surpreendentes", garantiu Chaudhary, por e-mail.

Os fatores de stress que afetam as crianças

Os autores não conseguem explicar totalmente os resultados. Mas, no contexto do agravamento da saúde mental entre os jovens, "é de esperar que se registe uma tendência semelhante nas taxas de prescrição de antidepressivos, uma vez que estes medicamentos fazem frequentemente parte do tratamento de casos moderados a graves de problemas de saúde mental, como a depressão", disse Chaudhary.

Além disso, a crescente consciencialização para a saúde mental - e a consequente redução do estigma - levou mais jovens a procurar ajuda, acrescentou, bem como a exposição a acontecimentos negativos da atualidade.

Para além destes e de motivos de stress da pandemia, como a perda de entes queridos, a transição para a aprendizagem virtual e a falta de vida social, alguns fatores únicos relativos ao estado dos cuidados de saúde mental durante o surto epidémico podem ter a ver com o aumento da taxa de dispensa de antidepressivos.

Obter e manter a prescrição de um antidepressivo tornou-se mais fácil devido ao aumento da telessaúde, uma vez que, anteriormente, os doentes tinham de visitar os seus médicos pessoalmente, disse Chua.

Mas esse benefício tinha os seus inconvenientes. Em tempos normais, para os doentes com depressão ligeira ou moderada, os prestadores de cuidados de saúde recomendam frequentemente uma experiência de terapia sem medicação, afirmou Chua. Mas, durante a pandemia, a procura sem precedentes de terapia virtual resultou em longos tempos de espera, tornando a recomendação única de terapia menos viável. Como resultado, houve uma tendência crescente para os prestadores de serviços prescreverem antidepressivos como uma ponte, uma vez que não podiam assumir que os pacientes poderiam iniciar rapidamente a terapia.

As diferenças nos resultados entre os adolescentes ou jovens adultos do sexo masculino não provam que a sua saúde mental melhorou - podem apenas apontar para o facto de os homens se desligarem cada vez mais do sistema de saúde mental, o que é "uma possibilidade realmente preocupante", disse Chua.

Escolher o melhor tratamento

Os especialistas desencorajaram a estigmatização da necessidade ou da utilização dos medicamentos. O uso de antidepressivos é comum, garantiu Chua, "e não se devem sentir estranhos em tomá-los se precisarem deles".

"Estes medicamentos são extremamente eficazes em muitos casos", acrescentou. "Permitem que as pessoas se sintam um pouco mais normais e suportem os altos e baixos da vida. A qualidade de vida das pessoas, o seu humor e as taxas de automutilação melhoram muito".

Em alguns casos, os antidepressivos podem mesmo salvar vidas, garantiu Chaudhary.

No entanto, "há preocupações compreensíveis em relação aos antidepressivos", afirmou Chua. "Não se começa a tomar antidepressivos de forma trivial. Para os jovens, existe uma caixa negra (US Food and Drug Administration), que alerta para o aumento de pensamentos suicidas após o início da toma de antidepressivos".

Os potenciais efeitos secundários aliviam normalmente em cerca de duas semanas; se tal não acontecer, o médico pode recomendar um medicamento diferente.

Mas tendo em conta os riscos, "os pais têm mesmo de estar dispostos a ter uma conversa franca sobre os prós e os contras dos antidepressivos quando os seus filhos estão a ter problemas de saúde mental e, honestamente, não se limitarem a encerrar o assunto ou a pressioná-los de qualquer forma", afirmou Chua.

Mudanças drásticas no comportamento ou no humor das crianças - como no sono, na vida social, na atitude, no desempenho escolar, na capacidade de concentração ou no interesse pelas atividades - podem indicar a necessidade de antidepressivos, mas um psiquiatra pediátrico pode recomendar o melhor plano de tratamento e responder a quaisquer perguntas sobre os medicamentos, dizem os especialistas.

Saiba que, normalmente, os antidepressivos só são iniciados quando os benefícios superam os riscos, garantiu Chaudhary.

"Os jovens estão a passar por dificuldades e cabe-nos a nós ajudá-los", afirmou Chaudhary. "Se é um jovem ou tem um na sua vida, considere verificar como estão a correr as coisas. Basta uma pessoa que se preocupe para mudar a trajetória da vida de alguém".

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Mais Lidas

Patrocinados