Proibição de mangueiras, lavar carros, regar jardins, encher piscinas. Em Inglaterra já está a acontecer (e pode faltar comida no Inverno)

CNN , Angela Dewan
12 ago, 20:11
Seca em Inglaterra

Partes da Inglaterra entram oficialmente em seca depois de meses de escassa precipitação. Se o próximo Inverno for seco, a segurança alimentar do Reino Unido poderá estar em risco

Grandes zonas de Inglaterra entraram oficialmente em seca, anunciaram as autoridades a sexta-feira, exortando os residentes e empresas das zonas afetadas a conservar a água no Verão mais seco dos últimos 50 anos.

A Agência do Ambiente anunciou que o sul, sudoeste e sudeste de Inglaterra estão em seca, juntamente com as regiões centrais e orientais, após ter convocado o Grupo Nacional da Seca, composto por companhias de água, ministros e outras autoridades hídricas. Partes da capital, Londres, são também afetadas.

O Reino Unido tem tido cinco meses consecutivos de precipitação abaixo da média e ondas de calor sucessivas, com temperaturas, que deverão atingir um pico no sábado, de 37 graus Celsius em algumas partes. Desde o início de 2021, só em dois meses é que se atingiram os níveis de precipitação média.

O sul de Inglaterra teve apenas 17% da sua precipitação média em julho, de acordo com o gabinete da UK Met.

"Estamos atualmente a viver uma segunda vaga de calor depois daquele que foi o mês de julho mais seco de que há registo em algumas partes do país. O Governo e outros parceiros, incluindo a Agência do Ambiente, já estão a tomar medidas para gerir os impactos", disse o ministro da Água do país, Steve Double, em comunicado. "Todas as empresas de água nos garantiram que os abastecimentos essenciais ainda são seguros, e deixámos claro que é seu dever manter esses abastecimentos".

Enquanto a falta de chuva e o calor estão a conduzir esta seca, cerca de 3,1 mil milhões de litros de água perdem-se todos os dias em Inglaterra e no País de Gales através de fugas nas suas infraestruturas envelhecidas. Grupos de consumidores e peritos apelaram às companhias de água para fazerem mais para colmatar as fugas.

A Agência do Ambiente afirmou na sua declaração que o governo esperava que as companhias de água "reduzissem as fugas e reparassem as condutas o mais rapidamente possível e tomassem medidas mais amplas juntamente com a política governamental".

Vários rios em toda a Inglaterra têm vindo a secar em algumas partes, incluindo o Tamisa, que atravessa Londres. As autoridades têm estado a reoxigenar rios e a resgatar peixes onde os níveis são baixos. Os níveis de água nos reservatórios estão também a descer rapidamente.

A declaração de seca significa que as companhias de água e os governos devem implementar planos de seca sem pedir autorização aos ministros. É provável que as empresas imponham mais proibições de uso de mangueiras, que já estão em vigor para milhões de pessoas, obrigando-as a regar jardins e a lavar carros sem mangueiras, e a absterem-se de encher piscinas durante a onda de calor em curso. As empresas poderiam também retirar mais água dos rios e outras fontes para assegurar o abastecimento.

O anúncio de sexta-feira coloca a área declarada sob alerta amarelo de seca, o que significa que vários indicadores - incluindo precipitação, níveis e caudais dos rios, armazenamento de reservatórios e níveis de águas subterrâneas - são muito baixos.

Treze rios que a Agência do Ambiente monitoriza como indicadores de condições mais amplas estão nos níveis mais baixos jamais registados, enquanto a humidade do solo é comparável ao final da seca de 1975-76, uma das mais severas no país. Essa seca foi também desencadeada por uma combinação de calor extremo e meses consecutivos de baixa pluviosidade.

O alerta amarelo está um nível abaixo do alerta vermelho, mais severo, e significa que é provável que haja stress nas fontes de abastecimento de água, redução dos rendimentos agrícolas e das colheitas, incêndios localizados e impactos na vida selvagem e seus habitats, de acordo com um relatório anterior da Agência do Ambiente.

O Corpo de Bombeiros de Londres também alertou para as condições de "caixa seca" esta semana e "risco de incêndio excecional" em toda a capital, uma vez que se espera que as temperaturas atinjam 36 graus Celsius no sábado, e como a relva - desde relvados a parques públicos e charnecas - está seca e castanha sem a habitual precipitação. Partes da capital, incluindo casas e parques, foram atingidas por incêndios no dia 19 de julho durante uma onda de calor que bateu recordes.

Crescem as preocupações com a segurança alimentar

O Reino Unido experimenta normalmente condições de seca de cinco em cinco ou de dez em dez anos em algumas áreas. O Centro de Ecologia e Hidrologia afirmou que as condições de seca poderão continuar pelo menos até outubro. A agência apenas olha para alguns meses à frente, e os cientistas do clima alertaram que, se este próximo Inverno também for seco, como no Inverno passado, a segurança alimentar do Reino Unido poderá estar em risco.

Liz Bentley, CEO da Royal Meteorological Society, disse que já existiam preocupações sobre o impacto da seca no fornecimento de alimentos e na acessibilidade económica.

"Há uma série de culturas que estão realmente a lutar devido à falta de chuva, tal como a cultura da batata, e não costumam levar água de qualquer outro lugar para irrigar os campos. E mesmo algumas das outras culturas que retiram água dos rios, por exemplo, para irrigar os campos, estão realmente a lutar neste momento", disse Bentley à CNN.

"Mesmo nas condições atuais, os rendimentos vão baixar para uma série de culturas e o preço destas coisas vai subir, e obviamente isso deve-se à seca aqui no Reino Unido. Mas há outras coisas a acontecer em toda a Europa".

Cerca de 63% das terras em toda a União Europeia e no Reino Unido estão sob avisos ou alertas de seca emitidos pelo European Drought Monitor, o que significa que há uma humidade inadequada no solo. Trata-se de uma área quase do tamanho da Índia, ou dos três maiores estados dos EUA - Alasca, Texas e Califórnia - combinados. Em 17% da terra, as condições de seca são mais severas, o que significa que a vegetação está sob tensão.

Os especialistas advertem que a seca pode continuar no Outono, ou mesmo no Inverno, que é quando a nação normalmente consegue que a maior parte da sua chuva seja armazenada para as partes mais secas do ano. Outro Inverno seco colocaria ainda mais stress na segurança alimentar.

"Vai continuar até ao Outono e depois, na verdade, não sabemos para lá disso. Depende de vermos alguma precipitação significativa - uma boa precipitação constante que reabasteça os níveis de água", disse Bentley. "O que não queremos neste momento são chuvas fortes e estrondosas, porque o solo está tão seco que a água simplesmente escorre. Nem sequer se embebe no solo".

Clima

Mais Clima

Patrocinados