Portugal é o 15.º melhor país para estrangeiros morarem. Panamá, México e Indonésia lideram

Agência Lusa , HCL
3 jul, 08:25
Turismo em Lisboa (GettyImages)

Estrangeiros a viver em Portugal queixam-se da falta de oportunidades de carreira, bem como das burocracias que enfrentam para trabalhar no país

Portugal ficou na 15.º posição do ranking Expat Insider 2024, que avalia os melhores países para pessoas a morar no estrangeiro, uma queda de cinco lugares face ao índice do ano passado.

O ranking, que é elaborado pela InterNations desde 2014 e avalia 53 países, é liderado pelo Panamá, que subiu do 3.º lugar para o 1.º, seguindo-se o México e a Indonésia.

É apenas no quarto lugar que surge o primeiro país europeu: Espanha foi considerado o 4.º melhor país para os estrangeiros, ficando mesmo no topo do índice que mede a qualidade de vida. O top 5 fica fechado com a Colômbia.

Portugal encontra-se então na 15.º posição, ao ter recuado em alguns dos indicadores avaliados neste ranking.

Por um lado, os índices de qualidade de vida (7.º lugar), finanças pessoais (13.º) e facilidade de integração (15.º) continuam a apresentar bons desempenhos para Portugal.

No entanto, o indicador que incide sobre o trabalho no exterior, bem como o índice dos fatores mais relevantes para os emigrantes (como habitação, serviços digitais e o idioma), tiveram uma pior avaliação, fazendo com que a classificação dos inquiridos sobre a felicidade geral com a vida em Portugal perdesse a posição no top 5.

Os estrangeiros a viver em Portugal queixam-se da falta de oportunidades de carreira, bem como das burocracias que enfrentam para trabalhar no país.

Neste ranking, onde participaram 12 mil pessoas de 175 nacionalidades, o último lugar coube ao Kuwait, enquanto a Turquia ficou em 52.º e a Finlândia em 51.º, este último representando a maior queda no índice este ano, de 16.º para 51.º, devido à dificuldade na integração e a uma má avaliação das finanças pessoais.

A InterNations está sedeada em Munique, na Alemanha, e é uma das maiores comunidades de estrangeiros do mundo, com mais de 5,3 milhões de membros.

Economia

Mais Economia

Patrocinados