Atenção a esta mensagem: pede para ficarmos felizes por estarmos a ser avisados sobre um "perigo real" para a sociedade

17 mar, 19:28
Sam Altman, CEO da OpenAI (AP)

Confuso? Cuidado com a inteligência artificial (diz quem sabe e quem a criou). E celebre-se a inteligência artificial (diz novamente quem sabe e quem a criou)

Sam Altman, CEO da OpenAI, a empresa que desenvolveu o programa de inteligência artificial ChatGPT, alertou que esta tecnologia vai remodelar a sociedade tal como a conhecemos e que isso traz perigos reais. "Temos de ter cuidado", disse Altman, de 37 anos, à ABC, acrescentando: “Penso que as pessoas deviam estar felizes por estarmos um bocadinho assustados com isto". Até porque, assim, também estamos mais atentos.

Defendendo a necessidade de regulação, Altman disse estar "particularmente preocupado com o facto de esses programas [de inteligência artificial] poderem ser usados para desinformação em larga escala ou para ataques cibernéticos".

Mas, apesar dos perigos, disse, esta também pode ser “a maior tecnologia que a humanidade já desenvolveu”.

O aviso aparece num momento em que  OpenAI lançou a versão mais recente do seu modelo de linguagem AI, GPT-4, menos de quatro meses depois de a versão original ter sido lançada e se ter tornado a aplicação para o consumidor de crescimento mais rápido da história.

Na entrevista, o engenheiro disse que, embora a nova versão “não seja perfeita”, obteve 90% nos exames para a Ordem dos Advogados nos EUA e uma pontuação quase perfeita no exame de matemática do ensino secundário. Também tem capacidade para escrever código de computador na maioria das linguagens de programação, garantiu.

Os medos em volta da inteligência artificial prendem-se sobretudo com a substituição de humanos por máquinas. Mas Altman garantiu que a IA só funciona sob orientação de humanos.

Relacionados

Tecnologia

Mais Tecnologia

Patrocinados