Vueling cancela 54 voos devido à greve dos tripulantes de cabine

Agência Lusa , AM
1 nov, 12:58
Vueling (Associated Press)

Trabalhadores da companhia exigem um aumento salarial de 13,4% este ano, de forma a mitigar o impacto da inflação

A companhia aérea Vueling vai cancelar esta terça-feira um total de 54 voos para reduzir o impacto da greve convocada pelo Stavla, o sindicato mais representativo entre os tripulantes de cabine da companhia do grupo IAG.

Segundo adiantaram fontes da empresa à agência noticiosa Europa Press, está prevista a operação de cerca de 90% dos voos da companhia neste primeiro dia de greve. Assim, dos 520 voos previstos, 466 voos serão operados normalmente, sendo a pontualidade neste momento de 94%.

No aeroporto de Barcelona, 84% (131 em 156) dos voos programados pela Vueling deverão operar normalmente. No resto de Espanha, 92% (173 em 189) dos voos regulares decorrerão com normalidade. A nível internacional, 93% dos voos operarão normalmente, o que corresponde a 162 dos 175 programados.

Segundo a companhia, todos os clientes afetados pelos cancelamentos foram previamente notificados, tendo-lhes sido disponibilizadas diferentes alternativas para minimizar o impacto nas suas viagens. A empresa garante que lhes foi dada a opção de fazer outro voo, escolher um meio de transporte alternativo ou optar pelo reembolso do bilhete, tendo 90% dos passageiros afetados até agora encontrado uma solução satisfatória.

Os clientes poderão consultar o estado do seu voo no site www.vuelingnews.com e aceder à sua reserva para obter informação sobre o seu novo voo e/ou gerir as alternativas disponíveis: transporte alternativo até ao destino final o mais rapidamente possível, alteração para outro voo para o seu destino final em data posterior, sujeito à disponibilidade de lugares, ou reembolso do bilhete.

A empresa apelou ainda à responsabilidade do sindicato Stavla para cancelar as greves e optar pelo diálogo, em detrimento do confronto social.

Na base da greve dos trabalhadores da Vueling está a exigência de um aumento salarial de 13,4% este ano, de forma a mitigar o impacto da inflação.

A greve foi convocada para todas as sextas-feiras, domingos e segundas-feiras entre 01 de novembro e 31 de janeiro de 2023, para além dos dias feriados, 24 e 31 de dezembro e 05 de janeiro.

“Os tripulantes de cabine não podem manter-se na situação de precariedade salarial em que se encontram enquanto a empresa prolonga a negociação do acordo coletivo ao longo do tempo”, sustenta o sindicato.

A companhia tem defendido que "não é momento" para divisões, mas sim para unir forças e construir o futuro da empresa, considerando que os aumentos salariais reclamados pela Stavla são “inviáveis”, porque significariam a perda de competitividade da Vueling e poderiam implicar uma redução da sua dimensão e uma necessária reorganização.

A companhia aérea considera que, na situação atual, é necessário assinar acordos coletivos sustentáveis.

Face aos eventuais efeitos da greve, o Governo espanhol decretou serviços mínimos de até 80% a aplicar aos serviços de transporte aéreo, expressos em número de frequências diárias para cada rota.

Os aeroportos para os quais foram decretados são aqueles com origem ou destino em Alicante, Barcelona, Bilbao, Gran Canaria, Palma de Maiorca, Málaga, Santiago de Compostela, Lanzarote, Sevilha, Tenerife Norte e Valência.

O Governo explicou que estes serviços essenciais “se destinam a conciliar o interesse geral dos cidadãos, e em particular as suas necessidades de mobilidade, com o direito à greve deste grupo de trabalhadores”.

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados