Ataques de drones ucranianos estão a levar a guerra para a Rússia. O que é que isso significa para o conflito?

CNN , Rob Picheta
5 ago 2023, 10:18
Um perito inspeciona a fachada danificada de um edifício de apartamentos após um ataque de drones em Moscovo, a 30 de maio de 2023. Kirill Kudryavtsev/AFP/Getty Images

ANÁLISE. Após uma série de ataques de drones em várias cidades russas, uma Kiev encorajada avisa que mais ataques se dirigem a Moscovo.

Haver ataques de drones ucranianos dentro da Rússia pareceu, em tempos, uma perspetiva impensável. Mas esses ataques tornaram-se uma caraterística cada vez mais comum da guerra de Moscovo - e Kiev, encorajada, avisa que mais virão.

Ao longo do verão, uma série de ataques com drones tem polvilhado cidades russas, incluindo Moscovo. Na sexta-feira, ocorreu um dos mais dramáticos até à data - drones marítimos visaram um importante porto russo a centenas de quilómetros do território ucraniano, deixando um navio de guerra à deriva.

Os drones desviaram a atenção da contraofensiva ucraniana, que ainda não produziu resultados tangíveis no campo de batalha, e trouxeram a guerra para dentro da casa da Rússia.

Mas estes ataques não são isentos de riscos para Kiev, que está a tentar tomar a dianteira na guerra, ao mesmo tempo que mantém relações com as nações ocidentais, atentas a qualquer indício de escalada.

Eis o que precisa de saber.

Uma série de ataques

O Presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, avisou na semana passada que a guerra está a “regressar gradualmente” à Rússia, após o que era o último de uma série de ataques com drones no interior do país, que Moscovo atribuiu a Kiev.

No fim de semana passado, edifícios em Moscovo foram alvo de drones. Na terça-feira, um drone atingiu o mesmo arranha-céus em Moscovo que tinha sido atingido no domingo.

Este incidente seguiu-se a duas tentativas de ataque semelhantes, comunicadas pelas autoridades russas no início de julho, e a numerosos incidentes deste tipo em junho. Em maio, um aparente ataque com drones sobre o Kremlin levou a imagens dramáticas de explosões nos céus sobre a sede do poder russo.

Um edifício danificado em Moscovo na sequência dos ataques de drones do passado fim de semana. Foto AP

Tipicamente, a Ucrânia não tem assumido diretamente a responsabilidade pelos ataques, embora as suas respostas se tenham tornado mais otimistas nas últimas semanas. “A distância e a negação entre Kiev e estes ataques diminuíram significativamente”, disse à CNN Douglas Barrie, membro sénior do Instituto Internacional de Estudos Estratégicos (IISS, na sigla original em inglês). “Agora parece haver quase um reconhecimento tácito de que foram (eles)”.

O ministro ucraniano Mykhailo Fedorov, cujo Ministério da Transformação Digital supervisiona o plano de aquisição do “Exército de Drones” do país, disse que haveria mais ataques de drones à medida que Kiev intensifica a sua contraofensiva paralela de verão com o objetivo de empurrar as tropas russas para fora do território ucraniano.

Sistemas de armas limitados mas eficazes

É difícil determinar com exatidão quais são os sistemas de armas utilizados nos ataques e quais os edifícios visados, uma vez que tanto a Rússia como a Ucrânia se recusam a falar sobre os pormenores dos incidentes.

Mas há claramente grandes diferenças entre estes ataques - que são de âmbito limitado, causaram poucas vítimas e não visaram edifícios residenciais - e os que Moscovo lançou indiscriminadamente contra centros populacionais ucranianos.

“Quer estejam ou não a atingir os alvos pretendidos, os alvos parecem ser edifícios ligados à prossecução da guerra na Ucrânia”, disse à CNN Keir Giles, especialista em Rússia da Chatham House e autor de livros sobre a invasão e a política externa da Rússia. “Nesse aspeto, é uma abordagem muito diferente da que temos visto na Rússia, com ataques terroristas indiscriminados”.

Giles observa que há “uma questão em aberto sobre a forma exata como a Ucrânia está a fazer os ataques”. Mas eles “mostraram a incapacidade das defesas da Rússia”, acrescentou.

Os veículos aéreos não tripulados (UAV) unidireccionais que aparentemente foram lançados “transportam uma ogiva bastante pequena e foram utilizados em pequeno número, pelo que, em termos de efeitos militares diretos, eles são limitados, para dizer o mínimo”, disse Barrie.

“Os tipos de sistemas que a Ucrânia está a utilizar são simples, comparativamente falando, mas para o seu objetivo são eficazes”, acrescentou Barrie.

Não há qualquer sugestão de que as armas tenham sido doadas pelo Ocidente, o que é crucial. “São sistemas que (a Ucrânia) pode fabricar ela própria”, disse Barrie, permitindo a Kiev enviar mensagens militares ao povo russo, a par da sua guerra defensiva interna, que os países da NATO têm apoiado com ajuda militar.

“Trata-se fundamentalmente de mostrar que Moscovo não está fora de alcance”, disse Barrie.

Os ataques parecem ter tido como alvo edifícios envolvidos no esforço de guerra da Rússia. AP

Levar a guerra para a Rússia

Kiev aceitará de bom grado que o impacto militar dos ataques com drones é limitado, porque os ataques desempenham um papel muito mais importante na guerra do que esse.

“A Ucrânia identificou que a opinião e as atitudes populares na Rússia em relação à guerra são uma das áreas-chave que ela precisa de atingir para pôr fim à guerra”, disse Giles. “Enquanto a Rússia puder fingir que a guerra é algo que acontece noutros lugares, nada vai abalar esse apoio popular.”

Autoridades oficiais ucranianas têm discutido abertamente o elemento de propaganda dos ataques. Yurii Ihnat, um porta-voz da Força Aérea da Ucrânia, disse que os últimos ataques de drones a Moscovo tinham como objetivo criar impacto nos russos que, desde que o Kremlin invadiu a Ucrânia em fevereiro de 2022, sentiam que a guerra estava distante.

“Há sempre algo a voar na Rússia, bem como em Moscovo. Agora a guerra está a afetar aqueles que não estavam preocupados”, afirmou. “Por mais que as autoridades russas queiram fechar os olhos a esta situação, dizendo que intercetaram tudo (...), alguma coisa acontece.”

Os primeiros sinais sugerem que os recentes ataques causaram inquietação entre uma classe de especialistas militares na Rússia, já de si inquieta.

Registando as críticas de, pelo menos, um proeminente “blogger” militar de que a Rússia não tinha protegido os edifícios contra tais ataques, o Instituto para o Estudo da Guerra (ISW, na sigla original em inglês) escreveu numa atualização recente que “as autoridades russas terão provavelmente dificuldade em equilibrar a necessidade de acalmar a preocupação interna com os contínuos ataques de drones nas profundezas da retaguarda russa, com a recusa continuada do Presidente russo, Vladimir Putin, em mobilizar totalmente a sociedade russa para a guerra e as suas correspondentes consequências”.

Em maio, um incidente dramático com um drone pareceu ter como alvo o Kremlin. Imagem retirada de um vídeo obtido pela Reuters a 3 de maio de 2023. Ostorozhno Novosti/Reuters

“Estatuto de susto"

Avaliar a opinião pública na Rússia é notoriamente difícil. Mas relatos falam, pelo menos, do impacto dos ataques com drones nas pessoas que se encontram nas imediações dos ataques.

“Os meus amigos e eu alugámos um apartamento para vir aqui descontrair e, a certa altura, ouvimos uma explosão - foi como uma onda, toda a gente saltou”, disse uma testemunha à Reuters após o ataque do passado fim de semana em Moscovo. “Havia muito fumo e não se conseguia ver nada. De cima, via-se o fogo”.

“Isto parece estar de facto a atingir o tipo de estatuto de susto que se poderia esperar, em que os russos estão a perceber que não estão pessoalmente protegidos do que está a ser feito na Ucrânia”, disse Giles sobre os primeiros indícios das consequências dos ataques.

Está longe de ser claro se esta tendência irá provocar uma rutura mais alargada no apoio russo à guerra.

Por um lado, o pretexto de longa data de Putin para a guerra tem-se baseado em alegações infundadas de que a Ucrânia é uma ameaça à segurança russa e que a chamada operação militar especial no país é necessária para defender os interesses da Rússia. O facto de se darem a conhecer os recentes ataques pode ser utilizado para apoiar esse argumento à medida que a guerra se arrasta.

Mas após quase dezoito meses de desorganização e discórdia, a realidade de que os planos militares da Rússia estão a falhar tem sido cada vez mais difícil de negar. E a autoridade de Putin tem-se mostrado mais vulnerável nos momentos em que o impacto da guerra se faz sentir na Rússia - como durante a caótica mobilização militar do ano passado e durante a rebelião do grupo Wagner em junho.

Neste contexto, é fácil perceber por que razão a evocação regular do conflito no interior da Rússia serve os interesses estratégicos da Ucrânia.

O Ocidente está a ver

Apesar de todo o impacto propagandístico pretendido, enviar drones para a Rússia não é uma ação isenta de riscos para Kiev.

A consideração mais imediata é uma represália; o Kremlin tende a associar os ataques a cidades ucranianas a ataques anteriores à Rússia, numa abordagem de “olho por olho” destinada a causar pânico na Ucrânia.

Mas os ucranianos já estão bem familiarizados com a ameaça dos bombardeamentos aéreos russos e não há indícios de que esses ataques tenham diminuído a determinação no esforço defensivo.

Uma preocupação mais proeminente é a forma como o Ocidente reage a esses ataques. Há um ano, a perspetiva de a Ucrânia enviar drones para a Rússia era impensável, dado o contrato tácito entre as nações da NATO e Kiev, segundo o qual o Ocidente apoiaria prontamente uma guerra defensiva, mas seria mais cauteloso em relação a quaisquer ações que levassem a NATO a um conflito direto com a Rússia.

Não há nada que sugira que a Ucrânia tenha utilizado armamento fornecido pela NATO na Rússia - fazê-lo é provavelmente uma ponte que não considerariam atravessar neste momento - mas tornou-se claramente mais encorajada a levar a guerra até à Rússia. E, em contrapartida, os líderes ocidentais parecem, de um modo geral, descontraídos em relação a esta abordagem.

“A proibição de longa data de atacar a Rússia, imposta pelos fornecedores (...), foi mal colocada e mal concebida”, disse Giles. “Durante todo este período, a Rússia jogou o jogo da Rússia segundo as regras da Rússia”.

A forma como os líderes ocidentais encaram os ataques em território russo continua a variar, com os Estados Unidos a mostrarem-se particularmente preocupados. “De um modo geral, não apoiamos ataques dentro da Rússia”, disse a porta-voz da Casa Branca, Karine Jean-Pierre, aos jornalistas no final do mês passado, segundo a Reuters.

Mas a confiança de Kiev e a vontade crescente de reduzir o apoio russo à guerra significarão provavelmente que tais ataques continuarão a ser uma caraterística do conflito.

“É impossível dizer como isto se irá desenvolver, mas devemos certamente esperar que pelo menos este nível de demonstrações constantes da vulnerabilidade russa continue”, concluiu Giles.

 

Josh Pennington, Mariya Knight, Zahra Ullah e Heather Chen, da CNN, contribuíram para este artigo.  

Europa

Mais Europa

Patrocinados