Auchan quer aumentar 5% salários no próximo ano e contratar 1.000 colaboradores

3 nov, 11:22
Clara Costa (Auchan Retail Portugal)

O valor fica um ponto percentual acima da inflação prevista pelo Governo para 2023. O objetivo é garantir a qualidade de vida dos colaboradores. A retalhista vai contratar 1.000 pessoas até 2024

Apesar de os orçamentos ainda não estarem fechados, a Auchan está a planear proceder a um aumento da massa salarial dos seus colaboradores na ordem dos 5% no próximo ano. A medida implica um investimento de sete milhões de euros por parte da retalhista na folha salarial. O aumento fica um ponto percentual acima da inflação prevista pelo Governo para 2023, mas abaixo dos 7,8% de aumento previstos para o salário mínimo nacional, para os 760 euros. Até 2024, a Auchan planeia contratar 1.000 pessoas em território nacional, adiantou a retalhista alimentar à Pessoas.

“Em 2022 fizemos um investimento de sete milhões de euros, valor que, habitualmente, era de três milhões de euros. Para 2023, o que temos previsto é um aumento em termos de massa salarial de 5%”, adianta Clara Costa, diretora de recursos humanos da Auchan Retail Portugal, em entrevista à Pessoas.

Os aumentos salariais, que vão abranger os 8.500 colaboradores da companhia, “mediante a avaliação de desempenho de cada colaborador”, implicam um investimento de cerca de sete milhões de euros.

A medida pretende contribuir para o aumento do custo de vida dos funcionários, num ano que será marcado por uma inflação ainda alta. Na proposta de Orçamento do Estado para 2023 que o Governo entregou no Parlamento, prevê-se que a inflação se fixe nos 4%. Os aumentos na Auchan estão um ponto percentual acima. “O compromisso é garantir aquilo que é a qualidade de vida dos colaboradores”, reforça a gestora de pessoas.

No retalho alimentar, também a Mercadona e o Lidl já anunciaram aumentos nos salários dos colaboradores para o próximo ano. A Mercadona vai aumentar em 11% o salário de entrada dos trabalhadores em Portugal, para 12.410 euros por ano, a partir de janeiro de 2023. Já o Lidl vai subir em 10% o salário de entrada dos operadores de loja e entreposto que, a partir do início do próximo ano, passam a ganhar 820 euros brutos. O aumento representa um investimento de 8,4 milhões de euros na folha salarial em 2023.

Além das questões da remuneração que, naturalmente, “são relevantes”, aquele que é, para Clara Costa, o grande desafio é trabalhar cada vez mais a experiência do colaborador e responder àquilo que são as suas necessidades individuais.

Uma das medidas que a Auchan vai adotar também no próximo ano será o alargamento dos dias de férias pagos, tal como avançou a Pessoas. A partir de 2023, os seus colaboradores passarão a ter mais três dias de descanso do que aqueles a que a Lei obriga. A companhia espera que a medida — que pretende promover o bem-estar e o tempo de descanso das pessoas — contribua para melhorar o bem-estar das suas pessoas.

Contratar 1.000 pessoas até 2024

Já no que toca aos planos de contratação, a companhia pretende recrutar 1.000 novos colaboradores até 2024. As vagas são, sobretudo, para funções nas futuras lojas.

Já nos serviços, os perfis de IT, data e digital serão os mais procurados, revela Clara Costa, que assumiu a direção de pessoas da Auchan em agosto, em substituição de Jorge Filipe.

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados