O Bluetooth continua a ser uma tecnologia “invulgarmente dolorosa” (duas décadas depois)

CNN , Catherine Thorbecke
11 jul, 16:00
Airpods

Nas duas décadas que passaram desde que foi incluído pela primeira vez em produtos disponíveis para o público em geral, o Bluetooth tornou-se tão difundido que toda uma geração de consumidores pode não ser capaz de se lembrar de uma época sem ele

Segundo estima a ABI Research, só esta ano serão enviados aos consumidores cinco mil milhões de dispositivos com Bluetooth, esperando-se que esse número aumente para sete mil milhões até 2026. O Bluetooth está agora em tudo, desde smartphones a frigoríficos e lâmpadas elétricas, permitindo que um número crescente de produtos se liguem uns aos outros sem problemas - por vezes.

Apesar da sua omnipresença, a tecnologia ainda é propensa a criar dores de cabeça, quer seja na luta para ligar-se a um novo dispositivo, alternar auscultadores entre dispositivos ou simplesmente estar demasiado fora de alcance para se ligar.

“Tenho uma relação de amor-ódio com o Bluetooth", disse Chris Harrison, professor de Interação Homem-Computador na Universidade Carnegie Melon. "Porque quando funciona, é espantoso, e quando não funciona, dá vontade de arrancar os cabelos".

"A promessa era torná-lo o mais perfeito e fácil possível", disse. "O Bluetooth nunca chegou lá, infelizmente".

As razões para isto remontam à própria fundação da tecnologia de relativamente baixo custo.

A ascensão do Bluetooth

Diz-se que o nome Bluetooth é emprestado de um rei escandinavo do século IX, Harald "Blue tooth" Gormsson, que era conhecido pelo seu dente cinzento-azul morto [à letra, “Blue Tooth” significa dente azul] e também por ter unido a Dinamarca e a Noruega no ano 958 DC. Os primeiros programadores adotaram "Bluetooth" como um nome de código para a sua tecnologia sem fios que liga dispositivos locais, e este acabou por ficar.

A tecnologia foi diferenciada do Wi-Fi por ser "inerentemente de curto alcance", disse Harrison. Ainda hoje é o caso, as opções Bluetooth a que muitos consumidores estão habituados nos seus telefones e altifalantes portáteis funcionam com menor potência e só podem ligar-se a distâncias limitadas.

Os sinais Bluetooth viajam através de ondas aéreas não licenciadas, que estão efetivamente abertas ao público para qualquer pessoa utilizar, em oposição às ondas aéreas privatizadas que são controladas por grandes empresas [de telecomunicações]. Isto pode ter facilitado o seu desenvolvimento e adoção mais ampla, mas teve um custo.

O Bluetooth deve partilhar e competir com uma série de outros produtos que utilizam bandas de espectro não licenciadas, tais como monitores de bebés, telecomandos de TV, e muito mais. Isto pode gerar interferências que podem perturbar a eficácia do seu Bluetooth.

Harrison cita outras razões pelas quais o Bluetooth pode ser "invulgarmente doloroso", incluindo questões de cibersegurança que podem surgir ao transmitir dados sem fios.

Se instalar uma coluna de som Bluetooth no seu edifício de apartamentos [de Lisboa, por exemplo], não quereria que qualquer pessoa num raio de 15 metros fosse capaz de se ligar a ele. Mas os fabricantes nunca se estabeleceram num processo contínuo de "modo de desenvolvimento", disse Harrison.

"Por vezes o dispositivo arranca automaticamente e fica neste 'Estou pronto para o modo de emparelhamento'", acrescentou ele. "Por vezes é preciso clicar numa espécie de sequência alienígena para que o dispositivo entre neste modo particular".

Mais do que isso, várias agências governamentais dos EUA aconselharam os consumidores que a utilização de Bluetooth corre o risco de deixar os seus dispositivos mais vulneráveis aos riscos da ciberssegurança. A Comissão Federal de Comunicações alertou que, tal como acontece com as ligações Wi-Fi, "o Bluetooth pode colocar os seus dados pessoais em risco se não tiver cuidado".

Pelo menos um alto funcionário do governo [dos EUA] é dado como sendo um cético em relação ao Bluetooth: a vice-presidente Kamala Harris. No vídeo muito visto de Harris a felicitar o Presidente eleito Joe Biden após as eleições ("Conseguimos, Joe!"), ela pode ser vista a segurar um molho de auscultadores com fios nas mãos. Segundo o Politico, Harris "há muito que sente que os auscultadores Bluetooth são um risco de segurança".

Mas as empresas e os consumidores continuam a abraçar o Bluetooth. A Apple, talvez de forma mais proeminente, abandonou as portas tradicionais dos auscultadores e introduziu os seus populares auscultadores sem fios Bluetooth, os AirPods. Outras empresas tecnológicas lançaram desde então produtos semelhantes.

Alguns audiófilos puros, o tipo de pessoas "que se queixam de que o Spotify não é de qualidade suficiente", como diz Harrison, também se recusam a abraçar o mundo dos auscultadores Bluetooth por razões de qualidade sonora.

Apesar das suas falhas, Harrison não vê a procura de Bluetooth a diminuir e admite que ele próprio o utiliza sem problemas - cerca de "70% do tempo".

"O Bluetooth ainda não viu o seu auge", disse Harrison, prevendo a adoção generalizada da Internet das Coisas, ou dispositivos inteligentes, trabalhando em conjunto em estreita escala, só irá contribuir para o seu crescimento. "O Bluetooth será a cola que liga tudo isso em conjunto".

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados