Covid-19: Milhares de pessoas protestam contra o fecho de teatros e cinemas na Bélgica

Agência Lusa , DCT
26 dez 2021, 18:17
Milhares de pessoas protestam contra o fecho de teatros e cinemas na Bélgica
Milhares de pessoas protestam contra o fecho de teatros e cinemas na Bélgica

Algumas associações, como a Liga dos Direitos Humanos ou a Federação dos Funcionários das Artes Cénicas, anunciaram que vão apelar ao Conselho de Estado, que se realiza na próxima semana, para reverter estas medidas

PUB

Milhares de pessoas desfilaram este domingo pelo centro de Bruxelas, na Bélgica, contra o encerramento obrigatório das salas de espetáculo, cinema e teatro devido à nova variante Ómicron do vírus SARS-CoV-2.

Pelas ruas da capital, em clima de festa apesar do dia cinzento e chuvoso, cerca de 5.000 pessoas, segundo dados da polícia, responderam ao apelo de trabalhadores e artistas para protestar contra as medidas acordadas entre o governo e as regiões, na quarta-feira.

PUB

A Bélgica, que já tem medidas de contenção como o teletrabalho parcialmente obrigatório e o encerramento noturno de bares e restaurantes, proíbe a partir deste domingo grande parte das atividades culturais em espaços interiores à exceção de museus e bibliotecas.

Demos grande importância à solidariedade e temos feito todo o possível para poder trabalhar com mais segurança, fomos os primeiros a fechar e os últimos a reabrir, mas esta lotaria macabra já não é sobre saúde. Este é um jogo económico e político e, infelizmente, somos as vítimas mais fáceis", disse o ator Stany Crets.

PUB
PUB
PUB

Apesar da proibição, dezenas de salas permaneceram abertas, desobedecendo às autoridades, para receber o público militante em prol do setor.

A polícia pode-me prender, não tenho nada a perder”, disse ao jornal DH Les Sports o artista circense Alexandre Bouglione que, este Natal, montou uma sala de espetáculos numa praça do bairro de Bruxelas em Ixelles.

No entanto, a polícia desse município fez saber que não tinha este domingo intenção de controlar as aberturas e fechos dos espaços culturais porque planeava concentrar o seu efetivo no protesto.

Algumas associações, como a Liga dos Direitos Humanos ou a Federação dos Funcionários das Artes Cénicas, anunciaram que vão apelar ao Conselho de Estado, que se realiza na próxima semana, para reverter estas medidas.

O primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, cujo governo acordou as restrições com as regiões de Flandres, Valônia e Bruxelas, justificou esta decisão por prudência face à nova variante Ómicron, mais transmissível do que a Delta.

O objetivo é travar a propagação da Ómicron, gerir a pressão nos hospitais e garantir que as escolas vão abrir no dia 10 de janeiro, disse.

PUB
PUB
PUB

Na sexta-feira, o primeiro-ministro referiu que as restrições serão reavaliadas em janeiro.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados