Saiba tudo sobre o Euro aqui

Os afrontamentos são mais perigosos do que se pensava. O melhor é preparar-se já

CNN , Sandee LaMotte
7 abr, 11:00
Menopausa afrontamentos Foto stock CNN

Afrontamentos intensos podem indicar um risco acrescido de ter Alzheimer e doenças cardíacas no futuro, revela uma nova investigação.

A onda de calor surge do nada, e para algumas pessoas ela é tão intensa que o rosto arde e o suor escorre por todos os poros do corpo. Bem-vindos aos afrontamentos e a outros sintomas da aproximação da menopausa - uma experiência que, segundo os especialistas, cerca de 75% das mulheres irão partilhar se viverem o tempo suficiente.

Mesmo que a menopausa esteja a anos ou décadas de distância, é altura de prestar atenção - porque, de acordo com resultados científicos recentes, a experiência da menopausa pode ser prejudicial para a saúde futura.

Estudos inéditos apresentados sem setembro na reunião anual da Sociedade da Menopausa em Filadélfia, nos EUA, apuraram que os afrontamentos intensos estão associados a um aumento da proteína C-reativa, que é um marcador de futuras doenças cardíacas, e a um biomarcador sanguíneo que pode prever um diagnóstico posterior da doença de Alzheimer.

"Esta é a primeira vez que a ciência demonstra que os afrontamentos estão associados a biomarcadores sanguíneos da doença de Alzheimer", afirmou Stephanie Faubion, diretora da Clínica Especializada em Saúde da Mulher da Mayo Clinic em Jacksonville, Florida, nos EUA, e diretora médica da The Menopause Society.

"Esta é mais uma prova que nos diz que os afrontamentos e os suores noturnos podem não ser tão benignos como pensávamos no passado", disse Faubion, que não esteve envolvida nos estudos.

Risco de Alzheimer

Cerca de 250 mulheres com idades compreendidas entre os 45 e os 67 anos e com sintomas da menopausa usaram um dispositivo para medir objetivamente a qualidade do seu sono durante três noites. As mulheres foram também equipadas com monitores de suor para registar os afrontamentos numa dessas noites. Em seguida, os investigadores recolheram amostras de sangue das participantes no estudo e examinaram-nas para detetar um biomarcador proteico específico da doença de Alzheimer chamado beta-amiloide 42/40.

"A beta-amiloide 42/40 é considerada um marcador de placas amilóides no cérebro, que é um dos componentes da fisiopatologia da demência da doença de Alzheimer", afirmou a autora principal do estudo, Rebecca Thurston.

"Descobrimos que os suores noturnos estavam associados a perfis adversos de beta-amiloide 42/40, o que indica que os afrontamentos experimentados durante o sono podem ser um marcador de mulheres em risco de demência de Alzheimer", disse Thurston, professora de psiquiatria, epidemiologia e psicologia que dirige o Laboratório de Saúde Bio-Comportamental da Mulher na Universidade de Pittsburgh.

O biomarcador não identifica se uma pessoa tem doença de Alzheimer clínica, disse Thurston, apenas a possibilidade de desenvolver a doença no futuro.

"Por outras palavras, os afrontamentos noturnos não estão a causar este risco. São apenas um marcador de pessoas que estão em risco acrescido", disse Faubion. "Da mesma forma, não sabemos se o tratamento dos suores noturnos diminuiria o risco. Não sabemos isso".

O estudo também analisou dois biomarcadores para a proteína tau, o outro sinal distintivo da doença de Alzheimer, mas não encontrou qualquer associação, disse Thurston. "Estes biomarcadores ainda estão a ser desenvolvidos rapidamente e, embora tenham sido validados, ainda há muito mais a aprender".

Devido às medições objetivas do sono, os investigadores conseguiram excluir o papel da falta de sono, um fator de risco bem conhecido para a demência, nos resultados. Estudos anteriores que também controlaram o sono concluíram que os afrontamentos e os suores noturnos estavam associados a um fraco desempenho da memória e a alterações na estrutura, função e conetividade do cérebro.

"Todas as descobertas estão a convergir para sublinhar que há algo nestes sintomas vasomotores noturnos, para além do próprio sono, que está a afetar o cérebro", afirmou.

Doença cardíaca

Outro estudo apresentado na conferência pela equipa de Thurston analisou os marcadores inflamatórios das doenças cardíacas. Uma investigação anterior realizada por Thurston revelou que as mulheres que afirmaram ter afrontamentos frequentes ou persistentes durante o início da menopausa apresentavam um risco 50% a 80% superior de eventos cardiovasculares, como ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e insuficiência cardíaca.

Os afrontamentos moderados a graves frequentes podem durar, em média, sete a 10 anos e os afrontamentos menos frequentes ou graves podem durar ainda mais tempo, de acordo com os especialistas.

Nesta nova investigação, os cientistas utilizaram monitores de suor em 276 mulheres que faziam parte do estudo MSHeart para medir a frequência e a intensidade dos afrontamentos de forma mais objetiva durante o dia e a noite.

"Muitas pessoas não relatam os seus afrontamentos, dizendo que não estão a ter muitos, quando na verdade estão", disse Faubion. "A utilização deste monitor é uma forma objetiva de os quantificar".

Os investigadores compararam a frequência e a intensidade dos afrontamentos com as medições sanguíneas da proteína C-reativa, uma proteína que indica os níveis de inflamação no organismo e que é utilizada para determinar o risco de doença cardíaca e de acidente vascular cerebral em pessoas que ainda não têm doença cardíaca.

Os resultados mostraram que os afrontamentos durante o dia estavam associados a níveis mais elevados de proteína C-reativa, mesmo depois de ajustados a outras causas potenciais, como a idade, o índice de massa corporal (IMC), a educação, a etnia, a hormona estradiol e a raça.

"Este é o primeiro estudo que examina os afrontamentos medidos fisiologicamente em relação à inflamação e acrescenta provas a um conjunto crescente de literatura que sugere que os afrontamentos podem significar um risco vascular subjacente", afirmou a autora principal, Mary Carson, estudante de doutoramento em clínica e bio-saúde no departamento de psicologia da Universidade de Pittsburgh, num comunicado.

O que pode fazer

Uma vez que as doenças cardíacas são a principal causa de morte das mulheres em todo o mundo, os médicos devem começar a perguntar às pacientes sobre as suas experiências com afrontamentos como um fator de risco para doenças futuras, disse Faubion.

"As mulheres que podem estar a ter suores noturnos, em particular, podem precisar de avaliar o seu risco cardiovascular em geral", disse ela.

"Quanto ao que fazer, as recomendações serão as mesmas que para a saúde do coração e do cérebro: dormir melhor, dieta adequada, programa de exercícios regulares, redução do stress, manter-se socialmente conectado e fazer algo que estimule seu cérebro.”

Estilo de Vida

Mais Estilo de Vida

Na SELFIE

Patrocinados