Ausência de baixa por doença e horários inflexíveis entre as condições de trabalho difíceis que podem afetar seriamente a saúde mental, revela um relatório

CNN , Deidre McPhillips
29 abr, 11:00
Saúde mental, emprego, trabalho, saúde, escritório, ansiedade. Foto: Luis Alvarez/Digital Vision/Getty Images

De acordo com o relatório, a instabilidade dos horários e dos salários também teve efeitos negativos

De acordo com um novo relatório dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças dos EUA, certas condições de trabalho – incluindo horários inflexíveis ou noturnos e falta de baixa paga por doença paga – podem ter um efeito significativo na saúde mental. 

Em 2021, cerca de 1 em cada 37 adultos que trabalham passou por um sofrimento psicológico grave, ou sentimentos negativos suficientemente graves para prejudicar o funcionamento social e profissional e exigir tratamento, revela o documento. Os resultados foram baseados numa amostra representativa de adultos com idades compreendidas entre os 18 e os 64 anos que responderam ao inquérito de saúde nacional do centro norte-americano de Estatística da Saúde. 

As respostas, recolhidas durante o segundo ano da pandemia de covid-19, mostraram que cerca de 1 em cada 17 pessoas que tiveram de trabalhar quando estavam fisicamente doentes relataram graves problemas psicológicos – três vezes mais do que aqueles que não tiveram de trabalhar quando estavam doentes. 

As taxas de sofrimento psicológico grave eram significativamente mais elevadas entre os trabalhadores que não tinham baixa por doença paga do que entre os que tinham. 

Os turnos noturnos e os horários menos flexíveis também tiveram um efeito significativo na saúde mental dos trabalhadores. As pessoas que trabalhavam no turno da noite tinham duas vezes mais probabilidades de relatar um sofrimento psicológico grave do que as que trabalhavam no turno do dia. 

De acordo com o relatório, a instabilidade dos horários e dos salários também teve efeitos negativos. As pessoas que trabalhavam num turno rotativo tinham mais probabilidades do que a média de manifestar um sofrimento psicológico grave, tal como as pessoas cujo salário variava de mês para mês e as que previam perder o emprego no prazo de um ano. 

A falta de controlo está no cerne de muitas destas condições de trabalho ligadas a uma fraca saúde mental, dizem os especialistas. 

"As pessoas precisam de ter uma sensação de controlo para evitar uma resposta de stress", afirma Dennis Stolle, um psicólogo social e da personalidade que não participou no relatório. "Quando as pessoas não sabem o que vai acontecer e não têm qualquer controlo sobre o que vai acontecer, isso pode provocar ansiedade e aumentar os níveis de stress." 

É fundamental encontrar um equilíbrio entre consistência e flexibilidade, afirma. E é extremamente importante no trabalho, devido à quantidade significativa de tempo e energia que ocupa nas nossas vidas. 

"As pessoas precisam de ter um horário suficientemente previsível para não sentirem que a sua vida está fora de controlo e que podem ser chamadas para trabalhar a qualquer momento. Por outro lado, também precisam de ter flexibilidade suficiente para sentirem que têm controlo suficiente para poderem lidar com as emergências que surgem na vida", diz Stolle, que é diretor sénior de psicologia aplicada da Associação Americana de Psicologia. 

Em Outubro, o diretor do Corpo Nacional de Saúde Pública dos EUA, o cirurgião Vivek Murthy, publicou um relatório em que sublinhava o "papel fundamental" que os locais de trabalho podem desempenhar no apoio à saúde mental dos trabalhadores e a forma como a pandemia de covid-19 pode ter afetado essa relação. 

O relatório do especialista citava dados que destacam o aumento significativo da prevalência de problemas de saúde mental durante os anos de pandemia, bem como inquéritos recentes que concluíram que as condições no local de trabalho tiveram um efeito negativo na saúde mental de mais de 80% dos trabalhadores. 

Outro relatório publicado este mês concluiu que cerca de 100 mil enfermeiros registados nos EUA abandonaram o local de trabalho devido ao stress da pandemia de covid-19. A maioria afirmou que a sua carga de trabalho aumentou durante a pandemia e a maioria disse que se sentiu emocionalmente esgotada no trabalho. 

Outros estudos sublinharam o impacto que a pandemia teve em muitos grupos desfavorecidos, em especial nos trabalhadores negros e hispânicos, que eram mais suscetíveis de suportar o peso do trabalho na linha da frente. 

A pandemia "desencadeou um ajuste de contas entre muitos trabalhadores que já não sentem que sacrificar a sua saúde, a sua família e as suas comunidades em prol do trabalho seja uma solução aceitável", escreveu Murthy numa carta de apresentação do seu relatório, em Outubro 

As conversas sobre este tema têm vindo a desenvolver-se há anos, tendo sido aceleradas pela pandemia, uma vez que as circunstâncias em torno do trabalho se tornaram mais complicadas, afirma Stolle. Agora, as pessoas procuram proativamente minimizar os efeitos dessas complicações e incertezas. 

"Alguns dos inquéritos da Associação Americana de Psicologia revelaram que as pessoas valorizam cada vez mais a proteção da saúde mental no local de trabalho e que esta é uma questão que consideram quando procuram um novo emprego", afirmou. "Não creio que isso seja apenas uma moda passageira." 

Saúde Mental

Mais Saúde Mental

Patrocinados