Produção de petróleo da OPEP em agosto inferior ao acordado

Agência Lusa , PF
13 set, 14:37
Sistema de extração de petróleo (AP Photo/Matthew Brown, File)

Dados divulgados revelam as crescentes dificuldades técnicas enfrentadas pela maioria dos países produtores para aumentar os fornecimentos

A produção de petróleo da OPEP, excluindo Irão, Venezuela e Líbia, em agosto foi de novo inferior ao acordado, ao atingir 25.278 milhões de barris por dia, menos 1,4 milhões de barris do que a quota conjunta estabelecida.

A informação foi divulgada no relatório mensal de setembro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), divulgado esta terça-feira em Viena.

Por outro lado, os analistas do grupo mantiveram inalteradas as estimativas de procura de petróleo feitas há um mês, com base numa visão cautelosamente otimista da economia mundial.

No acordo celebrado em finais de junho com a Rússia e outros nove produtores independentes da aliança OPEP+, que viu um aumento global de 648.000 barris por dia, os parceiros da organização comprometeram-se a bombear juntos 26.689 milhões de barris por dia em agosto.

Mas os dados divulgados, baseados em estimativas de vários institutos independentes, revelam as crescentes dificuldades técnicas enfrentadas pela maioria dos países produtores para aumentar os fornecimentos.

Particularmente atingidos foram a Nigéria, cujas extrações caíram no mês passado 65.000 barris por dia para 1,1 milhões de barris por dia, quando a quota atribuída é de 1,8 milhões de barris por dia, e Angola (com uma produção de 1,19 milhões de barris por dia contra uma quota de 1,52 milhões de barris por dia).

Apesar disto, a OPEP no seu conjunto conseguiu aumentar o fornecimento de petróleo em 618.000 barris por dia em comparação com julho, graças principalmente aos 426.000 barris adicionais por dia fornecidos pela Líbia, um país que juntamente com a Venezuela (678.000 barris) e o Irão (2,57 milhões de barris por dia) estão isentos do compromisso de limitar os fornecimentos.

No total, os treze parceiros produziram 29,65 milhões de barris por dia, um volume superior aos 28,9 milhões de barris por dia que a própria OPEP estima ser o nível médio de procura exigido por este grupo, enquanto a oferta rival ascenderia a 65,8 milhões de barris por dia este ano.

Este último número está sujeito a uma previsão relativamente favorável para a indústria petrolífera russa apesar das sanções impostas pelo Ocidente por ter invadido a Ucrânia, que incluem um embargo petrolífero parcial e progressivo.

Relativamente à procura global, a OPEP manteve inalteradas as estimativas de um mês atrás e prevê um consumo médio de 100,03 milhões de barris por dia este ano (mais 3,2% do que em 2021) e 102,73 milhões de barris por dia em 2023.

Economia

Mais Economia

Patrocinados