Rui Moreira acusa CNE de não preparar voto antecipado. Comissão manda autarca ler a lei

Agência Lusa , BCE
12 jan, 17:26
Rui Moreira
Rui Moreira

Comissão Nacional de Eleições rejeitou responsabilidades na organização do voto antecipado para as legislativas e acusou Rui Moreira de não saber quais são as competências da CNE

PUB

O porta-voz da Comissão Nacional de Eleições rejeitou esta quarta-feira as críticas do presidente da Câmara do Porto, que acusou aquela entidade de apenas avaliar “queixinhas durante o período eleitoral” e não regular voto antecipado das eleições.

“A crítica vem de alguém que não sabe o que é a CNE. Alguém que não se deu ao trabalho nunca de, ao longo destes anos de vida política, ter aberto a lei que regula a CNE e ver quais são as competências da CNE”, disse à Lusa João Tiago Machado, porta-voz da Comissão Nacional de Eleições (CNE), rejeitando “em absoluto” as críticas proferidas pelo autarca.

PUB

Segundo João Tiago Machado, se Rui Moreira tivesse lido a lei, teria sabido que não compete à CNE a organização do processo eleitoral. “Essa é uma competência exclusiva da Secretaria-geral do Ministério da Administração Interna, que faz a articulação com os municípios”, acrescenta.

O presidente da Câmara do Porto acusa a Comissão Nacional de Eleições de só servir para avaliar as “queixinhas durante o período eleitoral” e não ter preparado as regras para o voto antecipado para as legislativas em pandemia.

PUB
PUB
PUB

“O que eu digo relativamente à Comissão Nacional de Eleições (CNE) é assim: se a Comissão Nacional de Eleições não serve para regular esta matéria [do voto antecipado em tempos de pandemia], então para o que é que serve esta Comissão Nacional de Eleições? Para avaliar as queixinhas durante o período eleitoral”, afirmou esta manhã Rui Moreira.

Rui Moreira considerou que ao fim de três eleições já seria tempo de as autoridades competentes terem organizado isto de tal maneira que não esteja sujeito a estes imponderáveis. “O país precisa de planeamento. A pandemia já não nos pode surpreender (…). Quando nós nada decidimos, recebemos muitas vezes informações contrastantes e precisamos do empenho dos partidos [políticos], principalmente dos grandes partidos para disponibilizarem pessoas para estarem presentes relativamente a regras que são eles que criam.”

Em resposta, João Tiago Machado disse ainda que se o “autarca em causa não está com capacidades para fazer o que lhe compete”, “o que a lei o obriga”, que deveria dirigir os “seus ataques a quem de direito, que não é a CNE, que não tem nada a ver com a organização do processo autárquico em ano eleitoral”.

PUB
PUB
PUB

Relacionados

Uma newsletter para conversarmos - Decisão 22

Envie-nos as suas questões e sugestões de temas, responderemos pela caixa do correio

Saiba mais

Decisão 22

Mais Decisão 22

Patrocinados