PCP diz que proposta do Orçamento do Estado "não responde" a problemas centrais

Agência Lusa , BCE
11 abr, 12:27
Líder parlamentar do PCP, Paula Santos, na Assembleia da República (António Cotrim/Lusa)

A líder parlamentar do PCP criticou o Governo por manter “a centralidade na obsessão da redução do défice e na transferência dos custos do agravamento do custo de vida para os trabalhadores e o povo"

O PCP considerou esta segunda-feira que a proposta de Orçamento do Estado para 2022 "não responde" aos problemas "centrais", como o aumento de salários e pensões, e acusou o Governo de manter a "obsessão da redução do défice".

"Ao que tudo indica a proposta que o Governo está a preparar de Orçamento do Estado para 2022 não responde às questões centrais no nosso país, os problemas que afetam os trabalhadores e o povo", começou por dizer a líder parlamentar do PCP aos jornalistas na Assembleia da República.

Paula Santos defendeu a "necessidade urgente de aumentar os salários e as pensões para melhorar as condições de vida, mas também travar o aumento do custo de vida, nomeadamente combater os preços especulativos que hoje afetam não só os combustíveis e a energia, mas também um conjunto de bens alimentares e que exige a adoção de medidas".

Na ótica do PCP, essas medidas devem passar pelo "controlo e a fixação de preços máximos, de forma a combater não só esses preços especulativos, mas também impedir que a guerra e as sanções, tal como a epidemia, estejam a ser o pretexto por parte dos grupos económicos para acumular lucros à custa do empobrecimento dos trabalhadores e do povo".

Comunistas critica "agravamento do custo de vida para os trabalhadores"

Em declarações aos jornalistas no final de uma reunião com o executivo para conhecer as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2022, a deputada Paula Santos criticou que o Governo mantenha “a centralidade na obsessão da redução do défice e na transferência dos custos do agravamento do custo de vida para os trabalhadores e o povo".

"E o PCP considera que é necessário romper com este caminho e é necessária uma resposta que efetivamente resolva os problemas" que afetam os portugueses, defendeu a líder parlamentar comunista.

A ministra adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, e a equipa do Ministério das Finanças, liderada por Fernando Medina, estão esta manhã a apresentar as linhas gerais do Orçamento do Estado para 2022 aos grupos parlamentares e deputados únicos na Assembleia da República.

Relacionados

Novo Dia CNN

5 coisas que importam

Dê-nos 5 minutos, e iremos pô-lo a par das notícias que precisa de saber todas as manhãs.
Saiba mais

Partidos

Mais Partidos

Patrocinados