Rússia retalia e retira credenciais a cônsul honorário português depois de MNE exonerar representante homólogo em Portugal

12 abr 2023, 15:55
Lavrov

Decisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros surgiu após investigação da CNN Portugal mostrar que Bruno Valverde Cota, cônsul honorário da Rússia em Portugal, detinha uma empresa que promovia vistos gold

A Rússia decidiu retirar as credenciais ao cônsul honorário português em Nizhni Novgorod após o Governo ter exonerado o cônsul honorário russo em Portugal. Uma decisão que foi tomada após uma investigação da CNN Portugal ter revelado que Bruno Valverde Cota, o cônsul honorário russo no Algarve, promovia uma empresa que tratava de vistos gold.

Em fevereiro, o Ministério dos Negócios Estrangeiros anunciou a retirada do "exéquatur (documento emitido pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros do país anfitrião) ao Cônsul Honorário da Rússia no Algarve", por "desenvolvimento de atividades que não estão em conformidade com a Convenção de Viena sobre Relações Consulares". 

Agora, após essa decisão do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o Kremlin decidiu retaliar, exonerando Acácio Durães da posição de cônsul de Portugal naquela cidade, confirmou a CNN Portugal junto de fonte do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

"O Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa decidiu revogar o exequatur do Cônsul Honorário da República Portuguesa em Nizhny Novgorod, Acácio Ferreira (Durães). As notas correspondentes foram enviadas ao Ministério dos Negócios Estrangeiros de Portugal e à Embaixada de Portugal em Moscovo", - diz a declaração de Sergey Lavrov, citada pela agência de notícias RIA.

Durães era Cônsul Honorário de Portugal desde Julho de 2015 e exercia as suas actividades na região de Nizhny Novgorod.

Já Bruno Valverde Cota, que foi nomeado cônsul honorário pela Embaixada da Rússia em 2020, mantinha ligações com a empresa Optimistic Plus, Lda, que fundou em 2012 com o objetivo de prestar, entre outras atividades, serviços de consultoria financeira, imobiliária e de marketing.

No website da empresa de que era titular o cônsul honorário, anunciavam-se serviços de “investimentos e vistos gold”, nos quais se incluem três opções que começam nos 280 mil euros para propriedades em áreas de baixa densidade populacional e podem chegar aos 500 mil euros.

Na altura, a embaixada da Rússia em Portugal garantiu à CNN Portugal “não ter conhecimento de que o cônsul honorário alegadamente trate de vistos gold” e sublinhou que Bruno Valverde Cota seria “alguém com um forte sentido ético e muito sensível a este tipo de questões”.

Relacionados

Governo

Mais Governo

Mais Lidas

Patrocinados