Foi um ano de notícias terríveis sobre o clima. Mas há cinco razões para termos esperança

CNN , Sophie Tanno
31 dez 2023, 10:00
()

Este ano não faltaram notícias desanimadoras sobre o clima: um calor global sem precedentes alimentou fenómenos meteorológicos extremos e mortais, os cientistas emitiram avisos terríveis de que o próximo ano poderá ser ainda pior e a poluição mundial resultante das emissões de carbono continuou a aumentar.

No entanto, no meio deste clima sombrio, também se registaram sinais de progresso. Foram estabelecidos recordes de energias renováveis, o mundo celebrou uma das suas maiores vitórias ambientais e os países deram um passo cauteloso, mas histórico, em direção a um futuro sem combustíveis fósseis.

Aqui estão cinco razões para ter esperança.

Aumento das energias renováveis

Um trabalhador limpa painéis solares numa nova central na China, onde a capacidade solar é atualmente superior à do resto dos países do mundo todos juntos (Yuan Hongyan/VCG/Getty Images)

À medida que a necessidade de abandonar rapidamente os combustíveis fósseis, que aquecem o planeta, se torna cada vez mais urgente, tem havido alguns pontos luminosos de energia limpa em todo o mundo.

No Dia das Bruxas, Portugal bateu vários recordes. Durante mais de seis dias seguidos, entre 31 de outubro e 6 de novembro, o país com mais de 10 milhões de habitantes recorreu exclusivamente a fontes de energia renováveis, dando um exemplo interessante para o resto do mundo.

O ano de 2023 está a caminho de registar o maior aumento da capacidade de produção de energia renovável até à data, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

A China, o maior poluidor do clima a nível mundial, fez avanços gigantescos no domínio das energias renováveis, estando prestes a ultrapassar o seu objetivo em matéria de energia eólica e solar cinco anos mais cedo. Um relatório publicado em junho revelou que a capacidade solar da China é agora maior do que a do resto dos países do mundo juntos, num aumento descrito pelo autor do relatório, Global Energy Monitor, como "de cair o queixo".

Não se pode ignorar, no entanto, que a China também aumentou a sua produção de carvão este ano, recorrendo a este combustível fóssil quando as ondas de calor devastadoras aumentaram a procura de energia para ar condicionado e refrigeração, e quando a seca persistente no sul do país afetou o abastecimento hidroelétrico, que depende da chuva.

A China e os Estados Unidos anunciaram, em novembro, que iriam retomar a cooperação em matéria de alterações climáticas, comprometendo-se a aumentar significativamente a produção de energias renováveis, especificamente para substituir os combustíveis fósseis.

Um acordo climático que vise os combustíveis fósseis

O presidente da COP28, Sultan Al Jaber, à direita, celebra um novo acordo climático no Dubai com o CEO da cimeira, Adnan Amin, e o Secretário Executivo das Nações Unidas para as Alterações Climáticas, Simon Stiell (Kamran Jebreili/AP)

Após mais de duas semanas de negociações difíceis, a cimeira sobre o clima COP28, realizada no Dubai, terminou em dezembro com quase 200 países a assumirem um compromisso sem precedentes de abandono dos combustíveis fósseis.

Embora o acordo não tenha exigido que o mundo abandonasse progressivamente o carvão, o petróleo e o gás - o que mais de 100 países tinham apoiado – o documento aprovado deixa um apelo aos países para que "contribuíssem" para uma "transição para o abandono dos combustíveis fósseis nos sistemas energéticos". Esta foi a primeira vez que todos os combustíveis fósseis, os principais responsáveis pela crise climática, foram visados num acordo da COP.

O presidente da COP28, Sultan Al Jaber, que presidiu às negociações, considerou o acordo "histórico", acrescentando que representava "uma mudança de paradigma que tem o potencial de redefinir as nossas economias".

O impacto deste acordo dependerá do que os países fizerem a seguir para o implementar. Muitos especialistas alertaram para a existência de lacunas que poderiam deixar a porta aberta a uma expansão contínua dos combustíveis fósseis.

No entanto, o facto de se ter conseguido chegar a um acordo sobre os combustíveis fósseis foi visto como um avanço muito positivo.

"Conseguimos que as pessoas fizessem coisas que nunca tinham feito antes", disse o enviado dos EUA para o clima, John Kerry, a Christiane Amanpour, da CNN, após a cimeira, descrevendo-a como um "sucesso histórico".

Desflorestação em queda livre no Brasil

A desflorestação da floresta amazónica diminuiu 22,3% nos últimos 12 meses até julho (Mauro Pimentel/AFP/Getty Images)

Após anos de aumento da desflorestação na Amazónia brasileira, este ano registaram-se progressos significativos na redução da destruição da floresta.

A Amazónia é a maior floresta tropical do mundo e a sua proteção é considerada vital para travar as alterações climáticas. Quando as florestas ou as árvores são destruídas, emitem gases com efeito de estufa. A desflorestação e a degradação dos solos são responsáveis por, pelo menos, um décimo da poluição mundial por carbono.

O desmatamento no Brasil caiu 22,3% nos 12 meses terminados em julho, de acordo com dados governamentais, com o presidente Lula da Silva a fazer progressos relativamente à promessa de controlar a destruição florestal desenfreada que ocorreu sob a presidência de Jair Bolsonaro.

Marcio Astrini, chefe do grupo de defesa Observatório do Clima, descreveu-o como um "resultado impressionante" que "sela o retorno do Brasil à agenda climática".

Ainda assim, a taxa de desflorestação do Brasil continua a ser quase o dobro da taxa mais baixa de sempre, registada em 2012. Cerca de 9.000 quilômetros quadrados de floresta tropical foram destruídos nesse período. Há um longo caminho a percorrer para cumprir a promessa de Lula de atingir o desmatamento zero até 2030.

A camada de ozono está a recuperar bem

Ozono total sobre o Pólo Antártico. As cores púrpura e azul são onde há menos ozono, e as amarelas e vermelhas são onde há mais ozono (NASA)

A camada de ozono está em vias de ser totalmente recuperada dentro de décadas, anunciou em janeiro um painel de peritos apoiado pela ONU, à medida que os produtos químicos que empobrecem a camada de ozono forem sendo progressivamente eliminados em todo o mundo.

A camada de ozono protege o planeta dos raios ultravioletas nocivos, mas desde a década de 1980 que os cientistas alertam para a existência de um buraco neste escudo devido a substâncias nocivas para a camada de ozono, incluindo os clorofluorocarbonetos (CFC), amplamente utilizados em frigoríficos, aerossóis e solventes.

A cooperação internacional tem ajudado a conter os danos. Um acordo conhecido como Protocolo de Montreal, que entrou em vigor em 1989, deu início à eliminação progressiva dos CFC. A subsequente recuperação da camada de ozono foi saudada como uma das maiores conquistas ambientais do mundo.

Se as políticas globais se mantiverem, espera-se que a camada de ozono recupere os níveis de 1980 até 2040 na maior parte do mundo, segundo a avaliação. Para as zonas polares, o prazo de recuperação é mais longo: 2045 no Ártico e 2066 na Antártida.

No entanto, um estudo publicado em novembro lança algumas dúvidas sobre estes progressos. O estudo, publicado na revista Nature Communications, concluiu que um buraco na camada de ozono sobre a Antártida "não só se manteve grande em termos de área, como também se tornou mais profundo durante a maior parte da primavera antártica". Mas alguns cientistas mostraram-se céticos em relação aos resultados do estudo, afirmando que este se baseou num período demasiado curto para tirar conclusões sobre a saúde da camada a longo prazo.

Aumento das vendas de veículos elétricos

Este ano, as vendas de veículos eléctricos atingiram um nível recorde nos Estados Unidos (Marli Miller/Getty Images)

A popularidade dos veículos elétricos aumentou este ano, com as vendas a atingirem um máximo histórico nos EUA. E na China e na Europa também estão a ser adquiridos veículos elétricos em grande número.

Os veículos elétricos - que são melhores para o planeta do que os carros a gasolina e a gasóleo quando funcionam com fontes de energia renováveis - são fundamentais para descarbonizar o transporte rodoviário, que é responsável por cerca de um sexto da poluição que aquece o planeta a nível mundial, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

Os americanos compraram 1 milhão de veículos totalmente elétricos em 2023, um recorde anual, de acordo com um relatório da Bloomberg New Energy Finance.

Os veículos elétricos representaram cerca de 8% de todas as vendas de veículos novos nos EUA durante o primeiro semestre de 2023, de acordo com o relatório. Na China, estes veículos representaram 19% de todas as vendas e, a nível mundial, representaram 15% das vendas de veículos de passageiros novos.

As vendas de veículos elétricos na Europa aumentaram 47% nos primeiros nove meses de 2023, de acordo com dados da Associação Europeia de Fabricantes de Automóveis (EAMA). No entanto, os concessionários de automóveis alertaram para o facto de as vendas estarem a diminuir à medida que os consumidores esperam por modelos mais baratos, previstos para daqui a dois ou três anos.

Clima

Mais Clima

Mais Lidas

Patrocinados