Mas como é que se faz batota no xadrez?

CNN , Ben Morse
28 set, 16:30
Jogo de Xadrez (picture alliance/ Getty)

Escândalo no xadrez mundial, com acusações de batota feitas pelo próprio campeão do mundo, levanta a questão: mas como é que duas pessoas sentadas à frente uma da outra, com um tabuleiro entre eles, num jogo de raciocínio avançado, podem fazer batota? A resposta está em tecnologias tão modernas como a inteligência artificial e tão antigas como o código Morse.

É a história que tem abalado o xadrez e mostrado sinais de que não vai esbater-se.

O escândalo da fraude no desporto, envolvendo o pentacampeão mundial Magnus Carlsen, é a única coisa de que se fala.

Esta segunda-feira, Carlsen acusou explicitamente, pela primeira vez e numa longa declaração no Twitter, o seu rival mestre Hans Niemann de fazer batota.

A acusação chega semanas depois de o norueguês se ter retirado da Taça Sinquefield em St. Louis, Missouri, nos Estados Unidos, a 19 de setembro, na sequência da sua derrota surpresa para o jovem americano.

“Quando Niemann foi convidado em cima da hora para a Taça Sinquefield 2022, considerei fortemente a possibilidade de me retirar antes do evento. Por fim, optei por jogar", escreveu Carlsen. “Creio que Niemann fez mais batota - e mais recentemente - do que admitiu publicamente. O seu progresso no tabuleiro tem sido invulgar e, durante todo o nosso jogo na Taça Sinquefield, tive a impressão de que ele não estava tenso ou mesmo totalmente concentrado no jogo em posições críticas, ao mesmo tempo que me ultrapassou com peças pretas de uma forma que penso que só um punhado de jogadores pode fazer”.

“Este jogo contribuiu para mudar a minha perspetiva”.

Niemann, por seu lado, admitiu ter feito batota aos 12 e 16 anos de idade e disse que tinha sido banido de competir no site Chess.com, mas disse numa entrevista ao Clube de Xadrez de St. Louis que nunca tinha feito batota em jogos sobre o tabuleiro.

Mas para um jogo que parece tão simples na sua estrutura - um tabuleiro de xadrez, dois jogadores, 32 peças no total e, teoricamente, muita criatividade - a questão que muitas pessoas se colocam é: “Como é que alguém faz batota no xadrez?”

A ascensão da tecnologia

Apesar de ser um desporto antigo, o xadrez tem vindo a ser arrastado nos últimos anos para a era moderna.

Os computadores e a Internet tornaram a competição mais acessível e conectada a jogadores em todo o mundo, e a inteligência artificial dá agora aos jogadores ferramentas para traçar as suas jogadas antes mesmo do início da partida.

Tudo começou realmente em 1996, quando o mestre Garry Kasparov, amplamente reconhecido como um dos melhores jogadores de sempre, enfrentou um supercomputador IBM chamado “Deep Blue” numa série de jogos.

Embora Kasparov tenha ganho a primeira partida, o “Deep Blue” ganhou dois jogos, tornando-se o primeiro programa de computador a derrotar um campeão do mundo num jogo clássico sob regulamentos do torneio.

Um ano mais tarde, os dois enfrentaram-se numa desforra, tendo o “Deep Blue” derrotado Kasparov, tornando-se o primeiro programa de computador a derrotar um campeão do mundo num jogo completo.

Embora os desempenhos de Kasparov contra o “Deep Blue” tenham sido reavaliadas ao longo do tempo, o significado dos resultados não pode ser sobrestimado. Foi um momento totémico na progressão da capacidade da tecnologia para jogar a partida de xadrez “perfeita”, e assinalou o aumento do efeito da inteligência artificial no xadrez.

Garry Kasparov olha para o tabuleiro de xadrez antes de uma jogada, na primeira parte do quinto jogo contra o computador da IBM “Deep Blue”, a 10 de maio de 1997. Stan Honda/AFP/Getty Images

Desde então, com melhorias no hardware e software do computador, os motores de xadrez ajudaram a moldar o desporto num jogo do século XXI.

Como definido pelo Chess.com, um motor de xadrez é um programa que “analisa as posições de xadrez e devolve o que calcula ser a melhor opção de jogada”.

Os motores de xadrez tornaram-se muito mais fortes que os humanos nos últimos anos, com muitas a excederem a classificação de 3.000 Elo - o sistema de classificação Elo mede a força de um jogador de xadrez em relação aos seus adversários. Para contexto, Carlsen detém o recorde da classificação Elo mais alta alguma vez alcançada por um jogador humano quando atingiu uma pontuação de 2.882 em 2014.

O Stockfish é um dos motores de xadrez mais avançados, com uma classificação de mais de 3.500, o que significa que tem uma probabilidade de 98% de vencer Carlsen numa partida - e uma probabilidade de 2% de empatar com o pentacampeão mundial, tornando uma vitória de Carlsen essencialmente impossível.

Embora os motores de xadrez tenham ajudado os jogadores a aperfeiçoar o seu apoio - treinando contra as jogadas perfeitas para se prepararem para cada eventualidade -, também permitiram que alguns jogadores fizessem batota mais facilmente.

Como resultado, os sites de xadrez online, como o Chess.com, desenvolveram tecnologia antifraude para detetar quando os jogadores estão a utilizar software de computador externo durante os jogos, numa tentativa de refrear as fraudes.

Embora a tecnologia antifraude tenha melhorado, Emil Sutovsky - director-geral da FIDE, Federação Internacional de Xadrez - diz que o xadrez precisa de desenvolver um “contrato social” com jogadores online para deixarem de fazer batota.

“O que aconteceu no passado foi que a cultura de fazer batota online foi vista muito menos como crime do que se se estivesse a tentar fazer batota no tabuleiro”, disse Sutovsky - que diz à CNN que fazer batota no xadrez online é um “enorme problema”. “Foi como se se estivesse a jogar um jogo de computador, um jogo online, xadrez online, por isso não foi levado tão a sério”.

“E muitos jogadores suspeitaram que outros jogadores estavam a fazer batota e depois foram naturalmente mais impelidos a tentarem-se a si próprios. Isso é algo que não está a acontecer no xadrez de tabuleiro. Agora, esta cultura ou herança deve realmente mudar e as pessoas devem aperceber-se de que, seja batota online ou batota sobre o tabuleiro, é batota.”

“Especialmente agora, quando a situação mudou, uma vez que há prémios grandes em jogo, os anfitriões de digressões como Magnus [Carlsen, que] conduziu a sua própria digressão, por isso toda esta perceção deve ser naturalmente substituída pela compreensão de que a batota online é um pecado muito grave e a punição por isso deve ser também muito grave”.

Enquanto a FIDE luta para combater a batota online, tem havido um nível de pureza no xadrez sobre o tabuleiro, com a batota a revelar-se muito mais difícil de fazer.

Andy Howie, árbitro e membro da comissão antifraude da FIDE, delineou algumas das medidas em vigor para evitar a batota sobre o tabuleiro, tais como detetores de metais, scanners de sinais, scanners não lineares e imagens térmicas.

Mas as medidas de segurança não impediram algumas pessoas de tentarem fazer batota - e a história do jogo está repleta de escândalos.

Subterfúgios

Acusações de batota e de jogo sujo voaram para trás e para a frente durante a final do Campeonato Mundial de Xadrez de 1978, no que um mestre presente descreveu como “o jogo mais desconcertante e sujo do campeonato mundial de xadrez na história do xadrez”.

A certa altura, o jovem campeão soviético Anatoly Karpov alegou que o exilado russo Viktor Korchnoi estava a tentar cegá-lo com os seus óculos de sol espelhados, segundo o El País.

Mais tarde, empregados de mesa serviram um iogurte de mirtilo a Karpov e Korchnoi sugeriu que o iogurte poderia ser utilizado para comunicações codificadas com os analistas do seu adversário.

Karpov acabou por ganhar o jogo, que é recriado num filme russo de 2021 chamado “O Campeão do Mundo”.

Mais recentemente, em 2015, a FIDE retirou a Gaioz Nigalidze, da Geórgia, o seu título de Grande Mestre e proibiu-o de jogar xadrez competitivo durante três anos, por visitar repetidamente a casa de banho no meio de um jogo para verificar o seu telefone e pesquisar a melhor jogada a fazer.

Também em 2015, um árbitro apanhou o amador italiano Arcangelo Riccicardi a usar código Morse e uma câmara para fazer batota numa competição.

Ricciardi estava alegadamente a esconder uma câmara de vídeo dentro de um pingente à volta do pescoço, com fios presos ao seu corpo e uma pequena caixa debaixo da axila.

“Continuei a olhar para ele. Ele estava sempre sentado, nunca se levantava", disse o árbitro-chefe Jean Coqueraut ao jorna italiano La Stampa. “Muito estranho, estamos a falar de horas e horas de jogo. Acima de tudo, ele tinha sempre os braços dobrados com o polegar debaixo da axila. Nunca o retirou. E pestanejou de uma forma não natural, como se estivesse concentrado no tabuleiro, mas perdido nalgum outro pensamento. Então percebi: ele estava a decifrar os sinais em código Morse. Ponto linha ponto linha. E foi isso”.

Riccicardi negou estar a fazer batota.

É incerto se Niemann fez ou não batota contra Carlsen - o americano nega veementemente as acusações.

Em qualquer caso, teoricamente, se alguém introduzisse os movimentos de Carlsen numa máquina de xadrez como o Stockfish, por exemplo, seria capaz de bater ou empatar com Carlsen com uma probabilidade de quase 100%.

Não houve qualquer prova conclusiva, mas o pentacampeão mundial parece convencido de que houve jogo sujo na Taça Sinquefield.

É muito mais difícil fazer batota quando se está sentado diretamente à frente do adversário, com eles a olharem nos seus olhos e com um oficial em cima dos ombros, mas isso não impediu os jogadores de o tentarem ao longo da história.

Howie diz que os melhores jogadores que dependem das suas carreiras no xadrez têm menos probabilidades de fazer batota e mais a perder.

Magnus Carlsen na 44ª Olimpíada de Xadrez de 2022, em Mahabalipuram, a 8 de agosto de 2022. Foto Arun Sankar / AFP / Getty Images

“Veja alguém como Hikaru Nakamura ou Magnus Carlsen ou Levon Aronian ou Ian Nepomniatchtchi. Se eles fossem apanhados a fazer batota seria devastador para eles, para as suas carreiras", disse à CNN. “Estas são as suas carreiras. Eles não podem dar-se ao luxo de o fazer porque seria totalmente devastador para eles”.

“Eles perderiam toda a credibilidade, todos os patrocínios. Têm demasiado a perder. Agora, isso não significa que tratemos o assunto como se eles nunca fossem trair, longe disso. Quando estamos a lidar com os seus torneios, somos na verdade muito, muito rigorosos, só para garantir que não há... Nunca espero encontrar nenhuma destas trapaças.”

“Ficaria realmente chocado se encontrasse um destes tipos a fazer batota. Mas à medida que se desce para as fileiras inferiores, é aí que é mais provável que encontrem pessoas a fazer batota, nos jogadores mais fracos. São pessoas que veem isto como não sendo importante para elas, no máximo são banidas durante alguns anos. E então? Eu irei jogar daqui a uns anos. Não estou muito agitado com isso. Não tem o impacto como tem sobre os jogadores de topo. Não é o seu sustento”.

Com a controvérsia Carlsen-Niemann a continuar a dominar o desporto, quem sabe a verdade que os acontecimentos irão trazer à tona.

Desporto

Mais Desporto

Patrocinados