China esmaga protesto de depositantes bancários que exigiam devolução das suas poupanças

CNN , Nectar Gan
11 jul, 12:33
Protestos na China

Protestos deste domingo travados com violência

As autoridades chinesas dispersaram violentamente no domingo um protesto pacífico de centenas de depositantes, que procuraram em vão exigir as suas poupanças de uma vida de volta dos bancos, que se deparam com uma crise monetária cada vez mais profunda.

Desde abril, quatro bancos rurais na província central de Henan na China congelaram milhões de dólares de depósitos, ameaçando a subsistência de centenas de milhares de clientes numa economia já atingida pelos draconianos confinamentos da Covid-19.

Depositantes angustiados provocaram várias manifestações na cidade de Zhengzhou, a capital provincial de Henan, nos últimos dois meses, mas as suas exigências têm invariavelmente caído em saco roto.

No domingo, mais de mil depositantes de toda a China reuniram-se à porta da agência de Zhengzhou do banco central do país, o Banco Popular da China, para lançar o seu maior protesto até agora, segundo relataram à CNN vários manifestantes.

A manifestação está entre as maiores da China desde a pandemia, com as viagens domésticas limitadas por várias restrições de circulação da Covid. No mês passado, as autoridades de Zhengzhou recorreram mesmo à manipulação do sistema de código de saúde digital Covid do país para restringir os movimentos dos depositantes e impedir um protesto planeado, provocando um protesto de âmbito nacional.

Desta vez, a maioria dos manifestantes chegou ao exterior do banco antes do amanhecer - alguns às 4 da manhã - para evitar serem intercetados pelas autoridades. A multidão, que incluía idosos e as crianças, ocupou um lanço de escadas no exterior do banco, entoando slogans e hasteando bandeiras.

"Bancos de Henan, devolvam as minhas poupanças!" gritaram em uníssono, muitos deles agitando bandeiras chinesas, em vídeos partilhados com a CNN por dois manifestantes.

A utilização de bandeiras nacionais para exibir o patriotismo é uma estratégia comum dos manifestantes na China, onde a dissidência é estritamente reprimida. A tática pretende mostrar que as suas queixas são apenas contra os governos locais, e que apoiam e confiam no governo central para procurar reparação.

"Contra a corrupção e a violência do governo Henan", podia ler-se numa faixa.

Um grande retrato do falecido líder chinês Mao Tse Tung foi colado num pilar à entrada do banco.

Do outro lado da rua, centenas de polícias e agentes de segurança - alguns de uniforme e outros à paisana - juntaram-se e cercaram o local, enquanto os manifestantes os chamavam de "gangsters".

Um cartaz em chinês diz: “400.000 depositantes perderam o seu sonho chinês em Henan". Imagem CNN

Repressão violenta

O confronto durou várias horas, até depois das 11 da manhã, quando filas de agentes de segurança subiram subitamente as escadas e chocaram contra manifestantes, que atiraram garrafas e outros pequenos objetos contra eles.

A cena desceu rapidamente ao caos, quando os agentes de segurança arrastaram os manifestantes pelas escadas e bateram naqueles que resistiram, incluindo mulheres e idosos, de acordo com testemunhas e vídeos das redes sociais.

Uma mulher da província de Shandong oriental disse à CNN que foi empurrada para o chão por dois seguranças, que lhe torceram e feriram o braço. Um homem de 27 anos de idade da cidade meridional de Shenzhen, de apelido Sun, disse ter sido pontapeado por sete ou oito guardas no chão antes de ser levado para o chão. Um homem de 45 anos, da cidade central de Wuhan, disse que a sua camisa foi completamente rasgada nas costas durante o confronto.

Muitos disseram terem ficado chocados com a súbita explosão de violência das forças de segurança.

"Não esperava que fossem tão violentos e tão sem vergonha desta vez. Não houve comunicação, nenhum aviso antes de nos dispersarem brutalmente", disse um depositante de uma metrópole fora de Henan que tinha protestado anteriormente em Zhengzhou, e que pediu à CNN que ocultasse o seu nome por preocupações de segurança.

"Porque é que os funcionários do governo nos espancariam? Somos apenas pessoas comuns a pedir os depósitos de volta, não fizemos nada de errado", disse a mulher de Shandong.

Vídeos recolhidos por testemunhas no local mostram manifestantes a serem levados à força por agentes de segurança à paisana.

Os manifestantes foram atirados para dezenas de autocarros e enviados para locais de detenção improvisados em toda a cidade - de hotéis e escolas a fábricas, de acordo com as pessoas que foram levadas. Alguns feridos foram escoltados para hospitais; muitos foram libertados da detenção até ao final da tarde, segundo fontes da população.

A CNN contactou o governo provincial de Henan para comentários. A Esquadra de Polícia do Distrito Empresarial de Zhengzhou - que tem jurisdição sobre o local de protesto - desligou a chamada da CNN a pedir comentários.

No final da noite de domingo, o regulador bancário de Henan emitiu uma declaração concisa, dizendo que os "departamentos relevantes" estavam a acelerar os esforços para verificar as informações sobre os fundos dos clientes nos quatro bancos rurais.

"(As autoridades) estão a apresentar um plano para tratar do assunto, que será anunciado num futuro próximo", disse a declaração.

A polícia de Xuchang, uma cidade vizinha de Zhengzhou, afirmou num comunicado no final do domingo que prendeu recentemente membros de um alegado “bando criminoso”, que foram acusados de assumir efetivamente o controlo dos bancos rurais de Henan a partir de 2011 -- alavancando as suas participações e "manipulando os executivos dos bancos".

Os suspeitos foram também acusados de transferir ilegalmente fundos através de empréstimos fictícios, disse a polícia, acrescentando que alguns dos seus fundos e bens tinham sido apreendidos e congelados.

Vidas estilhaçadas

O protesto chega num momento politicamente sensível para o Partido Comunista no poder, poucos meses antes de o seu líder Xi Jinping procurar um terceiro mandato sem precedentes numa reunião chave este Outono.

Demonstrações em grande escala sobre poupanças perdidas e meios de subsistência arruinados poderão ser vistas como um embaraço político para Xi, que promoveu uma visão nacionalista de conduzir o país a um "grande rejuvenescimento".

As autoridades de Henan estão sob tremenda pressão para parar os protestos. Mas os depositantes permanecem inquebrantáveis. À medida que a questão se arrasta, muitos têm-se mostrado cada vez mais desesperados para recuperar as suas poupanças.

Huang, o depositante de Wuhan, perdeu o seu emprego na indústria de cosmética médica este ano, à medida que as empresas lutavam na pandemia. No entanto, ele não consegue retirar nenhuma das suas poupanças de vida - de mais de 500.000 yuan (cerca de 75 mil euros) - de um banco rural em Henan.

"Estando desempregado, só posso viver das minhas poupanças passadas. Mas nem isso posso fazer agora - como é suposto eu (sustentar a minha família)?", questionou Huang, cujo filho está no liceu.

Sun, de Shenzhen, está a lutar para evitar a falência da sua fábrica de máquinas depois de perder o seu depósito de 4 milhões de yuan (quase 600 mil euros) para um banco Henan. Ele não pode sequer pagar aos seus mais de 40 empregados sem os fundos.

Sun disse que estava coberto de nódoas negras e tinha as costas inchadas, depois de ter sido repetidamente pisado pelos seguranças durante o protesto. "O incidente anulou completamente a minha perceção do governo. Vivi toda a minha vida a depositar fé no governo. Depois de hoje, nunca mais vou confiar nele", afirmou.

Mundo

Mais Mundo

Patrocinados