Devo preocupar-me com o que o gato (ou o cão) levou para dentro de casa?

CNN , Katia Hetter
9 mar, 11:00
Animais como os gatos podem transmitir doenças a outras espécies, incluindo aos humanos com os quais estes animais de estimação tenham tido contacto próximo. Magui-rfajardo/iStockphoto/Getty Images

As doenças de animais podem, por vezes, ser transmitidas aos seres humanos. Perceba melhor que doenças são estas e que precauções os donos de animais de estimação e amantes de animais devem tomar para se manterem a si próprios e aos seus animais saudáveis

As autoridades de saúde do Alasca registaram recentemente a primeira vítima mortal conhecida devido a um vírus chamado Alaskapox.

O homem, que morreu em janeiro, vivia numa área florestal e cuidava de um gato vadio que caçava pequenos animais, de acordo com as autoridades sanitárias dos Estados Unidos. Tinha um sistema imunitário fraco e acredita-se que terá contraído o Alaskapox através do contacto com animais.

Sensivelmente na mesma altura, um indivíduo que vivia em Oregon, também nos EUA, foi diagnosticado com peste bubónica. As autoridades de saúde suspeitam que esta pessoa tenha sido infetada por um gato. Este homem encontra-se na fase inicial da doença e, tal como os seus contactos próximos, está a ser tratado com antibiótico.

Estas infeções relembram-nos que as doenças de animais podem, por vezes, ser transmitidas aos seres humanos. Para perceber melhor que doenças são estas e que precauções os donos de animais de estimação e amantes de animais devem tomar para se manterem a si próprios e aos seus animais saudáveis, falámos com Leana Wen, especialista em medicina do bem-estar da CNN.

Wen é médica de urgência e professora associada adjunta na Universidade George Washington. Anteriormente, foi comissária de saúde de Baltimore, onde, como parte das suas responsabilidades, também supervisionava o controlo e a proteção dos animais.

CNN: Que tipos de doenças podem os animais domésticos, como gatos e cães, transmitir aos seres humanos?

Leana Wen: Tal como os humanos podem transmitir doenças a outros humanos, os animais podem transmitir doenças a outros da sua espécie. Por vezes, os animais também podem transmitir doenças a outras espécies, e isso inclui os seres humanos com quem os animais de estimação tenham tido contacto próximo.

Uma forma de classificar as doenças que podem ser transmitidas pelos animais domésticos aos seres humanos é por método de transmissão, como a via fecal-oral. Uma pessoa que esteja em contacto com fezes de animais infetados pode contrair a doença se não lavar bem as mãos ou se o conteúdo fecal contaminar a água ou os alimentos que são ingeridos pelo ser humano.

Estas doenças incluem infeções bacterianas como a campylobacter e a salmonela e infeções parasitárias como o cryptosporidium, a giardia e a ténia.

Os sintomas podem incluir cólicas abdominais, diarreia, febre e vómitos. Dependendo da doença, as pessoas podem necessitar de tratamento específico, como antibióticos ou medicamentos antiparasitários. As infeções são geralmente ligeiras, embora possam ser graves para pessoas com condições médicas subjacentes e para pessoas muito jovens ou idosas.

Existe uma infeção parasitária chamada toxoplasmose que está associada à limpeza de caixas de areia de gatos ou à ingestão de alimentos ou água potável que tenham sido contaminados com fezes de gatos. A maioria das pessoas com esta infeção tem poucos ou nenhum sintoma, mas há um risco para mulheres grávidas, uma vez que a toxoplasmose pode ser transmitida através da placenta. Os bebés podem ser infetados antes do nascimento e desenvolver problemas neurológicos graves, como convulsões, perda de visão e deficiência mental.

Uma segunda via de infeção é através de arranhões e mordeduras. A doença do arranhão do gato, por exemplo, é uma infeção bacteriana transmitida quando um gato arranha ou morde uma pessoa o suficiente para romper a pele. Também pode ser transmitida se um gato infetado lamber uma ferida aberta de uma pessoa. As pessoas infetadas podem desenvolver gânglios linfáticos inchados e dolorosos, febre e dor de cabeça.

Muitas pessoas já ouviram falar da raiva, uma infeção viral mortal transmitida aos seres humanos através da mordedura de animais infetados. A raiva é, quase universalmente, mortal. A maioria dos animais domésticos nos Estados Unidos está vacinada contra a raiva, mas isso não acontece em alguns outros países. Felizmente, existem vacinas contra a raiva que podem ser administradas após suspeita de exposição.

Uma terceira via de infeção é através de outro vetor, como carraças, pulgas e mosquitos. As carraças, por exemplo, podem transmitir infeções que provocam a doença de Lyme, a babesiose (ou Piroplasmose Canina), a erliquiose e a tularémia. Estas doenças propagam-se quando uma pessoa é mordida por uma carraça infetada que se alimentou de um animal infetado. Os cães que passam muito tempo em habitats arborizados podem ter carraças que os infetam, e as carraças podem também transmitir a doença aos seres humanos.

E quanto ao Alaskapox e à peste bubónica? Como é que alguém pode contrair estas doenças através de animais?

O Alaskapox pertence à categoria de vírus denominada ortopoxvírus. Há vários vírus nesta categoria que podem ser transmitidos de animais para humanos, incluindo o mpox (anteriormente conhecido como monkeypox) e o cowpox, os vírus da varíola e da vaccinia. Não se sabe como o homem que morreu de Alaskapox contraiu a doença, mas uma possível via é um animal infetado que o poderá ter mordido ou a exposição de um animal infetado a uma ferida existente na pele do homem.

A peste bubónica é causada pela bactéria Yersinia pestis e pode ser transmitida através de uma lesão na pele, se alguém tiver uma ferida aberta e entrar em contacto com os fluidos corporais infeciosos de um animal. Também pode ser transmitida através da picada de uma pulga infetada.

Que medidas podem as pessoas tomar para reduzir o risco de contrair doenças dos seus animais de estimação?

Há várias medidas importantes que os donos e amantes de animais podem tomar para se protegerem a si próprios, aos seus familiares e aos seus animais de estimação.

Para começar, devem garantir que os seus cães e gatos estão completamente vacinados. As vacinas previnem não só muitas doenças que podem ser transmitidas de animais para seres humanos, mas também doenças limitadas ao animal, mas que podem ser prejudiciais e até fatais. Os animais de estimação também devem ir a consultas veterinárias com regularidade.

Também devem levar o animal de estimação ao veterinário se ele adoecer. E reduzir o contacto com animais doentes nesse período. Identificar a causa da doença pode levar a um tratamento mais rápido para o animal e a possíveis testes e tratamentos para o ser humano.

Há também precauções de senso comum que as pessoas devem tomar para reduzir o risco de transmissão de doenças. Isto inclui lavar bem as mãos depois de tocar em fezes e outros resíduos. Certificar-se de que o espaço onde o animal vive está limpo. Manter-se afastado de animais selvagens e de animais com um comportamento estranho.

As crianças que ajudam na limpeza das caixas de areia ou a apanhar os dejetos dos seus cães devem ser lembradas de lavar bem as mãos. Também devem ser lembradas que devem evitar beijar a boca dos seus animais de estimação e reduzir ações que possam resultar em mordedelas acidentais. Devem certificar-se de que lavam as mãos depois de irem a casa de amigos com animais ou de visitarem quintas pedagógicas. E é importante apanhar os dejetos na rua, incluindo no seu próprio quintal, e não permitir que as crianças brinquem em áreas com fezes de animais.

Para diminuir o risco de pulgas, é importante manter uma boa higiene e reduzir o número de roedores dentro e ao redor do espaço de convivência do animal. Para diminuir as doenças transmitidas por carraças, procure cuidadosamente a presença de carraças depois de ir a zonas arborizadas e remova-as imediatamente depois de as detetar.

Isso significa que não devemos ter animais de estimação?

Claro que não. As pessoas procuram a companhia de animais por muitas razões. Para muitas pessoas, ter um cão ou um gato é essencial para o seu próprio bem-estar e saúde mental. Há passos simples que todos podem tomar para reduzir o risco de transmissão de doenças de animais para humanos. As pessoas que devem ter cuidados adicionais incluem as imunocomprometidas, os bebés e as mulheres grávidas.

Relacionados

Saúde

Mais Saúde

Mais Lidas

Patrocinados