Montenegro sobre o discurso do novo líder do PS: "Espreme-se, espreme-se e não sai nada"

Agência Lusa , BCE
17 dez 2023, 16:53
Luís Montenegro (LUSA)

O líder dos sociais democratas acusou o PS de "não ter ideias" e defendeu que está na hora de acabar com a ideologia nas políticas da saúde e da educação seguidas pelos governos socialistas e inspiradas no PCP e no BE

O presidente do PSD, Luís Montenegro acusou este domingo o novo líder do PS, Pedro Nuno Santos, de ter um discurso sem ideias, alegando que se espreme, mas não sai nada.

"Creio que ainda ontem à noite se percebeu isso bem. Espreme-se, espreme-se e não sai nada. E soluções, e caminho e desígnio e objetivo?", questionou o líder da oposição.

Luís Montenegro discursava no almoço de Natal da distrital de Aveiro, que decorreu na Escola Secundária de Castelo de Paiva, com cerca de 600 militantes e simpatizantes do PSD.

Para o presidente social-democrata, este é o momento para se dizer o que se quer fazer ao país e o que cada um tem para dar. "Como o PS não tem ideias, nós vamos dizer quais são as nossas e eles vão dizer se concordam ou não", afirmou.

As propostas dos sociais-democratas

Num espírito que disse ser natalício, Montenegro avançou com propostas para vários setores, começando com a promessa de que os jovens, até aos 35 anos, não suportarão uma taxa de IRS superior aos 15%, para acabar com "o maior desperdício de Portugal", que é a saída de jovens para o estrangeiro para trabalhar.

Os jovens casais terão acesso gratuito às creches, cuja rede será ampliada, envolvendo o setor social e privado, disse.

O líder do PSD reafirmou a proposta de recuperação total do tempo de serviço dos professores ao longo de cinco anos, correspondendo a 20% em cada ano, medida que, reafirmou, custará 300 milhões de euros ao Estado.

Ainda na área da educação, sinalizou que se for primeiro-ministro o seu governo vai garantir a recuperação das aprendizagens.

Montenegro questionou depois o novo líder do PS se está arrependido das políticas que conduziu como ministro da Habitação, face à crise que se observa no setor que penaliza sobretudo os jovens.

Avançou que os social-democratas, se forem governo, se propõem fazer investimento público no setor e dar estímulos aos privados para construir mais habitações.

Para a classe média, prometeu baixar o IRS, criticando a situação que se vive em Portugal, onde algumas "pessoas que trabalham têm menos rendimento do que as pessoas que não trabalham".

"A esquerda dá cabo dos serviços públicos"

Para o PSD, é chegada a hora de acabar com a ideologia nas políticas da saúde e da educação seguidas pelos governos do PS e inspiradas no PCP e no BE.

"A esquerda dá cabo dos serviços públicos", sustentou, apontando a situação em que se encontram as escolas e os hospitais em Portugal, após tantos anos de governação socialista, empurrando as pessoas para o privado.

Garantindo não pretender privatizar nada, Montenegro defendeu que o PSD não é de direita. "Não somos de direita, somos mais do centro, somos das pessoas, somos o partido das pessoas", afirmou.

Para os pensionistas, o líder da oposição avançou com uma proposta que disse ser "muito simples": até 2028, todo o pensionista terá um rendimento garantido de 820 euros por mês, assegurado pelo Estado, prometeu.

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados