Número de espermatozoides caiu 50% em 50 anos. Que aconteceu? Aconteceu telemóveis, diz este "estudo fascinante" (nota: há um elogio ao 5G)

CNN , Sandee LaMotte
26 nov 2023, 15:00
Telemóvel

Um novo estudo explorou o papel dos telemóveis numa componente muito específica da saúde humana. Telemóveis mais recentes diminuíram os riscos. "Trata-se de um estudo fascinante que não deve causar alarme"

A utilização elevada de telemóveis pode afetar a contagem de espermatozoides, diz estudo

por Sandee LaMotte, CNN

 

O número de espermatozoides masculinos diminuiu mais de 50% a nível mundial nos últimos 50 anos, deixando os investigadores a tentar perceber porquê. Pode ser a poluição, os PFAS (substâncias per e polifluoroalquil) e outras potenciais toxinas nos alimentos e na água, o aumento da obesidade e das doenças crónicas ou mesmo o telemóvel sempre presente?

Um novo estudo explorou o papel dos telemóveis e descobriu que os homens com idades compreendidas entre os 18 e os 22 anos que afirmaram utilizar os seus telemóveis mais de 20 vezes por dia tinham um risco 21% mais elevado de ter uma baixa contagem global de espermatozoides. Os homens também tinham um risco 30% maior de ter uma baixa concentração de esperma, uma medida menos importante da contagem de esperma num mililitro de sémen. O estudo não especificou se os homens telefonaram ou enviaram mensagens de texto ou se usaram os telemóveis para fazer as duas coisas.

Como ponto positivo, os investigadores descobriram que, à medida que a tecnologia telefónica foi melhorando ao longo dos 13 anos do estudo, o impacto na contagem de espermatozoides começou a diminuir.

"Estou intrigado com a observação de que o maior efeito foi aparentemente visto com telefones 2G e 3G mais antigos em comparação com as versões modernas 4G e 5G. Isto não é algo que eu seja capaz de explicar", diz Allan Pacey, vice-presidente e vice-reitor da Faculdade de Biologia, Medicina e Saúde da Universidade de Manchester, no Reino Unido, num comunicado. Allan Pacey não esteve envolvido no estudo.

Outra vantagem: não houve declínio na forma e motilidade dos espermatozoides, que se refere à forma como os espermatozoides nadam até ao seu destino, de acordo com o estudo.

"Embora o número de espermatozoides seja importante, a sua capacidade de nadar, ter um ADN saudável e intacto e ter a forma correcta é, pelo menos, igualmente importante", afirma Alison Campbell, directora científica da Care Fertility, uma rede de clínicas de fertilidade, em comunicado.

"Este é um estudo fascinante e inovador que não deve causar alarme ou mudanças drásticas nos hábitos", diz Campbell, que não esteve envolvida no estudo. "Os homens que querem ter filhos ou que querem melhorar a saúde do seu esperma devem fazer exercício (mas não aquecer demasiado a zona das virilhas), ter uma dieta equilibrada, manter um peso saudável, evitar fumar e limitar o consumo de álcool e procurar ajuda se tiverem problemas em ter filhos."

Um campo eletrónico

Os telemóveis tornaram-se parte indispensável das nossas vidas. No entanto, os telemóveis emitem campos electromagnéticos de radiofrequência de baixo nível, ou RF-EMF. Segundo o estudo, se esses telemóveis estiverem a emitir na potência máxima, o tecido circundante pode ser aquecido até 0,5 graus Celsius.

"Os telemóveis estão constantemente a enviar e a receber sinais e vão receber e enviar sinais mais intensos quando estão a ser utilizados", diz Alexander Pastuszak, professor assistente de cirurgia e urologia na Faculdade de Medicina da Universidade de Utah, em Salt Lake City, EUA.

Mas, especialmente com o telemóvel moderno, "esse sinal varia consoante se esteja a falar ou a enviar dados", diz Pastuszak, que não participou no estudo.

Os campos electromagnéticos de radiofrequência são muito reduzidos quando se envia mensagens de texto e são mais elevados quando se descarregam ficheiros grandes, quando se transmite áudio ou vídeo, quando só são apresentadas uma ou duas barras e quando se está num autocarro, carro ou comboio em movimento rápido, de acordo com o Departamento de Saúde Pública da Califórnia, EUA.

A agência recomenda que se mantenha o telefone afastado do corpo e da cabeça - em vez disso, utilize o altifalante ou os auscultadores - e que se transporte o telefone numa mochila, pasta ou bolsa.

No entanto, a questão de saber se esses campos podem efetivamente prejudicar a fertilidade masculina tem sido uma fonte de controvérsia e debate durante anos na comunidade científica.

Estudos em ratos descobriram que os campos de RF-EMF em níveis semelhantes aos dos telemóveis reduzem a fertilidade masculina e contribuem para a morte dos espermatozoides e para alterações nos tecidos dos testículos. No entanto, outros estudos com animais não reproduziram esses efeitos e existem grandes diferenças entre humanos e ratos na forma como os espermatozoides são criados.

Estudos observacionais em humanos também descobriram que o uso frequente de telemóveis estava ligado a um declínio na viabilidade do esperma, bem como a um impacto na forma como o esperma nadava. Mas esses estudos foram pequenos e breves. E não controlavam necessariamente factores como o tabagismo e o consumo de álcool, o que deixou muitos cientistas pouco impressionados.

"Já me perguntaram muitas vezes na última década se existe alguma ligação entre os telemóveis e a fertilidade masculina. No entanto, os dados publicados até hoje não me convenceram", diz Pacey.

"No entanto, esse estudo é um pequeno passo à frente no debate, pois trata-se de um grande estudo epidemiológico que parece ter sido muito bem conduzido. É um estudo no mundo real - e isso é bom, na minha opinião. No entanto, devemos ser cautelosos quanto à sua interpretação, uma vez que apenas mostra uma associação entre a utilização de telemóveis e a qualidade do sémen."

Jovens militares

Os homens podiam escolher se queriam transportar o telemóvel no bolso das calças, no bolso do peito, no suporte do cinto ou noutro local, mas mais de 85% deles colocavam o telemóvel no bolso das calças quando não estavam a ser utilizados.

Os resultados mostraram que os homens que usavam o telemóvel uma a cinco vezes por dia ou menos de uma vez por semana tinham uma contagem e concentração de esperma muito mais elevadas. À medida que o uso do telemóvel aumentava, a contagem de esperma diminuía, com os níveis mais baixos entre os homens que usavam o telemóvel 20 ou mais vezes por dia.

Os investigadores também avaliaram o impacto dos telemóveis em diferentes períodos de tempo. A maior associação entre a baixa contagem e concentração de espermatozoides e o uso do telefone foi entre 2005 e 2007. À medida que as empresas passaram do 2G para o 5G, a associação enfraqueceu, de acordo com a "correspondente diminuição da potência de saída do telemóvel", refere o estudo.

"É muito, muito difícil tirar uma conclusão definitiva deste tipo de estudo porque não é controlado suficientemente bem para o poder fazer", diz Pastuszak. "Não é possível controlar as exposições quotidianas da vida num ambiente urbano e estas não devem ser subestimadas. Até os níveis de stress podem ter impacto na espermatogénese e na produção hormonal."

Na qualidade de especialista em infertilidade que trabalha diariamente com casais que tentam engravidar, Pastuszak chama a atenção para a fascinante complexidade dos fatores que afetam a infertilidade, para os quais a contagem e a concentração de espermatozoides são factores menores.

"A contagem total de espermatozoides pode não refletir a diminuição real do potencial de fertilidade", afirma. "Não posso olhar um paciente nos olhos e dizer-lhe 'só porque você tem 100 milhões de espermatozoides por mililitro com 50% de motilidade e uma contagem de espermatozoides de 500 milhões, você será fértil'."

"O que conta é a qualidade do esperma. Se tivermos esperma de qualidade, há uma boa, decente ou mesmo grande hipótese de podermos ter um filho, mesmo que tenhamos apenas uma mão cheia de esperma."

Saúde

Mais Saúde

Patrocinados