Ex-assessora de Trump diz que ele sabia que atacantes do Capitólio estavam armados - e, ainda assim, insistiu que os deixassem avançar

Agência Lusa , CV
28 jun, 19:43
Invasão ao Capitólio (John Minchillo/AP)

O testemunho foi dado perante o comité da Câmara de Representantes, que está a investigar o ataque ao Capitólio

Cassidy Hutchinson, antiga assessora da Casa Branca na administração Trump, disse esta terça-feira em Washington que o ex-Presidente foi informado que os manifestantes que protagonizaram uma tentativa de ocupação do Capitólio estavam armados mas que insistiu que os deixassem avançar.

“Deixem a minha gente passar” e marchar em direção ao Capitólio, terá dito Donald Trump pouco antes de milhares de apoiantes seus terem entrado a 6 de janeiro de 2021 em confrontos violentos com a polícia - pretendiam impedir a certificação da vitória nas presidenciais de Joe Biden, tendo morrido cinco pessoas.

Pouco antes, o magnata havia feito um discurso inflamado perto da Casa Branca, onde encorajou os seus apoiantes a marchar em direção ao Capitólio, lançando acusações infundadas de que os democratas tinham cometido fraude eleitoral naquela votação.

As imagens de uma multidão a invadir a sede do Congresso dos Estados Unidos chocaram o mundo.

No testemunho que deu esta terça-feira perante o comité da Câmara de Representantes que está a investigar o ataque ao Capitólio, Hutchinson citou Trump a dar instruções à sua equipa, que utilizou termos vernáculos, para que retirassem os detetores de metal que, considerava o ex-Presidente, fariam perder tempo aos seus apoiantes.

“Não me importo que eles tenham armas", disse então Trump, citado por Cassidy Hutchinson.

“Eles não estão aqui para me magoar. Estou-me marimbando se eles têm ou não armas”, disse especificamente Trump, citado pela antiga assessora.

A jovem de 25 anos, que era assistente especial e assessora de Mark Meadows, já deu antes uma série de informações a investigadores do Congresso e fez vários depoimentos à porta fechada.

Mas o comité convocou a audiência para esta terça-feira para ouvir o seu depoimento público, aumentando as expectativas de novas revelações na investigação que dura há quase um ano.

No seu depoimento, Cassidy Hutchinson disse ainda que Trump tentou agarrar o volante de uma limusine presidencial em seis de janeiro de 2021 para juntar-se aos seus apoiantes na marcha sobre o Capitólio.

A antiga assessora da Casa Branca citou Trump como tendo exigido ao agente da segurança que estava ao volante que o levasse imediamente ao Capitólio, reclamando ser o Presidente e usando termos vernáculos.

Como o agente se recusou, Trump tentou agarrar o volante, disse Hutchinson.

Os eventos referidos no seu depoimento – explicados em detalhes novos e vívidos pela primeira vez publicamente – são de interesse potencialmente vital tanto para o comité quanto para o Departamento de Justiça.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados