A China já é o maior exportador de automóveis do mundo?

CNN , Análise de Laura He e Himari Semans
17 fev, 15:00
Carros prontos para serem exportados no porto de Lianyungang, na província chinesa de Jiangsu, a 17 de janeiro de 2024.  CFOTO/Future Publishing/Getty Images

A BYD, sediada em Shenzhen, ultrapassou a Tesla (TSLA) como o maior vendedor de veículos elétricos do mundo no final do ano passado, coroando uma ascensão extraordinária para o fabricante de automóveis chinês

A China acabou de passar à frente do Japão e tornou-se o maior exportador de automóveis do mundo? Pequim pensa claramente que sim, mas Tóquio não está pronta para ceder a sua coroa há muito conquistada.

"De facto a China tornou-se o maior exportador do mundo", afirmou a Associação de Automóveis de Passageiros da China (CPCA) no mês passado.

Mas a resposta não é assim tão clara e depende do conjunto de dados que se utiliza.

De acordo com os dados alfandegários mais recentes do Japão, o país exportou 5,97 milhões de veículos em 2023. Este número foi superior aos 5,22 milhões de automóveis de passageiros, autocarros e camiões que a China vendeu no estrangeiro no ano passado, segundo as alfândegas chinesas, um número que coincide com os dados da CPCA.

E o panorama fica ainda mais turvo se considerarmos os dados das associações do sector. A Associação Japonesa de Fabricantes de Automóveis divulgou números no início deste mês indicando que o país enviou 4,42 milhões de veículos para o resto do mundo em 2023, menos do que os 4,91 milhões de exportações relatados pela Associação de Fabricantes de Automóveis da China.

Em ambos os países, as alfândegas e as associações industriais utilizam métricas diferentes. Os dados aduaneiros incluem normalmente mais categorias de automóveis e peças automóveis, pelo que os seus números são maiores do que os números da indústria.

No entanto, uma tendência é clara: nos últimos dois anos, a China tem vindo a reduzir o fosso que a separa dos principais países exportadores de automóveis do mundo. Os seus envios ultrapassaram os da Coreia do Sul em 2021 e os da Alemanha em 2022.

A sua dinâmica foi impulsionada pela forte procura na Rússia e pelo crescente apetite global por veículos elétricos (VE).

Os fabricantes de automóveis chineses beneficiaram de um êxodo de marcas globais da Rússia e da imposição de sanções impostas desde que Moscovo ordenou a invasão da Ucrânia em fevereiro de 2022.

2023 foi também um ano de sucesso para os VE chineses, que são mais baratos do que os modelos construídos por rivais noutros locais. E já fizeram incursões na Europa, Austrália e no Sudeste Asiático.

Em 2023, as exportações de automóveis de passageiros da China aumentaram 62% em relação a 2022, de acordo com dados publicados pela CPCA no mês passado. Mais de um quarto eram elétricos.

As fabricantes chinesas estão a expandir-se cada vez mais para o exterior, principalmente porque a economia doméstica perdeu força no ano passado.

A BYD, sediada em Shenzhen, ultrapassou a Tesla (TSLA) como o maior vendedor de veículos elétricos do mundo no final do ano passado, coroando uma ascensão extraordinária para o fabricante de automóveis chinês.

Pela primeira vez, entregou mais automóveis totalmente elétricos do que a Tesla no período de três meses até 31 de dezembro e reduziu a liderança de vendas da empresa de Elon Musk no conjunto do ano.

Relacionados

Negócios

Mais Negócios

Mais Lidas

Patrocinados