Opinião: O imponente Netanyahu nunca pareceu tão fraco

CNN , Frida Ghitis
28 jul 2023, 21:47
Benjamin Netanyahu (Foto: Abir Sultan/AP)

Não há dúvida de que os livros de história dedicarão um espaço considerável ao impacto que o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu teve no destino da sua nação em apuros.

Nota do editor: Frida Ghitis, antiga produtora e correspondente da CNN, é colunista de assuntos mundiais. É colaboradora semanal de opinião da CNN, colunista colaboradora do The Washington Post e colunista da World Politics Review. As opiniões expressas neste comentário são da sua inteira responsabilidade.

Afinal, Netanyahu, apelidado de “Bibi”, já era o primeiro-ministro há mais tempo no poder antes de conseguir garantir uma nova passagem pelo cargo em dezembro, dando início ao seu mandato mais tumultuoso e que poderá acabar por definir o seu legado.

Neste momento, esse legado parece ser sombrio.

A menos que haja uma súbita reviravolta, é provável que a história recorde Netanyahu como o homem que serviu os interesses dos inimigos de Israel, dividindo o país em campos amargamente opostos. Em vez de procurar um terreno comum e tentar unir as pessoas, avançou com um plano que minou as fundações democráticas do país.

Na segunda-feira, como se a história estivesse a tentar sublinhar a fragilidade do seu poder, Netanyahu teve alta do hospital após uma intervenção de urgência para implantar um “pacemaker” a tempo de uma votação chave no Knesset, o parlamento de Israel.

A oposição boicotou a votação, mas o Knesset aprovou um elemento-chave da proposta de revisão judicial que visa reduzir o poder dos tribunais e reforçar o do Parlamento, do Governo e do Primeiro-Ministro - todos sob o controlo de Netanyahu. O projeto de lei, aprovado por 64-0, suprime a chamada cláusula de razoabilidade, enfraquecendo a capacidade do Supremo Tribunal de rever as decisões do Conselho de Ministros que considere não razoáveis.

Tudo isto faz parte de um pacote legislativo a que os apoiantes de Netanyahu chamam “reformas”, argumentando que irão reforçar a democracia. No entanto, os opositores insistem que estas medidas constituem um golpe de Estado, permitindo que o governo mais à direita da história de Israel governe sem quaisquer controlos e equilíbrios e potencialmente aproximando o país de uma ditadura.

Nos Estados Unidos, os três ramos do governo podem controlar-se mutuamente e os 50 estados funcionam com grande autonomia. Mas no sistema parlamentar de Israel, o primeiro-ministro controla não só o executivo mas também o legislativo através da sua coligação maioritária no parlamento. E não existem tribunais e legislaturas estaduais separados. Sem o controlo do sistema judicial, o primeiro-ministro e o seu bloco não têm muito por onde se deter quando fazem avançar a sua agenda.

Os apoiantes da reforma afirmam que esta reflete os resultados das eleições e que ela tornará o país mais democrático, ao destituir os juízes não eleitos.

Mas a medida fez soar o alarme em todo o país. Durante 29 semanas consecutivas, os israelitas têm protestado nas ruas, bloqueando autoestradas e exigindo que se ponha cobro a mudanças profundas no sistema jurídico do país. As manifestações têm sido enormes, chegando a reunir 200 mil pessoas de cada vez, segundo algumas estimativas, num país de apenas 10 milhões de habitantes.

A paixão que move estes defensores da democracia é o único lado positivo da crise em Israel. No fim de semana passado, milhares de pessoas empreenderam uma marcha extenuante de Telavive a Jerusalém, uma subida íngreme com temperaturas escaldantes. Estavam decididos a impedir o que, segundo eles, vai mudar o carácter de Israel.

Numa “carta de emergência” publicada em janeiro, economistas proeminentes alertaram para o facto de que “a concentração de um vasto poder político nas mãos do grupo no poder, sem um forte controlo e equilíbrio, poderia paralisar a economia do país”.

Os principais responsáveis pela segurança escreveram uma carta contundente a Netanyahu, responsabilizando-o pessoalmente por causar graves danos à segurança de Israel. Os reservistas disseram que vão deixar de se voluntariar e muitas empresas estão a fechar as portas em sinal de protesto.

A agenda de Netanyahu é muito diferente da que prometeu quando voltou a assumir o cargo há sete meses. Nessa altura, prometeu concentrar-se em travar o programa nuclear do Irão, expandir as relações de Israel com os países árabes e reforçar a economia.

Mas Netanyahu mudou de velocidade quase de imediato e fê-lo, muito provavelmente, para assegurar a sua manutenção no poder, agradando aos seus novos parceiros de coligação de extrema-direita e, possivelmente - embora o negue veementemente - para se proteger dos processos de corrupção que enfrenta, com base em acusações que nega.

Para Netanyahu, trata-se de uma luta pela sua sobrevivência. Para Israel, é uma batalha sobre o carácter do país. Continuará a ser uma democracia moderna e pluralista - uma nação de maioria judaica com um governo secular - ou tornar-se-á um país nacionalista religioso com leis que refletem os princípios religiosos, com menos respeito pelo pluralismo e pelos direitos individuais e talvez mais autoritarismo.

Para se tornar primeiro-ministro, Netanyahu teve de reunir o apoio de um número suficiente de partidos para obter 61 votos dos 120 lugares da Knesset. Conseguiu formar uma coligação com a participação de extremistas de direita que até então eram vistos como párias.

Os ativistas de extrema-direita Itamar Ben Gvir e Bezalel Smotrich, cujos partidos, em conjunto, obtiveram 13 dos 120 lugares, detêm agora o poder para impor as suas posições extremistas, incluindo a expansão do controlo de Israel sobre a Cisjordânia, a inversão de políticas socialmente liberais e a injeção de mais religião na vida pública.

Netanyahu há muito que tempera a sua ideologia com pragmatismo, mas mudar de rumo pode significar perder o seu apoio e ver a sua coligação desmoronar-se.

As sondagens mostram que a popularidade de Netanyahu começou a afundar-se a partir do momento em que começou a promover a agenda da extrema-direita. Uma sondagem de fevereiro revelou que cerca de dois terços dos israelitas se opunham à revisão. Desde então, várias sondagens mostraram que, se as eleições se realizassem agora, Netanyahu e a sua ala direita perderiam o poder.

Mais dramaticamente, uma sondagem divulgada durante o feriado da Páscoa na primavera revelou que a aprovação de Netanyahu estava a cair. Quando questionados sobre quem prefeririam como primeiro-ministro, apenas 34% responderam preferir Netanyahu a Benny Gantz, de centro-direita, com o líder da oposição Yair Lapid a vencer também o líder israelita.

O Presidente dos EUA, Joe Biden, que os israelitas conhecem como um apoiante de Israel, tem instado Netanyahu a salvaguardar a democracia israelita e a tentar obter um apoio generalizado às mudanças. O governador da Flórida, Ron DeSantis, candidato à presidência do Partido Republicano em 2024, disse que Biden deveria ficar de fora das deliberações internas de Israel. Outros dizem que é altura de os EUA começarem a afastar-se de Israel. Biden tem razão em traçar um caminho intermédio. Os israelitas preocupam-se com o que pensa o seu aliado indispensável.

Netanyahu tem sido a figura de proa da política israelita durante décadas. É um homem brilhante e um político dotado. Conseguiu grandes feitos que beneficiaram Israel. Libertou o dinamismo económico do país, ajudando a transformá-lo numa potência financeira, tecnológica e de segurança. Construiu os laços diplomáticos de Israel num ambiente hostil, mesmo entre os países árabes.

Mas também sufocou o último suspiro de uma solução de dois Estados reconhecidamente moribunda, sem oferecer uma saída significativa para o conflito com os palestinianos, e minou o apoio bipartidário a Israel nos EUA, contribuindo para a politização da questão pelo antigo Presidente dos EUA Donald Trump.

Agora, para seu próprio benefício, Netanyahu está a brincar não só com a democracia de Israel, mas também com o seu tecido social, com a coesão de que precisa para sobreviver quando tantos ainda prometem destruí-la. A menos que mude de rumo, a história não será amável com ele.

Mundo

Mais Mundo

Mais Lidas

Patrocinados