As crianças também têm covid de longa duração. E pode manifestar-se de maneiras inesperadas

CNN , Jen Christensen
15 mai, 17:00
Pandemia da covid-19 (Getty Images)

Kim Ford lembra-se muito bem do dia 10 de novembro. Foi nesse dia, no ano passado, que o seu filho Jack, de 9 anos, tinha agendada, na clínica da escola, a toma da vacina contra a covid-19. Eles estavam animados porque, finalmente, o menino teria alguma proteção. Contudo, no dia anterior, Jack fungava.

"Quando ele acordou e sentia-se ainda pior, disse: 'sabes que mais, vamos testar-te antes de entrares, porque não quero que leves a vacina se estiveres infetado'”, disse esta mãe do Estado do Michigan.

Jack testou positivo à covid-19 naquele dia. Desde então, ele tem vivido com os sintomas da doença.

Isso tem-no impedido de ficar na escola o dia todo. Ele tem de impor limites ao tempo que joga beisebol com as outras crianças do bairro. Mesmo quando joga Fortnite durante muito tempo, isso pode fazer com que se sinta mal no dia seguinte.

Ele é um entre milhões de crianças com covid de longa duração.

"O meu estômago dói-me e é difícil respirar. Tenho, de igual maneira, o nariz entupido. Podemos sentir uma quantidade absurda de coisas. Por vezes, é realmente irritante. Não é como estar constipado. Parece covid”, disse Jack Ford.

"As pessoas podem pensar que estamos a fingir, mas não estamos. Uma pessoa sente que tem covid", acrescentou.

“Um problema não diagnosticado”

Alguns especialistas dizem que ainda não se sabe ao certo quantas crianças desenvolvem covid de longa duração. Tal acontece porque não há pesquisas suficientes, nesta faixa etária, sobre o assunto.

De acordo com a Academia Americana de Pediatria, desde o início da pandemia, quase 13 milhões de crianças testaram positivo à covid-19. Estudos sugerem que entre 2% e 10% dessas crianças desenvolverão covid de longa duração. No entanto, o número pode ser maior. Muitos pais podem não saber que o seu filho tem covid de longa duração ou o pediatra da criança não reconheceu os sintomas como tal.

Nos adultos, algumas pesquisas estabelecem o número à volta de 30% dos casos.

"Pessoalmente, eu acredito que este é um problema não diagnosticado", disse a Dra. Sara Kirsten Sexton Tejtel. Esta médica conduz uma clínica pediátrica que trata a covid de longa duração, no hospital Pediátrico Texas, em Houston.

Um pouco por todo o país, muitos médicos que cuidam de crianças em clínicas direcionadas para o tratamento da covid de longa duração, dizem que há longas listas de espera para uma consulta. Algumas já não têm vagas até setembro.

Um conjunto incomum de sintomas

Não há testes específicos para a covid de longa duração. Não é claro quais as crianças que terão esta patologia, uma vez que isto pode acontecer mesmo quando uma criança tem um caso ligeiro de covid-19.

"É surpreendente a quantidade de crianças que apresentam e têm uma série de sintomas que não reconhecemos na totalidade. Algumas crianças aparecem com insuficiência cardíaca após terem tido infeções assintomáticas provocadas pela covid", disse o Dr. Jeffrey Kahn, chefe da Divisão de Doenças Infeciosas Pediátricas do Centro Médico da Universidade do Texas Southwestern, em Dallas. "O que me impressiona é que, geralmente, tal ocorre cerca de quatro semanas após a infeção, embora esta possa ser assintomática. Isso é verdadeiramente surpreendente."

Mesmo quando se testam as crianças com covid de longa duração para doenças que podem causar esses sintomas, é possível que nada apareça.

“Testaram-me e parecia que não eu não tinha nada de mal. Eles deram o seu melhor para encontrar alguma coisa", disse Jack Ford.

Os resultados do teste de função pulmonar e o eletrocardiograma estavam normais. "A clínica disse que isto é muito comum em crianças com covid de longa duração. Às vezes, todos os testes estão normais", disse Kim Ford.

A Dra. Amy Edwards, que dirige, em Cleveland, a clínica pediátrica para a covid de longa duração, no Hospital Universitário Rainbow Babies & Children's, concordou que isso acontece bastante.

"Nós examinamos o trato gastrointestinal dos pacientes e está tudo normal. Faço exames imunológicos e o sistema imunitário das crianças parece normal. Tudo parece normal. No entanto, as crianças não estão normais”, disse Edwards. "Eu digo às famílias que estas têm de lembrar-se de que há limites para o que a ciência médica entende e pode testar. Por vezes, não somos espertos o suficiente para saber onde procurar."

“Os problemas nos adultos tendem a ser mais óbvios, uma vez que a disfunção nos órgãos aparece nos testes”, disse Edwards.

Os médicos ainda estão a tentar entender o motivo pelo qual a covid de longa duração se manifesta assim nas crianças. De igual modo, eles estão a descobrir quais os sintomas que definem esta patologia nas crianças. Alguns estudos em adultos mostram uma variedade de 200 sintomas. Contudo, não há uma definição universal dos casos clínicos.

Na clínica de Sexson Tejte, no Texas, as crianças enquadram-se em algumas categorias. Algumas têm fadiga, névoa mental e dores de cabeça severas, "ao ponto de algumas crianças não serem capazes de ir à escola". "Por isso, as suas notas desceram. São esses tipos de problemas", disse ela.

Um grupo tem problemas cardíacos, tais como: palpitações cardíacas, dores no peito e tonturas, sobretudo quando voltam às suas atividades normais. Outro grupo tem problemas estomacais. Muitas dessas crianças também têm uma mudança a nível do olfato e do paladar.

Sexson Tejte disse que isto não é totalmente diferente dos sintomas que os adultos têm, "mas não é uma mistura de diferentes sistemas de órgãos como nos adultos".

"Uma vez que essa bateria está descarregada, fica sem energia”

Um dos sintomas de Jack Ford afeta a quantidade de energia que tem para atividades normais.

"Pacientes com covid de longa duração sofrem de mal-estar pós-esforço. Esse é o maior problema de Jack", disse Kim Ford. "Isso pode acontecer se ele faz demasiado esforço, embora o meu filho possa não estar a exagerar em termos físicos. Por exemplo, se o Jack estivesse chateado com alguma coisa no dia anterior, ou caso estivesse mentalmente envolvido em algo, tal como: ver televisão ou jogar um jogo sentado na cadeira, tudo isso é extenuante para ele.”

A energia tornou-se um problema tão grande que Jack não pode ir à escola durante um dia inteiro. Diariamente, os seus pais começaram a levar o filho à escola durante uma a duas horas. De forma gradual, aumentaram para cerca de cinco horas e meia por dia.

"Estamos a tentar chegar às seis horas, mas até agora ainda não foi possível", disse Kim Ford. "No dia seguinte, ele acordou muito infeliz."

Edwards, que está encarregue da clínica para o tratamento da covid de longa duração em Cleveland, diz que tem de falar com os pais sobre equilibrarem, cuidadosamente, a energia que os seus filhos gastam. As pessoas saudáveis, mesmo que estejam cansadas, podem exigir mais de si mesmas. No entanto, aquelas que sofrem de covid de longa duração não podem exagerar. "É como se tivessem uma bateria. Esta tem de ser usada com cuidado na escola, para brincar e para ver televisão. Cada coisa que se faz requer energia. Uma vez que essa bateria está descarregada, fica sem energia", disse Edwards.

Alguns dos seus pacientes adolescentes ficam exaustos, somente por lidarem com as coisas típicas da escola.

"Os pacientes com sintomas de longa duração têm de pensar em cada aspeto do seu dia. De igual forma, têm de pensar onde vão despender essa energia. Têm de ter esse equilíbrio. Caso contrário, ficam esgotados.”

Muitos também sofrem de ansiedade. Parte disso pode decorrer da doença em si. No entanto, tal também surge por conta da dúvida que os médicos ou os adultos mostram quando os pacientes dizem que não se sentem bem.

Especialistas de todo o país dizem que as queixas dos pacientes são ignoradas, mesmo quando existe uma mudança acentuada a nível da saúde. Os médicos dizem aos pacientes que estão a ser dramáticos, que procuram atenção ou que os sintomas estão somente na cabeça deles.

"Não quero ser muito crítica, mas há alguns médicos que simplesmente descartam essas queixas", disse a Dra. Alexandra Yonts, diretora da Clínica Nacional Pós-Covid Para as Crianças, em Washington. "As crianças estão a lutar. Mandam-nas de um lado para o outro.”

Yonts acha que, entre os médicos, é necessário haver um melhor reconhecimento de que a covid de longa duração pode ser um problema real.

"Eu tenho dois pacientes que, atualmente, andam em cadeira de rodas depois de terem tido covid. Eles nunca tinham tido necessidade de usá-la antes. Um menino anda de muletas e outra criança perdeu a capacidade de usar as mãos", disse Edwards. "Devemos acreditar nessas crianças.”

A ajuda está disponível, mas nem todos têm acesso a ela

Não há tratamento específico para pacientes com covid de longa duração, mas a maioria dessas clínicas são multidisciplinares.

Na clínica de Edwards, inaugurada no ano passado, os especialistas podem tratar problemas pulmonares, digestivos, reabilitação física, problemas de sono, problemas de saúde mental e outros. Há um nutricionista na equipa, bem como um acupunturista e um pediatra, que é licenciado em fitoterapia chinesa.

Além de trabalhar em conjunto com as crianças, para que elas possam determinar onde querem gastar a sua energia e quando devem fazer pausas, a clínica de Edwards ensina os pacientes a meditar. Estes fazem massagens terapêuticas e exercícios de meditação.

"As crianças precisam de múltiplos elementos de ajuda. Se formos mais intensos, elas ficam significativamente melhores. De igual maneira, recebem apoio intensivo e terapia", disse Edwards.

No entanto, nem todas as crianças conseguem aceder à clínica.

"Conversei com muitas pessoas que trabalham na recuperação pediátrica da covid. Todas dizem a mesma coisa: 'Estamos preocupadas com as crianças, uma vez que elas não recebem ajuda. Nem todas recebem apoio dos pais, nem têm acesso ao sistema médico'. Isto não me deixa dormir à noite", disse Edwards.

Muito do trabalho que a sua clínica faz é incentivar as crianças a dormirem o suficiente, bem como a comerem alimentos saudáveis. Contudo, nem todas as famílias têm dinheiro para comprar comida saudável.

"Isso aterroriza-me, uma vez que essas famílias, em particular, já começam esta luta com algum atraso. Agora, têm filhos com covid de longa duração", disse Edwards. "Temos de esperar que mais pessoas tomem consciência do problema e tentem ajudar."

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados