O pânico dos percevejos está a espalhar-se. Praga ou apenas paranóia alimentada por políticos, média e redes sociais? Eis o que é preciso saber

CNN , Blane Bachelor
14 out, 16:24
Percevejo (Associated Press)

O que precisa de saber sobre o pânico dos percevejos na Europa. E o que um viajante deve fazer.

A dermatologista Zeina Nehme, que vive em Beirute, no Líbano, diz que a sua clínica todos os Verões costuma ver uma série de casos em que os pacientes aparecem depois de terem sido mordidos por percevejos enquanto viajavam. No entanto, surpreendentemente, ela diz que nenhum caso se materializou este ano.

Não obstante, como qualquer outra pessoa que não viva debaixo de uma pedra, Nehme viu a enxurrada de manchetes e contas de redes sociais que documentam a paranoia por causa de percevejos em Paris, que eclodiu durante a Semana da Moda e desde então se espalhou para outras cidades, incluindo Londres.

Assim, durante a sua recente viagem à capital de França, Nehme decidiu embarcar numa espécie de experiência: ver uma das criaturas incómodas em primeira mão e usá-la como alimento para um vídeo nas redes sociais.

Mas Nehme diz que não encontrou nenhum parasita incómodo durante o seu fim de semana prolongado: nem no metro, nem nos restaurantes, nem no apartamento do 17e arrondissement onde ficou com uma amiga.

"Como sou dermatologista e publico muito na conta da minha clínica, achei que seria bom publicar um artigo sobre percevejos", conta ela à CNN. "Procurei ativamente encontrar alguém que tirasse fotografias e fizesse um reel. Nada."

Cynthia Starkey, uma advogada sediada em Phoenix, nos EUA, também esteve atenta aos bichos quando ela e a filha visitaram recentemente Paris, durante uma viagem de três meses a seis países na Europa. Mas, tal como Nehme, também não viram nenhum percevejo no seu Airbnb, nos transportes públicos ou noutro local.

Na verdade, segundo Starkey, a maior parte do pânico em relação à parte parisiense da sua viagem veio de amigos e familiares de outros lugares - como a sua irmã nos EUA, que lhe enviou uma mensagem de texto a dizer que tinha ouvido dizer que os Jogos Olímpicos de verão de 2024, que se realizariam em Paris, estavam a ser cancelados devido à situação dos percevejos.

"Eu pensei: 'Acho isso muito difícil de acreditar'", relata Starkey à CNN.

Na sequência de um aviso prévio que Starkey recebeu de um amigo jornalista que vive em part-time na Europa sobre a situação dos percevejos, a filha de Starkey, Mikayla, já tinha feito alguma pesquisa online.

"Ela disse: 'Estou a ver que este ano não é pior do que em qualquer outro ano e não estou preocupada'", afirmou Starkey. "Portanto, se ela não estava preocupada, eu também não estou."

Estes relatos contam uma história diferente daquela que é pintada pelos títulos dos tablóides que provocam comichão e pelas contas das redes sociais que mostram imagens de colchões e móveis infestados atirados para os becos.

De acordo com alguns entomologistas e viajantes, a realidade é um pouco mais matizada: embora os percevejos existam - e possam muito bem estar a ressurgir em centros turísticos como Paris, após mais um verão de grandes viagens - a situação atual, embora desagradável, parece consideravelmente mais exagerada na comunicação social do que fora de controlo no terreno.

"Espero que alguém tenha reparado nisso e, por uma razão ou outra, provavelmente na altura, porque era a Semana da Moda, as coisas certas alinharam-se e isso acabou por trazer isto para os média", diz Zach DeVries, professor assistente do departamento de entomologia da Universidade de Kentucky, nos EUA.

"Os percevejos, mais do que qualquer outra praga, chamam a atenção das pessoas, e penso que é mais provável que apenas tenha chamado a atenção [dos média], mais do que ser um surto real".

DeVries diz também que não aconselharia os viajantes a cancelar uma próxima viagem à Europa ou a qualquer outro lugar por causa de percevejos. No entanto, os viajantes podem usar as últimas manchetes como um lembrete para serem mais diligentes sobre o que os rodeia.

"É preciso estar ciente e consciente de que eles podem estar lá, mas não ser - não gosto de usar o termo paranoico - mas não ser paranoico, ao ponto de deixar de viajar ou fazer coisas", afirma DeVries. "É possível equilibrar as viagens com uma perspetiva saudável dos ambientes em que se está a entrar."

"'Não há razão para pânico geral"

Os relatos de percevejos em Paris começaram a surgir durante a Semana da Moda, de 25 de setembro a 3 de outubro, com alguns vídeos dos vermes a rastejar nos transportes públicos.

Os amantes de moda da cidade assustados começaram então a documentar as suas preocupações nas redes sociais, e os principais meios de comunicação social também começaram a agarrar na história. As autoridades de Paris não tardaram a entrar na conversa, prometendo tomar medidas e, tal como noticiado pelo jornal francês Le Monde, o Partido da Renascença do Presidente Emmanuel Macron prometeu, a 3 de outubro, apresentar um projeto de lei para combater o "flagelo" dos percevejos.

"Ninguém está a salvo", publicou o vice-presidente da Câmara Municipal de Paris, Emmanuel Grégoire, no X/Twitter, a 29 de setembro. "Perante uma infestação de percevejos, são necessárias medidas coordenadas que reúnam as autoridades sanitárias, as comunidades e todas as partes interessadas para prevenir o risco e agir eficazmente".

No meio de um pânico crescente entre os parisienses e os viajantes, o ministro da Saúde francês, Aurélien Rousseau, apelou à calma do público, afirmando que "não há razão para pânico geral" e que "a França não foi invadida por percevejos", numa entrevista de 3 de outubro ao canal francês France Inter.

No entanto, isso ainda não impediu que o medo - e não a infestação em si - se espalhasse por outros pontos de interesse europeus, nomeadamente Londres. Alguns viajantes começaram a manifestar a preocupação de que os insectos estivessem a apanhar boleia de Paris para a capital britânica no Eurostar.

Em declarações ao site PoliticsJoe, o presidente da Câmara de Londres, Sadiq Khan, classificou a situação como "uma verdadeira fonte de preocupação" e disse que as autoridades estavam a tomar medidas preventivas para evitar os problemas que Paris estava a enfrentar.

É difícil encontrar números exactos que documentem com precisão a situação. Uma estatística que tem sido amplamente divulgada nos meios de comunicação social provém de um inquérito da Anses, a Agência Francesa para a Segurança e Saúde Alimentar, Ambiental e Ocupacional, que afirma que mais de 1 em cada 10 lares franceses foi infestado por percevejos nos últimos cinco anos.

No entanto, como refere Joe Rominiecki, diretor sénior de comunicações da Entomological Society of America, "não se contextualiza muito bem essa situação nem se registam dados para este ano".

As provas anedóticas também são difíceis de quantificar.

"Tenho conversado com alguns colegas que vivem na Europa e alguns deles dizem-me: 'Sim, não é tão mau como o que se ouve' e outros dizem: 'Sim, é, os percevejos espalharam-se pela paisagem'", conta Richard Pollack, responsável sénior pela saúde pública ambiental dos Serviços do Campus de Harvard (Pollack referiu que não estava a falar em nome da sua entidade patronal). "Mas eu pergunto-me: qual é a base para esta proclamação?"

Além disso, os especialistas observam que o problema dos parasitas não se limita a Paris - basta perguntar a quem vivia em Nova Iorque em meados e finais dos anos 2000, quando um surto de percevejos na Big Apple foi notícia durante semanas - e que a situação pode ser facilmente exagerada nas notícias.

"Os percevejos tinham, de facto, ressurgido, mas não ao nível descrito nos média", diz Pollack, que regressou recentemente, livre de percevejos, de uma viagem de duas semanas aos Países Baixos, Bélgica, Luxemburgo, Alemanha e França. "Prevejo que os próximos Jogos Olímpicos em França possam, de alguma forma, estar a contribuir para o nível de reconhecimento, medo e fomento do medo."

Além de Londres, outros países da Europa Ocidental, facilmente acessíveis através de ligações ferroviárias a partir de Paris, incluindo os Países Baixos, têm estado atentos à situação. As autoridades de saúde pública holandesas disseram ao NL Times, um jornal de língua inglesa, que não parece haver atualmente qualquer sinal de infestação nos Países Baixos.

No entanto, na Bélgica, os médicos de Antuérpia estão a "soar o alarme" sobre a propagação de percevejos de Paris, segundo o The Brussels Times.

Entretanto, algumas companhias aéreas estão a tomar uma atitude proactiva. Numa declaração fornecida à CNN Travel, um porta-voz da Air France disse que não houve incidentes envolvendo percevejos nos voos nos últimos anos e que a companhia aérea segue protocolos rigorosos e recomendações da Organização Mundial de Saúde em termos de erradicação de insectos.

Além dos seus procedimentos normais de limpeza, a transportadora introduziu também um procedimento específico "para lidar com relatos de suspeita de presença de percevejos", que inclui a imobilização do avião e a realização de um tratamento químico por um "prestador de serviços acreditado".

Manter as malas fora do chão é uma forma de proteção contra os percevejos. Jupiterimages/Stockbyte/Getty Images

Precauções que os viajantes podem tomar

Há uma possível vantagem de toda a recente onda de preocupação com percevejos: é um lembrete para os viajantes começarem a tomar medidas adicionais para se manterem o mais seguros possível no que diz respeito a estes pequenos insectos.

Os especialistas recomendam uma verificação minuciosa dos quartos de hotel, mantendo-se atentos a sinais reveladores como marcas castanho-avermelhadas (que provêm de insectos esmagados e alimentados com sangue) ao longo das costuras dos colchões e outras superfícies macias. Outra medida sensata é manter a sua mala num suporte de bagagem, acima do chão.

Um cheiro desagradável é outra indicação potencial de uma infestação, uma vez que os percevejos comunicam através da libertação de químicos que deixam um "odor doce ou a mofo", de acordo com a American Academy of Dermatology Association.

Os viajantes que suspeitem de uma infestação devem tirar fotografias e comunicar imediatamente o facto ao pessoal do hotel. Se tiver de cancelar uma reserva, o seguro de viagem também pode ser útil, mas não se esqueça de ler previamente as letras pequenas para ver o que está coberto. Mas, como refere a Citizens Advice, uma organização de defesa dos direitos do consumidor sediada no Reino Unido, na sua secção sobre percevejos: "Se não se queixou dos percevejos na altura, é muito difícil pedir uma indemnização mais tarde."

Não se esqueça também de manter o esforço quando regressar a casa. Se possível, guarde a sua mala longe das áreas habitáveis (Pollack guarda a sua na cave depois de uma viagem), e lave e seque a sua roupa em ciclos de alta temperatura. Para as que não pode lavar, o vapor e o congelamento (sim, pode atirá-las diretamente para o congelador, mas não se esqueça de as colocar primeiro num saco de plástico, aconselha a Orkin Canada) também devem ser suficientes.

Alguns viajantes estão a levar as suas precauções ainda mais longe, como um utilizador das redes sociais que recentemente partilhou um vídeo no TikTok de si próprio a usar um fato de hazmat da cabeça aos pés - à la Naomi Campbell num avião - num comboio Eurostar, proclamando "os percevejos não me vão apanhar".

E para outros, não há medida imaginável que os fizesse sentir confortáveis ao fazer uma viagem até um local com casos documentados.

Colleen Oakley, uma romancista de Atlanta, EUA, disse à CNN que "não viajaria de forma alguma" para Paris neste momento, com base na sua experiência "horrível" com os bichos rastejantes em 2006. Oakley e a amiga com quem vivia tiveram de desocupar o seu subaluguer no bairro de West Village, em Nova Iorque, e ficar num hotel durante três semanas enquanto o apartamento era tratado.

"Sofri de stress pós-traumático durante anos", disse ela. "Os percevejos são difíceis de eliminar - é demorado, caro e, durante semanas, nunca tive a certeza de os ter apanhado a todos, pelo que acordava ansiosa a meio da noite. Parece uma parvoíce ter ataques de pânico por causa de insectos, mas são criaturas realmente invasivas. Definitivamente não vale a pena, pelo menos para mim, para umas férias."

Viagens

Mais Viagens

Na SELFIE

Patrocinados