Minnie Chan desapareceu depois de ter ido a Pequim

CNN , Simone McCarthy
10 dez 2023, 18:00
Minnie Chan

Observadores há muito que manifestam a sua preocupação com os processos judiciais secretos e as detenções extrajudiciais na China

Grupos de comunicação social preocupam-se com o "desaparecimento" de um jornalista de Hong Kong na China

Os grupos de defesa da liberdade de imprensa estão preocupados com a jornalista veterana de Hong Kong Minnie Chan na sequência da notícia de que esta desapareceu depois de se ter deslocado a Pequim para cobrir um fórum sobre segurança no final de outubro.

A Repórteres sem Fronteiras (RSF) declarou estar "muito preocupada" com a notícia do desaparecimento de Minnie Chan. Em comunicado, o grupo internacional de defesa da liberdade de imprensa instou Pequim a "revelar imediatamente o seu paradeiro e, no caso de estar detida, a proceder à sua libertação imediata".

O Comité para a Proteção dos Jornalistas também manifestou preocupação na sexta-feira, apelando às autoridades chinesas para que "revelem imediatamente a sua localização e garantam a sua segurança".

A agência de notícias japonesa Kyodo News noticiou feira que Chan, que cobre defesa e diplomacia para o jornal South China Morning Post (SCMP), sediado em Hong Kong, "ficou incontactável depois de visitar Pequim" para cobrir o fórum de três dias de Xiangshan.

O relatório citou pessoas próximas do assunto, acrescentando que essas fontes tinham expressado preocupações de que Chan pudesse estar a ser investigada pelas autoridades do continente.

Num comunicado, o SCMP afirma que Chan tirou "uma licença pessoal".

"A sua família informou-nos de que ela está em Pequim, mas precisa de tempo para tratar de um assunto privado. A sua família disse-nos que ela está em segurança, mas pediu-nos que respeitássemos a sua privacidade", afirmou o jornal, sem fornecer mais pormenores.

"A segurança dos nossos jornalistas no exercício da sua atividade profissional é da maior importância para o South China Morning Post. Este tem sido sempre o nosso princípio", refere o comunicado, acrescentando que o jornal continua a comunicar com a família de Chan e "a prestar-lhe todo o apoio necessário".

Quando questionado sobre o relatório da Kyodo News numa conferência de imprensa regular na semana passada, um porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros da China disse que "não tinha conhecimento disso".

A Associação de Jornalistas de Hong Kong também afirmou estar "profundamente preocupada" com a segurança de Chan e que estava a solicitar mais informações ao SCMP. A associação, um sindicato que defende a liberdade de imprensa, apelou aos amigos ou familiares que tivessem informações para entrarem em contacto.

Chan é uma jornalista muito conceituada em Hong Kong e entre o público internacional que acompanha de perto a atualidade chinesa. É conhecida pela sua cobertura perspicaz e bem fundamentada das forças armadas chinesas e do seu desenvolvimento.

Trabalha no SCMP desde 2005. O jornal é o principal jornal de língua inglesa de Hong Kong e é propriedade do gigante tecnológico Alibaba, sediado em Hangzhou.

As preocupações com a sua segurança e o seu paradeiro surgem na sequência de recentes casos de grande visibilidade envolvendo jornalistas detidos na China continental, onde os observadores há muito que manifestam a sua preocupação com os processos judiciais secretos e as detenções extrajudiciais. 
 
Em outubro, a pivot de televisão australiana Cheng Lei foi libertada pelo Governo chinês e regressou a casa mais de três anos depois de ter sido detida sob acusações pouco claras de espionagem.

Haze Fan, um cidadão chinês que trabalhava para a Bloomberg News e que também foi detido em 2020, foi libertado no ano passado.

A China ocupa a 179ª posição entre 180 no Índice Mundial de Liberdade de Imprensa de 2023 da RSF. É o país que mais prende jornalistas e defensores da liberdade de imprensa no mundo, com pelo menos 121 detidos, segundo a organização.

Ásia

Mais Ásia

Patrocinados