Incêndios: Pontos quentes e difíceis acessos no combate em Carrazeda de Ansiães

Agência Lusa , DCT
15 ago 2023, 10:47
Incêndio em Odemira (Luís Forra/Lusa)

Às 9:15 desta terça-feira, eram 141 os operacionais no local, além das 42 viaturas e um meio aéreo.

O incêndio que deflagrou na segunda-feira à tarde, em Pinhal do Norte, Carrazeda de Ansiães, tem esta manhã "pontos quentes, muitos dispersos e de difícil acesso", disse fonte do comando de operações.

A mesma fonte adiantou que há duas frentes já dominadas e em vigilância ativa. Os meios terrestres continuam em trabalhos de consolidação, apoiados por um meio aéreo desde o início desta manhã.

Esta terça-feira ao início da madrugada, fonte da Autoridade de Emergência e Proteção Civil dava conta que os trabalhos estavam "demorados, mas a correr favoravelmente".

Na segunda-feira, cerca das 21:30, fonte do comando de operações avançava que 90% do incêndio estava já dominado e os restantes 10% a arder com pouca intensidade e de forma descontinuada naquela região do distrito de Bragança.

O alerta foi dado na segunda-feira às 15:03, para uma zona de mato, segundo a página na internet da Autoridade de Emergência e Proteção Civil.

Um casal de cerca de 50 anos foi retirado por precaução pelas autoridades da localidade de Felgueira, freguesia de Pinhal do Norte, onde começou o incêndio e passou a noite em casa de familiares.

Às 9:15 desta terça-feira, eram 141 os operacionais no local, além das 42 viaturas e um meio aéreo.

País

Mais País

Patrocinados