Mulher conhecida como "senhora do rio" identificada quase 50 depois de ter sido encontrada morta noutro país

CNN , Zenebou Sylla
6 jul 2023, 12:47
Jewell Langford, que durante décadas foi apenas conhecida como "senhora do rio", foi finalmente identificada. Polícia do Ontário

Jewell "Lalla" Langford 48 anos, foi brutalmente assassinada. Foi encontrada com as mãos e os pés atados com gravatas

A polícia canadiana identificou uma mulher conhecida como a "senhora do Rio Nação" quase cinco décadas depois de ter sido dada como desaparecida e posteriormente ter sido encontrada morta num rio em Ontário, informaram as autoridades nesta quarta-feira

Jewell "Lalla" Langford, cujo nome de solteira era Parchman, viajou dos Estados Unidos para Montreal em abril de 1975, mas nunca regressou a casa, tendo a família comunicado o seu desaparecimento, indicou a Polícia Provincial do Ontário.

Langford, 48 anos, ficou conhecida como a "senhora do Rio Nação", em homenagem ao Rio Nação no leste de Ontário, onde o seu corpo foi encontrado a 3 de maio de 1975.

Em março do ano passado, os seus restos mortais foram repatriados para os Estados Unidos, seguindo-se uma cerimónia fúnebre e um enterro.

Langford foi estrangulada com um cabo de televisão, de acordo com o DNA Doe Project, uma organização sem fins lucrativos que trabalha para identificar homens e mulheres cuja identidade é desconhecida usando genealogia genética e que ajudou a polícia no caso de Langford. As suas mãos e pés foram amarrados com gravatas masculinas e o seu rosto tinha sido enrolado com um pano de cozinha.

As representações de artistas forenses e a aproximação facial tridimensional desenvolvidas em 2017 não foram capazes de ajudar a identificar Langford ou quaisquer potenciais suspeitos até ao final de 2019, quando um novo perfil de ADN de Langford foi obtido pelo Centro de Ciências Forenses de Toronto, que correspondia a amostras recolhidas de dois indivíduos listados numa árvore de ADN familiar, de acordo com o comunicado.

Após uma longa investigação de 47 anos, as autoridades conseguiram deter um indivíduo residente em Hollywood, na Florida.

Rodney Nichols, de 81 anos, foi acusado do assassínio de Langford pelo Tribunal de Justiça de Ontário no final do ano passado.

"Graças aos avanços da genealogia genética e ao empenho de todos os investigadores envolvidos, conseguimos uma resposta para as famílias e amigos desta pessoa desaparecida que foi vítima de um crime", afirmou o inspetor Daniel Nadeau, da Divisão de Investigação Criminal da polícia de Ontário. "Podemos ficar satisfeitos com os resultados desta investigação e com o facto de termos conseguido devolver os restos mortais de Jewell Langford aos seus entes queridos."

A polícia também diz que Langford e Nichols eram conhecidos um do outro, mas não entrou em pormenores sobre a sua relação.

Jewell Langford "era membro proeminente da comunidade empresarial de Jackson, Tennessee", onde era coproprietária de um spa com o seu ex-marido, segundo o comunicado.

"A este respeito, ela era verdadeiramente uma mulher à frente do seu tempo", disse Janice Mulcock, uma detetive reformada da Polícia Provincial do Ontário, durante um briefing gravado em vídeo partilhado pelo Departamento de Polícia do Ontário no Facebook. "Foi presidente da secção de Jackson, Tennessee, da Associação Americana de Mulheres de Negócios e, em 1971, foi eleita 'mulher do ano' pelos seus colegas."

As autoridades acreditavam que o caso de Langford seria resolvido, contou Marty Kearns, vice-comissário de Investigação e Crime Organizado.

"Os membros destacados da nossa unidade de crime local no ramo da investigação criminal sempre acreditaram que este caso tinha solução, que um dia iríamos identificar a pessoa que ficou conhecida como a 'senhora do Rio Nação'", afirmou Kearns.

Relacionados

Mundo

Mais Mundo

Mais Lidas

Patrocinados