Estudo tem boas notícias para os "guerreiros de fim de semana": exercício só ao sábado e domingo pode ser tão bom para a saúde cardíaca como treinar diariamente de segunda a sexta

CNN , Madeline Holcombe
22 jul 2023, 12:00
Exercício físico (Pexels)

Mas há algumas nuances - uma delas envolve a maneira como são distribuídos 150 minutos de exercício

Treinar só ao fim de semana também pode estar a proteger a sua saúde cardíaca

por Madeline Holcombe, CNN

De segunda a sexta-feira tem o trabalho, os compromissos e as obrigações familiares - o treino não pode esperar até ao fim de semana?

Talvez, de acordo com a investigação mais recente.

Um novo relatório publicado terça-feira na revista JAMA concluiu que tanto as pessoas que se exercitavam durante a semana como os "guerreiros de fim de semana" - que se exercitam durante sábado e domingo - registaram reduções semelhantes no risco de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca, fibrilhação auricular e acidente vascular cerebral, de acordo com o estudo.

O estudo baseou-se em dados do UK Biobank, uma grande base de dados biomédicos e um recurso de investigação que acompanha os residentes a longo prazo. Um grupo de mais de 100.000 pessoas utilizou acelerómetros para captar os seus movimentos ao longo de uma semana.

Em seguida, os investigadores avaliaram a relação entre os padrões de exercício e os eventos cardíacos registados pelos próprios.

"Descobrimos que tanto o padrão regular ativo como o padrão de guerreiro de fim de semana estavam associados a reduções muito semelhantes no risco de ataque cardíaco, insuficiência cardíaca, fibrilhação auricular e acidente vascular cerebral", afirma o autor principal do estudo, Shaan Khurshid, eletrofisiologista do Massachusetts General Hospital e professor de medicina na Harvard Medical School, em Boston.

Os adultos precisam de pelo menos 150 minutos de atividade física de intensidade moderada por semana, de acordo com as directrizes de atividade física para os americanos.

"Se conseguir atingir os níveis recomendados pelas diretrizes durante um ou dois dias da semana, os nossos resultados mostram que está a obter um benefício semelhante ao das pessoas que conseguem distribuí-lo de forma mais uniforme", afirmou Khurshid. "Não deve desanimar se for uma dessas pessoas em que esse tipo de padrão funciona melhor para si".

No entanto, existem limitações na metodologia do estudo. O segmento populacional no estudo era em grande parte branco, tornando difícil generalizar para a população, diz Andrew Freeman, diretor de prevenção cardiovascular e bem-estar da National Jewish Health em Denver. Freeman não fez parte da investigação.

Os participantes também só usaram os acelerómetros durante uma semana, o que pode não captar os seus padrões de atividade mais regulares, dependendo das circunstâncias.

"Mesmo para mim, se tiver um imprevisto ou outro, posso concentrar-me mais num fim de semana", diz Freeman.

Mas a investigação sobre esta questão ainda não terminou. Khurshid afirma que a equipa de estudo planeia continuar a investigar a forma como os padrões de atividade afetam de forma semelhante o risco de doenças em todo o espectro.

Fazer exercício durante a semana ou ao fim de semana?

Freeman recomenda frequentemente aos seus doentes que procurem fazer exercício todos os dias, aconselhando-os a comprometerem-se a fazer 30 minutos de exercício suficientemente difícil para os deixar sem fôlego.

"Isto cria a expectativa de que se vai fazer exercício todos os dias", afirma. "É uma forma poderosa de fazer perdurar um hábito."

Ainda assim, há doentes que dizem a Freeman que só conseguem fazer um ou dois dias de atividade durante a semana, mas que têm mais tempo ao fim de semana. A questão de saber se essa cadência é benéfica para a saúde tem sido muito debatida, mas o estudo recente dá-lhe mais confiança para os ajudar a fazer com que isso funcione, afirma.

"Isto é pelo menos suficientemente inspirador para que eu possa dizer a alguns doentes 'há alguns dados recentes que dizem que, se não conseguir fazer os seus 150 minutos distribuídos uniformemente ao longo da semana, talvez seja útil fazer 150 minutos durante um fim de semana'", diz Freeman.

E, mais importante ainda, "qualquer atividade é melhor do que nenhuma".

"A verdadeira coisa a tirar disso é que parece ser importante obter esse tipo de 30 minutos por dia ou cerca de 150 minutos por semana de atividade rápida", sublinha, acrescentando que a próxima pergunta para os investigadores é se há uma quantidade mínima de tempo por cada sessão de exercício.

Um estudo de 2021 concluiu que apenas 11 minutos por dia podem aumentar o tempo de vida.

Como fazer com que o exercício físico funcione

Independentemente da forma como o fizer, é importante procurar dedicar 150 minutos por semana, todas as semanas - faça sol, neve, férias ou trabalho, diz Freeman.

"O seu corpo não quer saber se está uma tempestade de neve, se está muito sol, se está de férias ou não", acrescenta.

Freeman recomenda geralmente o exercício de manhã porque a atividade física pode ser um estimulante e pode interferir com o sono no final do dia.

Embora o exercício seja importante para a saúde, não é suficiente. Também é importante dormir o suficiente, comer principalmente plantas, gerir o stress e socializar.

"Essas são as coisas mágicas que mantêm as pessoas fora de perigo o melhor que podem."

Embora Freeman espere que as pessoas procurem dedicar 30 minutos das 24 horas que têm por dia, o pai de quatro filhos com um emprego a tempo inteiro reconheceu que alguns dias são mais fáceis do que outros. Nos dias em que se perde um treino, Freeman encoraja a que se recupere o tempo no final da semana para conseguir os 150 minutos.

Por muito difícil que possa parecer arranjar meia hora por dia, torna-se ainda menos provável se nos obrigarmos a fazer algo de que não gostamos, afirmou.

"Se não for um corredor, ou não for um praticante de jogging, e eu lhe disser para sair e fazer jogging você não o vai fazer", diz Freeman. "Quero que encontrem algo de que realmente gostem. Pode ser desportos aquáticos, natação ou dança."

Até mesmo caminhar é um ótimo lugar para começar, diz a colaboradora de fitness da CNN, Dana Santas, que é uma especialista certificada em força e condicionamento e treinadora mente-corpo em desportos profissionais.

Pode ser difícil motivar-se para tirar tempo do seu dia atarefado quando se é saudável, mas Freeman lembra o que acontece quando assim não é: "O que é que se espera? Ataques cardíacos, acidentes vasculares cerebrais e demência são uma forma terrível de viver", afirma. "E é evitável se pudermos mudar o nosso estilo de vida."

Estilo de Vida

Mais Estilo de Vida

Na SELFIE

Patrocinados