Quantas vezes precisamos de usar os sacos reutilizáveis?

CNN
25 dez 2022, 19:00
A solução mais ecológica para a substituição de um saco de plástico descartável não é algo simples de discernir, mas a resposta rápida é: reutilize os sacos que tiver em casa, o máximo de vezes que puder. Créditos: Adobe Stock

A batalha contra o saco de plástico de utilização única pode estar longe de ser ganha, mas está em curso.

Existem restrições à sua utilização em muitos países em todo o mundo e, em muitos casos, estes esforços têm sido bem-sucedidos na supressão de novas vendas de sacos de plástico finos que voam até às árvores, entopem os cursos de água, deixam microplásticos no solo e na água e prejudicam a vida marinha. É importante salientar que estas restrições não consideram os sacos de plástico já existentes pelo mundo fora que levarão séculos a decompor-se.

No entanto, esta meta ambiental de grande sucesso encobre outro tipo de problema.

Muitos de nós estamos a afogar-nos em sacos reutilizáveis, sacos de tecido ou sacos de plástico mais grossos e duráveis, que os retalhistas vendem a baixo custo ou oferecem aos clientes como uma alternativa supostamente mais sustentável ao plástico de uso único. (Tenho 15 sacos de algodão e 12 sacos de plástico resistentes guardados numa gaveta da cozinha, dos quais apenas alguns veem a luz do dia).

Os ativistas dizem que estes sacos estão a criar problemas ambientais, pois os sacos reutilizáveis têm uma pegada de carbono muito mais elevada do que os sacos de plástico finos. De acordo com uma estimativa arrebatadora, um saco de algodão deve ser utilizado pelo menos 7.100 vezes para o tornar numa alternativa verdadeiramente amiga do ambiente em comparação com um saco de plástico convencional.

A solução mais ecológica para a substituição de um saco de plástico descartável não é algo simples de discernir, mas a resposta rápida é: reutilize os sacos que tiver em casa, o máximo de vezes que puder.

E aqui estão algumas coisas a ter em mente quando chegar ao centro comercial ou à mercearia.

Consequências inesperadas

As proibições e os limites de plásticos de utilização única estão, em alguns casos, a ter consequências não intencionais.

Em Nova Jérsia, nos Estados Unidos, a proibição de sacos de plástico e papel descartáveis obrigou os serviços de entrega de mercearia a mudarem para sacos resistentes. Os seus clientes queixam-se agora de um excesso de sacos reutilizáveis e robustos e não sabem o que fazer com eles.

No Reino Unido, onde vivo, uma pessoa compra em média cerca de três sacos descartáveis por ano, em comparação com 140 em 2014, o ano anterior à cobrança de uma taxa sobre os sacos descartáveis. Contudo, a Greenpeace disse que os supermercados britânicos em 2019 venderam 1,58 mil milhões de sacos de plástico duráveis, o equivalente a 57 por agregado familiar e mais do que um saco por semana. Verificou-se um aumento de 4,5% em relação a 2018.

Todas estas situações sugerem que esta opção, em que se oferece um saco mais pesado para incentivar a reutilização, simplesmente não está a funcionar.

“Se as empresas estão a dar-nos sacos de plástico ainda mais grossos, então eu diria que esta política é um fracasso geral”, disse Judith Enck, antiga administradora regional da Agência de Proteção Ambiental e agora presidente da Beyond Plastics, organização sem fins lucrativos dos Estados Unidos, que se dedica a acabar com a poluição causada por produtos de plástico descartáveis.

Ao avaliar o impacto ambiental de um saco durante o seu período de utilização, há muitas coisas diferentes a ter em conta: o material, o seu peso, o processo de fabrico e a forma como é descartado. Um saco de plástico resistente feito com o mesmo material que o clássico saco descartável, mas com o dobro do peso, tem o dobro do impacto ambiental, a menos que seja reutilizado mais vezes. Portanto, tendo esta lógica em conta, um saco de plástico descartável pode parecer uma escolha benigna com base no seu impacto climático.

A solução para os sacos de plástico resistentes é reutilizá-los e descartá-los cuidadosamente de forma a não poluir o planeta.

Um relatório produzido para o Programa das Nações Unidas para o Ambiente (PNUA) em 2020 constatou que um saco de polipropileno (PP) espesso e durável (com uma aparência de tecido) deve ser utilizado 10 a 20 vezes em comparação com um saco de plástico descartável. Por sua vez, um saco de polietileno (PE) mais fino mas ainda reutilizável deve ser usado entre cinco e 10 vezes.

“Haverá sempre casos em que nos esquecemos dos nossos sacos (reutilizáveis) em casa. Deveríamos tentar não o fazer, mas quando o fazemos, precisamos de comprar mais um saco. Se já tivermos demasiados em casa, será melhor, pelo menos do ponto de vista climático, comprar um saco de papel ou plástico descartável”, disse Tomas Ekvall, um dos autores do relatório do PNUA e professor adjunto na Universidade de Tecnologia de Chalmers, na Suécia.

Contudo, Ekvall frisou que o saco de plástico de utilização única epitomizou a cultura descartável e que, por essa razão, deveríamos evitar o seu uso.

“Se estamos a lutar por um futuro sustentável sem produtos descartáveis, então os sacos de utilização única não são muito consistentes com esse estilo de vida. Portanto, nesse sentido, pode ser razoável tentar evitá-lo, embora essa escolha continue a não ser um benefício ambiental.”

O problema do algodão

A tote, uma mala de algodão, tornou-se um símbolo de estatuto barato para qualquer pessoa, e marcas, que queiram fugir ao plástico e exibir os seus valores ambientais.

Contudo, o algodão é um produto que requer muitos recursos hídricos e utiliza uma quantidade substancial de pesticidas e fertilizantes, o que introduz nitratos na terra e nos cursos de água e resulta na criação de óxido nitroso, um gás com efeito de estufa. Isto significa que a sua pegada ambiental é maior do que muitas pessoas julgam.

Segundo o relatório do PNUA, um saco de algodão precisa de ser utilizado 50 a 150 vezes para ter menos impacto no clima em comparação com um saco de plástico descartável.

Um relatório dinamarquês publicado em 2018 pela Danish Environmental Protection Agency sugeriu que um saco de algodão deveria ser utilizado pelo menos 7.100 vezes para compensar o seu impacto ambiental quando comparado com um saco de plástico tradicional do supermercado, que é reutilizado uma vez como um saco de lixo e depois incinerado. (Se esse algodão for orgânico, o número é 20.000 vezes superior, com o relatório a assumir um rendimento mais baixo mas a mesma quantidade de matéria-prima).

O relatório analisou 15 indicadores ambientais diferentes, incluindo alterações climáticas, deterioração da camada de ozono, poluição atmosférica, consumo de água e uso do solo. No entanto, ao centrar-se apenas no impacto climático do algodão, sugeriu que uma mala de algodão teria de ser reutilizada pelo menos 52 vezes (tal como reportou o relatório do PNUA).

Conhecido como Avaliação do Ciclo de Vida (ACV), reflete um conjunto de métodos que os cientistas utilizam para avaliar os custos ambientais associados a um produto ao longo de toda a sua vida útil. O relatório do PNUA reviu 10 Avaliações do Ciclo de Vida produzidas em vários países desde 2010. Todavia, Ekvall disse que tal abordagem se baseava frequentemente em pressupostos e simplificações; e os resultados variaram bastante.

“É um problema que os resultados da ACV sejam relativamente fáceis de compreender, mas é necessário um especialista para compreender como os resultados foram calculados e por que razão são diferentes”, observou.

Ekvall disse que é melhor encarar as ACV como "uma regra geral" em vez de um guião rígido e rápido. Além disso, as avaliações não têm em conta os fatores difíceis de medir, tal como o lixo do mar e os microplásticos, cujo impacto na saúde humana e animal ainda não é percetível. Por exemplo, como é que se quantifica uma baleia morta com 40 quilos de sacos de plástico no estômago?

Como pode ajudar

É também importante notar que os sacos de plástico são responsáveis por uma parte significativa da poluição, mas desempenham um papel muito pequeno na crise climática quando comparados com outros produtos e mercadorias, disse o relatório do PNUA. Como tal, é talvez muito mais importante pensar no que se está a colocar no saco de compras e consumir menos.

Enck, que utiliza o mesmo saco de algodão há 20 anos, concordou. “Penso que não devemos deixar que a ACV nos tire o nosso bom senso. O plástico descartável provoca enormes danos ambientais.”

Enck doou os seus sacos reutilizáveis em excesso a bancos e despensas alimentares e, no caso de sacos de algodão, utilizou-os para embrulhar presentes. Talvez também fizesse mais sentido fazer um saco a partir de roupas velhas, lençóis ou cortinas, do que comprar um novo, sugeriu.

Os consumidores poderiam encorajar as empresas a emprestar sacos por uma taxa reembolsável, em vez de venderem sacos resistentes a quem se esqueceu dos seus sacos reutilizáveis em casa, disse Ekvall.

Enck salientou ainda que era melhor reutilizar os sacos de plástico tanto quanto possível do que reciclá-los, pois os diferentes produtos químicos e corantes utilizados nos diferentes plásticos tornaram a reciclagem notoriamente difícil.

Relacionados

Clima

Mais Clima

Mais Lidas

Patrocinados