"É totalmente falso, infundado e injurioso": Pires de Lima nega ter autorizado compra de aviões acima do preço de mercado

Agência Lusa , BCE
4 abr 2023, 16:06
António Pires de Lima

António Pires de Lima, que era ministro da Economia quando avançou a privatização da TAP em 2015, disse prestou esclarecimentos sobre o negócio com a Atlantic Gateway de David Neeleman e Humberto Pedrosa

O antigo ministro da Economia António Pires de Lima disse ser falso e injurioso ter autorizado ou sido condescendente com a compra de aviões para a TAP acima do preço justo de mercado. 

O ex-ministro da Economia entre 2013 e 2015, durante o governo de Pedro Passos Coelho, falava durante uma audição parlamentar na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação no âmbito de um requerimento do PS quando negou qualquer responsabilidade na aquisição de aviões que tenha prejudicado a companhia área. 

“É totalmente falso, infundado e injurioso que o Governo, eu ou senhor secretário de Estado Sérgio Monteiro, tenhamos autorizado ou sido condescendentes com uma aquisição de aviões acima do preço justo de mercado”, afirmou. 

Em resposta ao que classificou como “amável” convite do PS para explicar “o alegado golpe, ou crime, com a compra de 53 aviões Airbus A320 e 330 Neo acima do preço de mercado”, António Pires de Lima mostrou-se convicto de que tal não aconteceu. 

“Os passos que o governo deu, as decisões que o governo tomou foram sempre assumidas no pressuposto, que nos foi garantido por escrito em documentação assinada, entre outros, pelo senhor Humberto Pedrosa [ex-acionistas], que não só a compra daqueles aviões eram os adequados para a execução do novo plano estratégico da TAP, como iriam ser adquiridos com um desconto de 4 a 5%”, justificou. 

O antigo governante sublinhou que este “desconto” significa menos 233 milhões de euros face ao preço justo de mercado. 

“Considero ainda também altamente improvável que tenhamos sido enganados e tenha havido qualquer golpe na TAP e os aviões tenham chegado acima do preço de mercado”, disse. 

Pires de Lima recordou ainda que, além de nove avaliações – três por modelo – realizadas por “entidades credíveis”, a compra dos novos aviões foi aprovada pelo Conselho de Administração da TAP e ratificada pelo Conselho Fiscal da empresa.

Relacionados

Empresas

Mais Empresas

Patrocinados