Autoridades de Nova Iorque recomendam aos residentes que poupem água nas "próximas semanas"

Agência Lusa , BCE
16 ago, 23:58
Arranha-céus em Nova Iorque, Manhattan, Estados Unidos da América. 9 junho 2022. Foto: Gary Hershorn/Getty Images

Esta vigilância é ativada segundo um índice que mede os níveis de precipitação, bem como os de lagos, reservas, rios e correntes subterrâneas

As autoridades nova-iorquinas recomendaram esta terça-feira aos residentes que poupem água, quando se verifica uma seca quase inédita na maior parte do Estado, com algumas cidades especialmente afetadas pela falta de chuva, como a ‘Big Apple’.

A governadora, Kathy Hochul, declarou o nível de ‘vigilância’ devido à seca – o primeiro de quatro níveis de alerta – em quase todos os condados do Estado, o que não implica restrições, e aconselhou os cidadãos a conservar água nas “próximas semanas”, no caso dos que dependem de recursos privados.

Esta vigilância é ativada segundo um índice que mede os níveis de precipitação, bem como os de lagos, reservas, rios e correntes subterrâneas, indicou-se em comunicado.

Segundo um mapa oficial, apenas estavam fora desta classificação a zona mais a norte do Estado e a área metropolitana da cidade de Nova Iorque, se bem que os serviços meteorológicos tenham posto a cidade na categoria de seca ‘grave’ pela primeira vez em 20 anos, devido à falta de chuva.

Os Estados vizinhos de Nova Jérsia e Connecticut também estão a sofrer níveis diferentes de seca, depois de um dos verões mais secos de que há memória, o que levou as autoridades a pedir contenção com a água e cuidado com o fogo.

Na terça-feira, o governo federal anunciou que a seca histórica no oeste continua a esvaziar o Lago Mead, a maior reserva artificial de água dos EUA, que está a 27% da capacidade, e avisou que os Estados do Arizona e Nevada vão ter de reduzir o uso da água do rio Colorado.

Relacionados

E.U.A.

Mais E.U.A.

Patrocinados