Diana e a cadela Helga mudaram cinco vezes de casa em três semanas. Agora podem finalmente relaxar

2 abr, 08:00

Quando nos encontrámos pela primeira vez, há cerca de três semanas, a preocupação de Diana era visível e a ansiedade da cadela doberman Helga também. Tinham chegado a Portugal há pouco tempo, através do Núcleo de Intervenção e Resgate Animal, que trouxe ucranianos com dificuldades em sair da Polónia por se recusarem a abandonar os seus animais.

Mas, por cá, Diana deparou-se com a dificuldade em encontrar um casa por ter um animal de grande porte. Depois da primeira reportagem, Diana recebeu inúmeras mensagens de portugueses disponíveis para as acolher ou ceder-lhes uma casa. Acabou por escolher ficar na zona da grande Lisboa, perto da praia, onde Helga pisou pela primeira vez o mar.

O foco de Diana continua em manter o trabalho à distância numa tecnológica, que lhe permite ajudar a família que ficou na Ucrânia. Mas abraçou outra missão. A casa onde vai morar é grande o suficiente para acolher mais pessoas e Diana ajuda agora familiares e amigos que tentam fugir da guerra e não sabem para onde ir. Já recebeu os cunhados e em poucas semanas conta receber uma colega, mãe-solteira de um rapaz de oito anos.

Europa

Mais Europa

Patrocinados