Este país eliminou finalmente a última das suas restrições à covid

CNN , Chris Lau
17 ago 2023, 09:00
Chris Hipkins (Associated Press)

Foi das nações com restrições mais fortes, agora finalmente levantadas na totalidade.

A Nova Zelândia aboliu as últimas restrições impostas pela pandemia de Covid-19 esta terça-feira, pondo fim a uma das políticas mais rigorosas do mundo, uma vez que, segundo o governo, a taxa de mortalidade no país foi muito inferior à de muitas outras nações.

A ministra da Saúde, Ayesha Verrall, disse que a nação insular pôs fim, a partir da meia-noite de terça-feira, à regra de isolamento obrigatório de sete dias para aqueles que testam positivo para o coronavírus, bem como às máscaras obrigatórias nas instalações de cuidados de saúde.

A Nova Zelândia foi uma espécie de país-exemplo de como as nações poderiam defender-se com sucesso do coronavírus quando ele atingiu pela primeira vez em 2020, ordenando bloqueios antecipados e medidas de fronteira rígidas.

A estratégia inicial de zero Covid reduziu significativamente o impacto inicial do surto de coronavírus, poupando à Nova Zelândia as mortes generalizadas e os sistemas de saúde sobrecarregados observados em grande parte do globo, incluindo nos Estados Unidos.

Mas também manteve a nação insular fechada a nível internacional e tornou-se cada vez mais impopular à medida que as regras se arrastavam e afectavam a economia.

"Tem sido um longo caminho, mas graças a muito trabalho árduo, a abordagem da Nova Zelândia em relação à COVID-19 passou de uma resposta de emergência para uma gestão sustentável a longo prazo", disse Verrall num comunicado na segunda-feira.

"Embora o nosso número de casos continue a flutuar, não vimos os picos dramáticos que caracterizaram as taxas de Covid-19 no ano passado", acrescentou o ministro da Saúde.

A Covid colocou consideravelmente menos pressão sobre o sistema de saúde neste inverno, a atual estação da Nova Zelândia, com casos representando apenas 2,2% das internações hospitalares recentes, de acordo com o governo.

"Isso, juntamente com os níveis de imunidade da população, significa que o Gabinete e eu estamos informados de que estamos posicionados para remover com segurança os requisitos restantes do COVID-19 ", disse Verrall.

Mas aqueles que estão "indispostos ou testaram positivo para Covid-19" são aconselhados a ficar em casa por cinco dias, acrescentou.

Verrall sublinhou ainda que as máscaras faciais continuam a ser um meio importante para evitar a propagação de doenças respiratórias nas instalações de cuidados de saúde e de cuidados a deficientes.

O primeiro-ministro, Chris Hipkins, considerou a medida um "marco significativo".

"A unidade da resposta neozelandesa e os sacrifícios que foram comuns contribuíram para os milhares de vidas que foram salvas", afirmou durante uma conferência de imprensa na segunda-feira.

Hipkins disse que 3.249 neozelandeses morreram devido ao coronavírus, entre os 5,1 milhões de habitantes do país.

"Se a Nova Zelândia tivesse tido uma taxa de mortalidade por Covid-19 semelhante à dos Estados Unidos, estaríamos a registar cerca de 15.000 mortes por Covid", argumentou.

Os controlos rigorosos não foram isentos de custos políticos para o Partido Trabalhista da Nova Zelândia, no poder.

O sucesso inicial foi liderado pela sua antecessora, Jacinda Ardern, e à medida que as duras restrições se foram arrastando, a frustração pública aumentou devido aos seus impactos, que separaram famílias durante meses e excluíram quase todos os estrangeiros.

Os prolongados confinamentos e mandatos de entrada em vigor da Covid levaram a cenas alarmantes na capital do país, Wellington, em março passado, quando manifestantes acampados durante semanas à porta do Parlamento incendiaram tendas, colchões e cadeiras, numa altura em que o país se debatia com a ansiedade económica e o aumento do custo de vida.

O apoio a Ardern e ao Partido Trabalhista caiu a pique em 2022, antes de ela anunciar a sua súbita decisão de se demitir em janeiro, alegando falta de energia para continuar.

Enquanto ministra da Saúde durante grande parte da pandemia, Hipkins esteve intimamente associada aos controlos de zero Covid.

A Nova Zelândia vai a votos em outubro e os trabalhistas enfrentam um forte desafio do Partido Nacional, de centro-direita.

O país reabriu gradualmente as suas fronteiras ao longo de 2022, invertendo o controlo rigoroso instaurado em março de 2020 para manter os estrangeiros afastados e limitar as possibilidades de regresso dos cidadãos.

Num plano de cinco etapas, o país começou por permitir que os cidadãos regressassem a casa antes de acolher o regresso de um turismo generalizado.

Nas últimas três semanas, o país foi co-anfitrião do Campeonato do Mundo de Futebol Feminino de 2023, juntamente com a Austrália.

Relacionados

Covid-19

Mais Covid-19

Mais Lidas

Patrocinados