Os pinguins da Antártida estão em risco - mas ainda há algo que podemos fazer

CNN , Por Rachel Ramirez
2 jan, 08:00
Pinguins imperador em risco de extinção (David Tipling/Education Images/Universal Images Group via Getty Images)

Era apenas uma questão de tempo até que as alterações climáticas causadas pelo homem e a poluição chegassem até ao continente mais isolado do planeta. À medida que a temperatura global aumenta, a paisagem intocada da Antártida já está a mudar, e novas pesquisas mostram que a maioria das espécies vegetais e animais da região – incluindo os seus emblemáticos pinguins – está em apuros.

O estudo publicado recentemente na revista “PLOS Biology” concluiu que 65% das espécies autóctones da Antártida - sobretudo os pinguins-imperadores - provavelmente desaparecerão até ao final do século, se o mundo continuar com os seus negócios habituais e não conseguir controlar as emissões de combustíveis fósseis que aquecem o planeta.

O estudo apurou ainda que os atuais esforços de conservação na Antártida não estão a funcionar no continente em rápida mudança. Os investigadores concluíram que a implementação de uma camada extra de estratégias económicas, apresentadas no estudo, poderia poupar até 84% da biodiversidade vulnerável da Antártida.

"A Antártida não está realmente a contribuir para as alterações climáticas, não há um grande número de pessoas a viver lá, por isso, a maior ameaça ao continente vem de fora do continente", disse Jasmine Lee, principal autora do estudo, à CNN.

"Precisamos efetivamente de uma ação global contra as alterações climáticas, bem como de alguns esforços de conservação locais e regionais, para dar às espécies da Antártida a melhor hipótese de sobrevivência no futuro."

As crias de pinguins-imperadores atravessam o gelo na Antártida. (Wolfgang Kaehler/LightRocket/Getty Images)

O isolamento geográfico da Antártida há muito que protege o continente do agravamento dos impactos da crise climática e de outras catástrofes ambientais que assolam o resto do mundo, como incêndios florestais, inundações e secas. Os cientistas já observaram mudanças significativas no seu homólogo norte, o Ártico, que está a aquecer quatro vezes mais depressa do que o resto do planeta.

Mas os impactos das alterações climáticas estão a começar a surgir na Antártida. Dados recentes, por exemplo, sugerem que o gelo marinho da Antártida está a cair mais rapidamente agora do que há décadas.

Este estudo mostra que o desaparecimento do gelo marinho ameaça várias espécies de aves marinhas, como os pinguins-imperadores e os pinguins-de-adélia, que dependem do gelo de abril a dezembro para nidificar as suas crias. Se o gelo derreter mais cedo ou congelar mais tarde na estação, como resultado do aumento das temperaturas, os pinguins têm dificuldade em completar o seu ciclo reprodutivo.

"Estas espécies emblemáticas, como os pinguins-imperadores e os pinguins-de-adélia, estão em risco e é muito triste pensar que a Antártida é um dos últimos grandes ermos do planeta e que os impactos humanos estão a ser vistos e sentidos lá", disse Lee. "É muito triste pensar que poderíamos levar este tipo de espécies à extinção."

Na Antártida, as alterações climáticas ameaçam mais de 80% da população de pinguins-imperadores

Os pinguins imperadores são a espécie mais vulnerável da Antártida, segundo um novo estudo publicado na “PLOS Biology”. Na estimativa mais pessimista, os pinguins-imperadores poderão estar totalmente extintos em 2100.

A presença e a atividade humana também estão a aumentar na região. O estudo mostra que as expedições científicas e as infraestruturas estão em expansão, enquanto o número anual de turistas disparou mais de oito vezes desde a década de 90.

Um outro estudo do início deste ano demonstrou que o aumento da presença humana na região está a causar mais derretimento da neve. Os cientistas encontraram carbono negro – a poluição escura e poeirenta que vem da queima de combustíveis fósseis – que se instala em locais onde as pessoas passam muito tempo. Mesmo a menor quantidade deste poluente pode ter um impacto significativo no derretimento.

O que pode ser feito?

Turistas a tirar fotografias a um pinguim-de-barbicha, na ilha Half Moon na Antártida, em 2019. (Johan Ordonez/AFP/Getty Images)

“Embora a ameaça às espécies da Antártida e ao seu ecossistema esteja cada vez mais bem documentada, não é tão amplamente compreendida entre os decisores políticos,” disse Lee. E encontrar os fundos para a conservação pode ser um desafio.

Mas o estudo estabelece várias medidas que são efetivamente rentáveis, com um custo estimado de 1,92 mil milhões de dólares nos próximos 83 anos, ou cerca de 23 milhões de dólares por ano – uma fração da economia global.

Estas estratégias incluem minimizar e gerir a atividade humana, os transportes e novas infraestruturas, bem como a proteção das espécies autóctones, enquanto controlam espécies e doenças não nativas que entram na região.

Inclui também um foco nas políticas externas, como alcançar as metas climáticas internacionais mais amplas no âmbito do Acordo de Paris de 2015, que visam reduzir as emissões de aquecimento do planeta e evitar um aumento terrível na temperatura global.

Pinguins-de-adélia no gelo marinho na Antártida Oriental em 2010. (Pauline Askin/Reuters)

"Os benefícios de fazer algo face às alterações climáticas são bons para a saúde humana, para a subsistência e também para a economia", disse Lee. "O incentivo está lá, mas é preciso que haja um investimento inicial, e só depende de prioridades."

Cassandra Brooks, uma professora assistente na Universidade do Colorado Boulder que tem feito uma extensiva pesquisa sobre animais marinhos na Antártida, disse que o estudo é "oportuno e importante" para chamar a atenção para o quão ameaçada está a biodiversidade da Antártida.

"Este estudo baseia-se em trabalhos anteriores que mostram a urgência com que os decisores políticos precisam de tomar medidas face às alterações climáticas, se é que há alguma hipótese de salvaguardar a biodiversidade da Antártida", disse Brooks, que não está envolvida no estudo, à CNN. "Deixa bem claro que as atuais estratégias de conservação são insuficientes para fazer algo além de apoiar o declínio da biodiversidade".

A investigação mais recente surge dias depois de os negociadores da cimeira da biodiversidade da ONU, em Montreal, terem alcançado um acordo histórico para proteger melhor os ecossistemas vitais do planeta, incluindo a promessa de proteger 30% da terra e dos oceanos até 2030.

Sendo agora a crise climática a ameaça mais premente à biodiversidade antártica, Lee disse que é necessário influenciar a política global mais do que nunca, para salvar um dos vastos e intocados biomas da Terra.

"Isto é apenas a ponta do icebergue", disse Lee. "Estamos neste enorme ponto de viragem, não só para a Antártida, mas a nível global, no que toca ao clima. Temos a oportunidade de detê-lo, e se não fizermos algo agora, então os impactos serão muito, muito piores do que poderiam ser."

Clima

Mais Clima

Patrocinados