Covid-19: Cientistas dizem que Ómicron é um "alerta da ameaça" do vírus

Agência Lusa , PF
24 dez 2021, 11:02
Ala de isolamento para infetados com a variante Ómicron na Índia (Ajit Solanki/AP)
Ala de isolamento para infetados com a variante Ómicron na Índia (Ajit Solanki/AP)

Os estudos imunológicos da resposta às injeções de reforço administradas seis meses depois da vacinação completa mostram “de forma uniforme a indução de quantidades muito elevadas de anticorpos neutralizantes”

PUB

O surgimento de variantes como a Ómicron é “um alerta da ameaça que significa” o SARS-CoV-2 e da importância das vacinas que, com a terceira dose, podem restaurar a eficácia em mais de 90%, face a doença grave. A conclusão consta numa análise publicada revista na Science.

O microbiólogo da Universidade de Cambridge Ravindra Gupta e o investigador do Scripps Research Translational Institute Eric Topol analisaram estudos recentes sobre infeções após a vacinação e sobre a eficácia das doses de reforço na proteção contra variantes, em especial a Delta.

PUB

Os autores recordam os elevados níveis de proteção das vacinas de ARN, como a Pfizer e a Moderna, contra a covid-19 sintomática, mas que diminui com o tempo, especialmente nas pessoas com mais idade e nas imunodeprimidas.

Os estudos indicam que o tempo é um factor-chave na diminuição da eficácia das vacinas e que a perda de proteção “provavelmente se amplificou pelo aumento da prevalência da variante Delta”, escrevem os cientistas.

Os estudos imunológicos da resposta às injeções de reforço administradas seis meses depois da vacinação completa mostram “de forma uniforme a indução de quantidades muito elevadas de anticorpos neutralizantes”.

PUB
PUB
PUB

Os autores citam um estudo realizado em Israel, onde mais de 1,1 milhões de pessoas com mais de 60 anos receberam um reforço de uma vacina de ARNm e se conseguiu restaurar uma eficácia de mais de 90% contra a covid-19 grave.

Apesar dos esforços serem importantes e poderem continuar a ser durante algum tempo, as intervenções não farmacêuticas, como o uso de máscaras e o distanciamento social, não só ajudam a reduzir os casos de covid-19, como também limitam a oportunidade de surgirem variantes que podem evadir a imunidade.

As novas variantes podem evoluir a partir da Delta, serem totalmente diferentes e, inclusive, “podem ser recombinações de variantes devido a infeções mistas dentro de hóspedes individuais”.

O dois especialistas referem-se, também, à variante B.1.1.529 (Ómicron), que vai ganhando terreno em todo o mundo e que apresenta múltiplas mutações.

A continuidade da transmissão do coronavírus em populações muito vacinadas “sublinha a necessidade de ampliar a vacinação em todos os grupos etários, mantendo ao mesmo tempo as medidas não farmacológicas, como o uso de máscaras”, consideram Gupta e Topol.

PUB
PUB
PUB

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Covid-19

Mais Covid-19

Patrocinados