Esbanje no que adora, poupe impiedosamente no resto: conheça a estratégia que permite gerir o dinheiro de forma inteligente e divertida

CNN , Kristen Rogers
3 dez 2022, 10:00
Dinheiro (Getty Images)

Gastos conscientes: a abordagem financeira que lhe permite usufruir uma vida sem culpa

Quando pensa em dinheiro, sente que viver o momento e ser responsável se excluem mutuamente? É consumido pela culpa quando sai para almoçar ou pede um galão com leite de aveia que custa à volta de sete euros?

Não é preciso pensar ou sentir-se assim - graças a uma abordagem flexível das finanças pessoais chamada gastos conscientes.

“Ao contrário de um orçamento, que olha para trás, um plano de gastos conscientes permite-lhe olhar para a frente”, explica Ramit Sethi, autor do livro campeão de vendas “I Will Teach You to Be Rich” e CEO do blogue homónimo. “Gastar conscientemente tem tudo que ver com gastar extravagantemente nas coisas que adora, desde que reduza impiedosamente os gastos nas coisas de que não gosta. Não se trata de restrição. Trata-se de ser intencional com o seu dinheiro e depois gastar nas coisas que adora sem culpa.”

Isso não significa que algumas diretrizes gerais antigas para a poupança não sejam válidas — como poupar 5% a 10% dos seus rendimentos e ter um fundo de emergência de três a seis meses, disse Sethi.

Mas um plano de gastos consciente permite-lhe dizer: “Sim, quero ir de férias. Sim, gosto de roupas bonitas. Sim, vou gastar nestas coisas sem culpa. Também vou investir, economizar e garantir que posso pagar a renda”, disse Sethi.

Seja o poupar dinheiro, liquidar dívidas ou divertir-se um pouco mais que o leva a querer experimentar gastos conscientes, pode aplicar esta abordagem já hoje. Eis como:

Reprogramar os seus hábitos de gastos

O termo “gasto consciente” implica que as pessoas experimentem gastos inconscientes, diz Bradley Klontz, psicólogo financeiro e professor associado de aulas práticas na Heider College of Business, da Universidade de Creighton, em Omaha, Nebrasca.

“É quase como comer de forma inconsciente”, afirma. “Não temos um plano; não estamos a prestar muita atenção, sobretudo quando usamos cartões de crédito.”

O mais importante para eliminar os gastos inconscientes é fazer perguntas específicas sobre os seus objetivos financeiros e desejos de vida: para onde tem ido o meu dinheiro? Em que adoro gastar dinheiro e porquê? De quanto preciso para despesas fixas, como contas e renda? Quanto quero investir e poupar, e porquê? Quanto quero reservar para compras por impulso ou encargos, como bebidas com um amigo ou uma multa de estacionamento?

As suas respostas têm de ser muito claras, explicam Klontz e Sethi. Dizer que quer ser capaz de fazer o que quer quando se quer é abstrato. Mas afirmar que você e o seu parceiro querem viajar até até Itália em primeira classe, ficar por lá três semanas e ver o pôr do sol sobre Roma enquanto bebem vinho? Esta, sim, é uma visão vívida, específica, emocional e significativa, exemplifica Sethi. “O que não é significativo é apenas uma folha de cálculo com números. Sinceramente, ninguém quer saber.”

Responder a estas perguntas pode ajudá-lo a sentir excitação e clareza sobre as suas finanças, identificar o que menos lhe importa e viver em alinhamento com o que é importante para si. “Então, é muito mais fácil cortar em áreas que não importam tanto”, diz Klontz.

As suas respostas a estas perguntas compõem o que Sethi chama de “vida rica” — a sua vida e objetivos financeiros únicos para si, não influenciados pelo que os outros pensam que deve fazer.

Um exemplo pessoal: recentemente decidi que, nos dias de trabalho, beberia café instantâneo de cortesia do escritório em vez de gastar vários dólares em café com leite algumas vezes por semana. Só aos fins de semana me permitiria deliciar em cafés com amigos.

Decidi isto porque, nos dias úteis, precisar de mais energia era a minha única razão para querer café — ao passo que ter dinheiro para desfrutar de um melhor café e tempo de qualidade nos meus cafés favoritos aos fins de semana era mais importante para mim. Desta forma, consigo o que quero da minha bebida de café, concentrando-me conscientemente no que é mais valioso para mim, em vez de restringir todas as compras de café.

Quando já pensámos intencionalmente no que valorizamos, não temos de nos sentir ansiosos, obcecados, duvidosos ou culpados. Quando Sethi era criança, a sua família não podia pagar entradas quando comia fora, disse. Hoje em dia, uma das suas “regras de dinheiro” é nunca questionar gastar dinheiro em entradas, porque “dá-me muita alegria poder pagar qualquer entrada que me pareça boa", acrescentou. “Eu não tenho de decidir: 'Devo pagar tanto? Ou não devo?’”

Se quer dar uma oportunidade aos gastos conscientes, experimente durante um mês. Depois, usando os seus extratos bancários ou uma app para fazer orçamentos, reveja o que aconteceu, o que funcionou e o que não funcionou.

“Não vai funcionar na perfeição à primeira. É um sistema que vai ajustando continuamente”, disse Sethi. “Mas, no geral, vai começar a ter uma noção de como funciona e o que precisa de mudar. E depois é só aplicar a mudança todos os meses, depois disso.”

Dinheiro

Mais Dinheiro

Mais Lidas

Patrocinados