Sindicato de médicos continua greves por Governo manter aumento salarial em 1,6%

Agência Lusa , PF
28 ago 2023, 15:06
Médicos (imagem Getty)

“Não bastam intenções, têm de se apresentar ações. A questão de fundo é o investimento”, disse à agência Lusa o presidente do Sindicato Independente dos Médicos, Jorge Roque da Cunha

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM) reiterou esta segunda-feira a intenção de avançar com as greves previstas para esta semana e a próxima, alegando que as propostas do Governo não vão além de um aumento salarial de 1,6%.

Em entrevista publicada pelo jornal Público, o secretário de Estado da Saúde, Ricardo Mestre, prometeu uma reorganização do setor e enumerou um conjunto de medidas que o Governo tenciona desenvolver nos próximos meses, mas que para o SIM mantêm o subfinanciamento do Serviço Nacional de Saúde (SNS).

“Não bastam intenções, têm de se apresentar ações. A questão de fundo é o investimento”, disse à agência Lusa o presidente do SIM, Jorge Roque da Cunha.

O secretário de Estado assumiu, na entrevista, que o Governo pretende alargar a todo o país Unidades Locais de Saúde, com um novo modelo de financiamento, em função do risco clínico da população, que será subdividida em três grupos: saudáveis, doentes crónicos e casos complexos.

O governante garantiu que o orçamento da saúde vai ser o maior de sempre no próximo ano. Este ano, nas contas que apresentou, há quase 14 mil milhões de euros de despesa aprovada.

Roque da Cunha contrapôs que os hospitais chegam a outubro com um valor inferior ao que lhes foi atribuído. “Têm executados 220 milhões de euros, dos 550 milhões aprovados no Orçamento do Estado. É o padrão habitual nos últimos anos. Normalmente o que é executado é 50%”.

Sobre o regime de dedicação plena - de adesão voluntária - e a valorização salarial, Roque da Cunha afirmou que o sindicato mantém reservas, por não ver qualquer proposta acima de 1,6%, o que os profissionais têm rejeitado.

"Mantemos uma grande preocupação e um grande pessimismo. A incapacidade que o SNS tem em fixar médicos vai manter-se", disse.

Neste sentido, o SIM mantém as greves previstas para esta semana (quarta-feira e quinta-feira), no Algarve, no Alentejo e nos Açores.

Na próxima semana, prosseguirão greves regionais no Norte e em Lisboa, no âmbito de um calendário que vai até ao final de setembro.

País

Mais País

Patrocinados