O que ficámos a saber no primeiro dia do julgamento de Trump sobre suborno

CNN , Jeremy Herb, Kara Scannell e Kaanita Iyer
16 abr, 12:57
O ex-presidente Donald Trump no primeiro dia do seu julgamento por supostamente encobrir pagamentos secretos ligados a casos extraconjugais, no Tribunal Criminal de Manhattan, na cidade de Nova Iorque, em 15 de abril. Jabin Botsford/Pool/AFP via Getty Images via CNN Newsource

Conclusões do primeiro dia do julgamento de Trump sobre o suborno

Aí está o primeiro julgamento criminal do antigo presidente Donald Trump.

O primeiro dia do primeiro julgamento criminal de um antigo presidente dos EUA começou na segunda-feira, tornando evidente a realidade de que o presumível candidato republicano à presidência estará sentado numa sala de audiências de Manhattan como arguido quatro dias por semana.

Trump, que se declarou inocente das 34 acusações de falsificação de registos comerciais, sentou-se ao lado dos seus três advogados no início da seleção do júri, observando-os a debater com os procuradores sobre as provas que poderiam ser admitidas e passando notas enquanto falavam.

Escolher uma lista de 12 jurados que possam decidir o destino de Trump será difícil, uma vez que mais de 50 pessoas foram imediatamente dispensadas quando disseram que não podiam ser justas e imparciais. A tarefa continuará nesta terça-feira, com os potenciais jurados a responderem a perguntas que podem indicar as suas opiniões políticas, como parte de um processo exaustivo que poderá prolongar-se para além da primeira semana do julgamento.

Trump pouco falou dentro do tribunal na segunda-feira. Mas a sua retórica incendiária voltou a estar em causa, com um novo apelo do Ministério Público de Manhattan para que o juiz Juan Merchan sancionasse Trump por violar a ordem de silêncio do juiz.

Eis as principais conclusões do primeiro dia do julgamento que opõe o Estado de Nova Iorque a Donald Trump.

Mais de metade do primeiro lote de potenciais jurados diz que não pode ser justo e imparcial

Merchan trouxe 96 novaiorquinos como potenciais jurados, mas mais de metade foram rapidamente dispensados porque disseram que não se consideravam capazes de ser justos e imparciais.

A rápida dispensa do grupo de potenciais jurados sublinha a dificuldade em escolher um júri quando o arguido é um antigo presidente que suscita fortes sentimentos em ambos os lados do corredor.

Trump tem-se queixado de que não consegue arranjar um júri justo em Manhattan, onde os jurados têm de viver. Entre os jurados que ficaram, a maioria disse que poderia ser justa e imparcial neste caso.

Mas quando o juiz começou a pedir aos jurados que respondessem a 40 perguntas sobre os seus antecedentes, os meios de comunicação que consomem e se têm sentimentos fortes em relação a Trump, mais um potencial jurado foi excluído.

A jurada em questão respondeu afirmativamente à pergunta 34: "Tem opiniões fortes ou crenças firmes sobre o antigo presidente Donald Trump, ou sobre o facto de ele ser atualmente candidato a presidente, que possam interferir com a sua capacidade de ser um jurado justo e imparcial?"

Merchan interrompeu o seu interrogatório e perguntou se os advogados tinham alguma objeção a que ela fosse dispensada.

"Não fui capaz de o fazer", ouviu-se a jurada dizer no corredor fora da sala de audiências.

Entre os outros nove potenciais jurados que foram interrogados, nenhum disse ter lido qualquer livro escrito por Trump ou Michael Cohen. E nenhum disse ter trabalhado ou ter-se oferecido como voluntário para Trump.

A defesa quer abrandar o processo

Depois de meses de recursos para adiar o início do julgamento, a defesa está agora a tentar abrandar os procedimentos legais com a aproximação das eleições de novembro.

Fontes disseram à CNN que é provável que haja muitas objeções e apartes durante o julgamento, porque a defesa está completamente concentrada em preservar todas as questões para recurso.

Por exemplo, a seleção do júri já está prevista para durar uma semana, mas na segunda-feira o advogado de Trump, Todd Blanche, pediu mais tempo para interrogar os potenciais jurados. Blanche pediu 30 minutos para a primeira ronda de perguntas e 20 minutos para as rondas seguintes - o dobro do tempo habitual - e o juiz e o Ministério Público concordaram.

Blanche também tentou levantar problemas com o atual sistema de exigir uma carta de pré-moção 48 horas antes, que Merchan disse estar em vigor porque estavam "a ser inundados com moções, muitas das quais, francamente, eram quase frívolas, se não mesmo frívolas" - uma aparente alusão às recentes moções apresentadas pelos advogados de Trump.

Estas táticas enquadram-se na estratégia jurídica mais vasta de Trump, que incluiu meses de recursos para atrasar o início do julgamento, que foi bem sucedido por motivos distintos. A defesa agora espera que os procedimentos legais, que devem durar de seis a oito semanas, avancem a um ritmo lento com a eleição de 2024 a poucos meses de distância.

Gabinete do procurador acusa Trump de violar a ordem de silêncio e quer que ele seja multado

Os procudores pediram a Merchan que sancionasse Trump por violar a ordem de silêncio que o proibia de falar sobre testemunhas no caso, o gabinete do procurador ou funcionários do tribunal.

Chris Conroy pediu que Trump fosse acusado de desrespeito por violar a ordem de silêncio e que lhe fosse aplicada uma sanção de 1.000 dólares (940 euros) por cada uma das três publicações nas redes sociais que dizem violar a ordem.

"Pensamos que é importante que o tribunal recorde ao sr. Trump que ele é um arguido criminal", disse Conroy. "E, como todos os arguidos criminais, está sujeito à supervisão do tribunal."

Um das publicações de Trump na sua rede social, a Truth Social, chamava a eventual testemunha do julgamento Michael Cohen de "ex-advogado sacana" e, noutra, partilhou a carta de Stormy Daniels de 2018 a negar um caso com Trump, que ela já revogou.

Uma terceira foi uma republicação do ex-advogado de Daniels, Michael Avenatti, criticando Cohen e Daniels. O post no X acusava-os de ganhar dinheiro com "documentários falsos" e entrevistas na televisão.

Na segunda-feira de manhã, Trump também partilhou uma história do New York Post, citando-a: "Um perjúrio em série vai tentar provar uma velha contravenção contra Trump, num embaraço para o sistema legal de Nova Iorque."

Merchan marcou uma audiência sobre a moção do procurador distrital para esta terça-feira.

Esta não é a primeira vez que Trump é escrutinado pelas suas publicações nas redes sociais. Foi multado duas vezes por violar uma ordem de silêncio imposta pelo juiz novaiorquino Arthur Engoron no seu julgamento por fraude civil.

Cassete "Access Hollywood" não pode ser reproduzida, mas atriz pode testemunhar

Merchan tomou várias decisões importantes que podem enquadrar a forma como o caso é apresentado, proporcionando vitórias para ambas as partes.

Para além de recusar retirar-se do caso, o juiz apoiou o Ministério Público ao permitir o depoimento de Karen McDougal, uma atriz e modelo que alegou ter tido um caso com Trump. Os procuradores podem também apresentar como prova os artigos do National Enquirer que criticam os adversários de Trump.

A American Media Inc. concordou em pagar a McDougal 150.000 dólares (cerca de 140 mil euros) cinco meses antes das eleições de 2016 pelo seu silêncio sobre as alegações de um caso com Trump, de acordo com os procuradores. Trump negou o caso. Este pagamento não faz parte das acusações contra Trump, mas os procuradores disseram que o testemunho ajudaria a estabelecer um padrão de pagamentos.

Uma vitória importante para Trump, entretanto, foi o facto de Merchan ter decidido que a infame cassete "Access Hollywood" não pode ser reproduzida em tribunal, considerando-a prejudicial. Os procuradores também não poderão trazer à tona outras alegações de agressão sexual contra Trump que surgiram depois daquela ter sido tornada pública em outubro de 2016.

"São muito prejudiciais e, nesta altura, tendo em conta o que sabemos hoje, era apenas um rumor", considerou Merchan, que também negou o pedido dos procuradores para mostrar o depoimento de E. Jean Carroll no seu processo de difamação contra Trump porque seria "construir um julgamento num julgamento".

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Mais Lidas

Patrocinados