Saiba tudo sobre o Euro aqui

Revelada a verdadeira aparência de Ötzi, o Homem do Gelo

CNN , Katie Hunt
18 ago 2023, 12:53
Otzi o homem-gelo Fotos South Tyrol Museum of Archaeology

Nova análise de ADN permite descoberta: Ötzi provavelmente tinha pele e olhos escuros - e era careca.

Ötzi, o Homem do Gelo, cujos restos mortais congelados foram encontrados numa ravina no alto dos Alpes tiroleses por caminhantes em 1991, é talvez o cadáver mais estudado do mundo.

O mistério da sua morte violenta, de quem era ele e de como foi parar a um desfiladeiro de montanha despertou um fascínio que ultrapassa em muito o campo da arqueologia. Todos os anos, milhares de pessoas visitam a sua múmia, guardada numa câmara frigorífica especial no Museu de Arqueologia do Tirol do Sul, em Bolzano, Itália.

Um novo estudo do ADN antigo extraído da pélvis de Ötzi sugere que ele ainda tem alguns segredos para revelar. A análise da sua composição genética revelou que a múmia de 5300 anos tinha pele e olhos escuros - e era provavelmente careca. Este facto contrasta com a reconstrução de Ötzi, que mostra um homem de pele clara, com cabelo e barba.

"Anteriormente, pensava-se que a sua pele tinha escurecido durante o processo de mumificação", disse Albert Zink, diretor do Instituto de Estudos de Múmias da Eurac Research, um centro de investigação privado com sede em Bolzano.

"Parece que a cor escura da pele da múmia é muito próxima da cor da pele do Homem do Gelo durante a sua vida", disse Zink, que é coautor do estudo publicado na quarta-feira na revista científica Cell Genomics.

Não é assim tão surpreendente que Ötzi tivesse a pele escura, disse Zink por correio eletrónico, referindo que muitos europeus dessa época tinham provavelmente uma pigmentação de pele mais escura do que muitos europeus atuais.

"Os primeiros agricultores europeus ainda tinham uma pele bastante escura, que mudou com o tempo para uma pele mais clara, como adaptação às mudanças no clima e na dieta dos agricultores. Os agricultores consomem muito menos vitamina D na sua dieta do que os caçadores-recolectores", explicou.

"Parece que o Homem do Gelo ainda consumia bastante carne, o que também foi confirmado pela nossa análise do seu estômago, que mostra a presença de carne de íbex e de veado", acrescentou.

O corpo mumificado de Ötzi é talvez o achado arqueológico mais estudado do mundo. Museu de Arqueologia do Tirol do Sul/Eurac/Marco Samadelli-Gregor Staschitz

Johannes Krause, coautor do estudo de Zink e diretor do departamento de arqueogenética do Instituto Max Planck de Antropologia Evolutiva, em Leipzig, na Alemanha, afirmou que os resultados sugerem que o Homem do Gelo se parecia em vida muito mais com a múmia.

"É notável como a reconstrução é enviesada pelo nosso próprio preconceito de um humano da Idade da Pedra da Europa", disse Krause num comunicado.

Embora a análise do ADN antigo sugira que Ötzi tinha calvície de padrão masculino, não é possível ter a certeza de até que ponto perdeu cabelo durante a sua vida, disse o arqueólogo Lars Holger Pilø, co-diretor do projeto Segredos do Gelo na Noruega. Pilø estudou Ötzi, mas não participou na investigação mais recente.

"Ötzi pode muito bem ter sido calvo por razões genéticas, mas a calvície quase completa que ele tem agora é, na minha opinião, mais provável de ter acontecido depois da sua morte", disse Pilø.

"Os pêlos da pele caem frequentemente durante a permanência (do corpo) dentro e fora do gelo (e por vezes na água) à medida que a epiderme se decompõe."

Genoma detalhado fornece informações mais precisas

De acordo com o estudo, o genoma sequenciado a partir do ADN retirado da pélvis de Ötzi é mais completo do que um genoma anterior que foi reunido em 2012, quando o campo do ADN antigo ainda estava a dar os primeiros passos. A investigação mais recente também ajuda a esclarecer um enigma sobre a ascendência de Ötzi, disse Pilø.

"A aplicação de novos métodos faz de Ötzi uma bem científico que não pára de dar", acrescentou Pilø.

O novo estudo mostra que este resultado inicial se deveu provavelmente à contaminação por ADN humano moderno.

"O avanço das tecnologias de sequenciação permitiu-nos gerar um genoma de alta cobertura do Homem do Gelo. Isto permitiu-nos obter resultados mais exactos", afirmou Zink.

Este é o local da descoberta de Ötzi nos Alpes italianos. Museu de Arqueologia do Tirol do Sul/Dario Frasson

O genoma também parece excluir uma afinidade genética anteriormente proposta entre Ötzi e os atuais sardos.

Quando os investigadores do novo estudo compararam o genoma de Ötzi com o de outros seres humanos antigos, descobriram que ele tinha mais em comum com os primeiros agricultores da Anatólia - do que é agora a Turquia - que não tiveram muita interação com os seus contemporâneos europeus caçadores-recolectores.

"Não altera completamente o nosso conhecimento sobre o Homem do Gelo, mas torna algumas coisas mais claras", explicou Zink. "Mostra que o Homem do Gelo viveu muito provavelmente numa área relativamente isolada, com um contacto limitado com outras populações e um baixo fluxo genético de populações relacionadas com a caça-coleção-ancestralidade."

Quase todas as partes de Ötzi e dos seus pertences foram analisadas, pintando uma imagem íntima da vida há 5.300 anos.

O conteúdo do estômago forneceu informações sobre a sua última refeição e a sua proveniência, as suas armas revelaram que era destro e as suas roupas deram uma visão rara do que as pessoas da antiguidade vestiam. Zink disse que a equipa espera descobrir mais pormenores, como a composição do seu microbioma.

Um perito humidifica a múmia de Ötzi no Museu de Arqueologia do Tirol do Sul. Museu de Arqueologia do Tirol do Sul/Marion Lafogler

Não é a primeira vez que um capítulo da fascinante história de Ötzi é reescrito, disse Pilø.

Inicialmente, pensava-se que Ötzi tinha morrido congelado, mas uma radiografia de 2001 revelou uma ponta de seta no seu ombro, que terá sido fatal. Ele tinha também um ferimento na cabeça, possivelmente sofrido na mesma altura, e a sua mão direita apresentava uma ferida de defesa.

"Toda a história do Homem de Gelo é intrigante, incluindo o mistério da sua morte violenta (...) e a questão de saber porque é que ele estava lá em cima nas altas montanhas quando foi morto", disse Zink.

 

Imagem no topo: reconstrução de Ötzi, o Homem de Gelo, em exposição no Museu de Arqueologia do Tirol do Sul. Foto Museu de Arqueologia do Tirol do Sul/Ochsenreiter

Europa

Mais Europa

Patrocinados