OE2022: Iniciativa Liberal antecipa provável voto contra um "meio orçamento"

Agência Lusa , CE
13 abr, 18:34
O deputado do Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo (Lusa)

João Cotrim Figueiredo disse que o ministro das Finanças deveria ter respondido a uma pergunta que ninguém fez: "como é que se mantém o mesmo défice gastando mais e sem cortar em nada?"

A Iniciativa Liberal considerou ser preciso esclarecer como é que o Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) “mantém o mesmo défice, gastando mais e sem cortar em nada”, antecipando que o mais provável é que o partido volte a votar contra.

Numa primeira reação ao documento, João Cotrim Figueiredo disse aos jornalistas que se confirma que “o Governo encarou este orçamento como um meio orçamento”.

De acordo com João Cotrim Figueiredo, aquilo que não foi perguntado ao ministro das Finanças é como é que “tendo mais despesa e o mesmo défice, onde é que foram feitos os cortes”.

“Do ponto de vista da política económica como um todo e da política fiscal em concreto, este orçamento é igualzinho ao de outubro. Votámos contra o de outubro, portanto o mais provável é que venhamos a votar contra este, mas neste caso eu gostava de perceber exatamente a tal pergunta que ninguém fez: como é que se mantém o mesmo défice gastando mais e sem cortar em nada”, respondeu, quando questionado sobre como é que a IL irá votar no documento.

Na análise dos liberais, nas medidas que se mantêm do documento que foi chumbado o ano passado, permanecem todas aquelas que esperava que, “por ausência de necessidade de contar com o BE e com o PCP tivessem caído”, como o englobamento do IRS, aumento dos escalões do IRS e a sua não atualização.

Depois de criticar o facto de nada mudar no IRC, João Cotrim Figueiredo contestou aquilo que disse ser a repetição da “estratégia do PS de que os problemas dos serviços públicos se resolvem atirando mais dinheiro e mais pessoas para cima do problema”.

“Uma coisa final que também me deixou particularmente desagradado com esta apresentação do orçamento, que é uma dose de cinismo da parte do PS, que no meio da apresentação tem a coragem de dizer o seguinte: o défice de 2021 ficou abaixo daquilo que se esperava, foi melhor daquilo que se esperava e tenta pôr os méritos desta realidade no PS”, criticou.

Segundo João Cotrim Figueiredo, “este resultado só foi possível porque foram cobrados muito mais impostos do que o PS propôs e previa no orçamento e, portanto, foi através do esforço, do investimento dos portugueses e não de nenhum mérito da atuação do Governo que esse resultado foi conseguido”.

“Quando há responsabilidades para assumir, o PS não está nem aí, quando há méritos que são de outros, vem o PS dizer que foi um grande resultado macroeconómico. Contra isto e contra outras mistificações podem ser contar com a IL para denunciar e acusar o PS de ser PS e sacudir a água do capote sempre que pode”, criticou.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados