Iniciativa Liberal diz que 34% dos portugueses têm seguro de saúde "por desespero"

Agência Lusa , PF
9 mai, 18:05
Mário Amorim Lopes (Manuel de Almeida/LUSA)

Segundo Mário Amorim Lopes, na prática, o aumento de verbas que foram destinadas ao SNS durante a governação socialista resultou em “1,5 milhões de portugueses sem médico de família e listas de espera para cirurgia e para consultas de especialidade”

A Iniciativa Liberal (IL) afirmou esta quinta-feira que 34% dos portugueses têm seguros de saúde “por desespero” devido à falta de resposta do Serviço Nacional de Saúde, acusando o PS de ser o “melhor amigo” do setor privado.

“Em 2015, 25% dos portugueses tinham uma apólice de seguro de saúde. No final de 2021, 34% dos portugueses têm uma apólice privada de seguro de saúde por desespero, porque não conseguem encontrar uma solução no SNS”, afirmou o deputado da IL Mário Amorim Lopes durante o debate parlamentar sobre o estado do Serviço Nacional de Saúde (SNS), pedido pela bancada do PSD, mas que não contou com a presença da ministra Ana Paula Martins.

Perante o aumento de seguros registado nos últimos anos, Mário Amorim Lopes questionou “quem é mesmo o melhor amigo do setor privado na saúde em Portugal senão o PS”, rejeitando ainda que o investimento no SNS tenha tido retorno para os utentes.

Segundo o deputado, na prática, o aumento de verbas que foram destinadas ao SNS durante a governação socialista resultou em “1,5 milhões de portugueses sem médico de família e listas de espera para cirurgia e para consultas de especialidade”.

Além disso, verificou-se que os portugueses “amontoaram-se em centros de saúde desesperados para uma consulta de cuidados primários”, assim como “urgências fechadas e médicos em êxodo do SNS por todo o país”, salientou o deputado da IL.

Na resposta, a deputada socialista Mariana Vieira da Silva considerou ser “muito curiosa a insistência” da IL nos dados de seguros, alegando que, apesar de 34% dos portugueses terem seguro, estes “apenas valem apenas 4,5% da despesa em saúde”.

“Quem presta cuidados de saúde neste país é o SNS”, salientou a antiga ministra, ao adiantar que estes seguros, na sua grande maioria, “fazem parte de pacotes que as empresas pagam”.

“Não são escolha por desespero e não pesam na vida das famílias”, disse Mariana Vieira da Silva, depois de realçar, na sua intervenção, que entre 2015 e 2024, o Orçamento do SNS subiu 5,6 mil milhões de euros, mais 72%, o que permitiu contratar mais 29.500 profissionais nesse período.

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados