Sondagem palestiniana demonstra aumento do apoio ao Hamas e rejeição de Mahmoud Abbas

Agência Lusa , SM
13 dez 2023, 20:59
Mahmoud Abbas

Apoio ao grupo islâmico parece crescer na Faixa de Gaza à medida que aumenta a rejeição ao presidente da Autoridade palestiniana, indica estudo

Uma sondagem em tempo de guerra entre os palestinianos, divulgada esta quarta-feira, indica um aumento do apoio ao Hamas, que parece reforçar-se na devastada Faixa de Gaza, e uma ampla rejeição do presidente da Autoridade palestiniana (AP) Mahmoud Abbas.

O estudo de um instituto palestiniano sugere mais dificuldades nas perspetivas da administração dos Estados Unidos para Gaza, e coloca questões sobre o objetivo de Israel em eliminar as capacidades militares e de governo do movimento islamita palestiniano.

Washington apelou à AP, sediada na Cisjordânia ocupada e dirigida por Abbas desde 2005, para assumir o eventual controlo da Faixa de Gaza e dirigir os dois territórios na perspetiva de um posterior acordo, mesmo que sublinhasse a necessidade em “revitalizar” a sua liderança.

Abbas, 88 anos, e a AP, apoiados pelo ocidente, administram diversas bolsas de território na Cisjordânia ocupada por Israel e governaram na Faixa de Gaza até à vitória por maioria absoluta do Hamas nas eleições de 2006. Desde então, e por diversos motivos, não foram realizadas eleições nos dois territórios.

Os resultados da sondagem indicam uma contínua erosão da legitimidade de AP, e quando não existem perspetivas para o reinício de negociações credíveis sobre um futuro Estado para os palestinianos, com quase 90% a considerar que Abbas deve demitir-se.

“Israel está atolado em Gaza”, disse à agência noticiosa Associated Press (AP), Khalil Shikaki, um dos responsáveis pelo estudo do Centro palestiniano de política e investigação (PSR).

“Talvez o próximo governo [israelita] decida que Netanyahu não tem razão ao colocar todas essas condições e decidam retirar unilateralmente de Gaza. Mas a questão no futuro, para Israel e Gaza, é que Israel está a promover uma total reocupação de Gaza”.

O estado foi realizado entre 22 de novembro e 02 de dezembro entre 1.231 pessoas da Cisjordânia e Faixa de Gaza, com uma margem de erro de quatro pontos. Em Gaza, a sondagem foi realizada junto de 481 pessoas durante o cessar-fogo de uma semana que terminou em 01 de dezembro.

A sondagem também permite revelar as perspetivas dos palestinianos sobre o ataque do Hamas e de outros grupos militantes no sul de Israel em 07 de outubro, que provocou a morte de cerca de 1.200 pessoas, na maioria civis. Mais de 18.400 palestinianos, na maioria civis, foram mortos no decurso da ininterrupta campanha de bombardeamentos e da ofensiva terrestre em Gaza desencadeada de imediato por Israel e que caminha para o terceiro mês.

Shikaki também indicou que os habitantes da Faixa de Gaza são mais críticos em relação ao Hamas que na Cisjordânia, onde geralmente aumenta o apoio ao Hamas durante os períodos de confito armado antes do regresso de aparente acalmia, e mesmo que a maioria dos palestinianos não apoie explicitamente o grupo militante.

No entanto, e apesar da devastação, a sondagem indica que 57% dos inquiridos em Gaza e 82% na Cisjordânia consideram que o Hamas foi correto ao lançar o ataque de outubro.

Uma larga maioria também acredita na justificação do Hamas de que atuou para defender a mesquita de Al-Aqsa em Jerusalém contra os extremistas judeus, e garantir a libertação dos prisioneiros palestinianos. Apenas 10% considera que o Hamas cometeu crimes de guerra, com uma larga maioria a referir que não observou os vídeos que mostram os seus membros a cometer atos sangrentos.

O responsável pelo instituto PSR indicou que Marwan Barghouti, uma proeminente figura do movimento Fatah de Abbas e que cumpre diversas penas de prisão perpétua numa cadeia israelita permanece o político mais popular. Numa eleição presidencial a duas voltas, o líder político do Hamas no exílio, Ismail Haniyeh, derrotaria Abbas, e numa corrida a três, Barghouti sairia vencedor, acrescenta o estudo.

No total, 88% por cento pretendem a demissão de Abbas, mais 10 pontos percentuais face a uma sondagem realizada há três meses. Na Cisjordânia, 92% pretendem a demissão do octogenário, que continua a liderar uma AP geralmente considerada corrupta, autocrática e ineficaz.

Médio Oriente

Mais Médio Oriente

Patrocinados