Entrega de prémio Camões a escritora moçambicana será anunciado "muito em breve", garante Adão e Silva

Agência Lusa , DCT
24 abr 2023, 17:11
Paulina Chiziane

A escritora moçambicana Paulina Chiziane foi a vencedora do Prémio Camões 2021

O ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, prometeu esta segunda-feira de manhã, em Lisboa, antes da entrega do Prémio Camões a Chico Buarque, que anunciará "muito em breve" a entrega do mesmo galardão à escritora moçambicana Paulina Chiziane.

"Hoje é motivo de grande satisfação, porque desbloqueamos a entrega dos prémios Camões”, afirmou Pedro Adão e Silva, lembrando que “há quatro prémios Camões para entregar por força da não entrega do prémio ao Chico Buarque”, à margem de um evento com a sua homóloga brasileira, na sede da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) em Lisboa.

Por isso, para Pedro Adão e Silva é um dia de “grande emoção e de grande significado, que corresponde a um virar de página nesta relação [entre o Brasil e Portugal no domínio da Cultura] e um fator de esperança”.

Mas também porque “não é só a entrega do prémio Camões ao Chico Buarque, com que isso significa para a língua portuguesa”, é que será também desbloqueada a entrega dos outros prémios atribuídos nos anos seguintes ao do músico e escritor brasileiro.

Assim, adiantou Adão e Silva, o próximo será entregue a Paulina Chiziane, "o que é muito significativo, que é termos uma escritora negra, moçambicana a receber o prémio Camões".

Mas não quis adiantar a data para a entrega, garantindo apenas que será anunciada "muito brevemente".

A escritora moçambicana Paulina Chiziane foi a vencedora do Prémio Camões 2021, numa escolha feita por unanimidade, anunciou a à data ministra portuguesa da Cultura, Graça Fonseca.

Dos contactos com a ministra da Cultura do Brasil, Margarette Meneses, o governante português disse que “foram quatro dias de muitos contactos e de retomar das relações bilaterais entre Portugal e o Brasil no domínio da Cultura”, o que para si “é um motivo de enorme alegria e satisfação”.

“A língua é o que nos une, mas não há uma língua portuguesa, como aliás no postal que acabaram de nos dar do José Saramago [escritor português], há línguas portuguesas e julgo que essa diversidade e pluralidade é um fator de riqueza do português e o que o torna uma língua universal. E isso é fundamental”, realçou.

Daqui para o futuro, o ministro da Cultura portuguesa defendeu voltar a haver um contacto entre os Ministério da Cultura do Brasil e de Portugal, para promover “essa diversidade e essa pluralidade e essa riqueza".

"Nós tivemos a oportunidade, num encontro mais formal que tivemos no sábado [dia da cimeira luso-brasileira], de falar de várias matérias e de assinar um acordo que para além daquele que existe no quadro da CPLP, ao qual também o Brasil agora se junta, permite um apoio às coproduções cinematográficas entre Portugal e o Brasil, que já existiu no passado e desde 2018 deixou de existir e não apoiou nenhum nova coprodução”, apontou.

Mas também garantiu que explorou “muitas outras ideias de partilha de experiências, mas também de iniciativas [com a sua homóloga brasileira], aproveitando também o facto de o Brasil presidir ao Mercosul no próximo semestre e pensando também naquilo que será o congresso ibero-americano de cultura, que acontecerá mais próximo do final do ano”.

Portanto, concluiu: “Foram uns dias muito produtivos”.

Quanto ao acordo para as coproduções cinematográficas assinada na cimeira luso-brasileira, que decorreu no sábado, Pedro Adão e Silva realçou que são “700 mil euros/ano” para projetos de coprodução, juntando o esforço de Portugal e do Brasil e que vai permitir promover e estimular essas iniciativas.

Relacionados

Livros

Mais Livros

Patrocinados