Líder da claque Juve Leo entrega-se para cumprir pena de seis anos e quatro meses

Agência Lusa , AG
15 fev, 20:38
Bruno de Carvalho à entrada do Tribunal do Monsanto para a leitura do acórdão do processo do ataque à academia do Sporting (António Pedro Santos/LUSA)

Mustafá foi condenado pelo envolvimento e preparação dos assaltos a uma residência no Atrium Cascais

O líder da claque Juventude Leonina, Nuno Mendes (Mustafá), entregou-se hoje no Estabelecimento Prisional de Sintra para cumprir a pena de seis anos e quatro meses a que foi condenado, em 2019, num processo de assaltos a residências.

A informação foi avançada à agência Lusa por fonte judicial, acrescentando que “o arguido se entregou voluntariamente” na cadeia de Sintra, acompanhado pelo seu advogado Rocha Quintal.

Após o acórdão proferido pelo Tribunal de Cascais, em 6 de dezembro de 2019, Mustafá e outros arguidos condenados foram apresentando recursos, sempre rejeitados pelos tribunais superiores, e a decisão transitou em julgado.

Desde novembro de 2023 que havia um mandado de detenção em nome de Nuno Mendes.

Neste processo, o Tribunal de Cascais condenou igualmente, a sete anos e meio de prisão, o antigo inspetor da Polícia Judiciária Paulo Pereira Cristóvão, que também se entregou voluntariamente no início do mês na cadeia de Évora para cumprir a pena.

O julgamento contou com mais 14 arguidos (incluindo três agentes da PSP), 12 dos quais condenados a penas efetivas entre os quatro anos e meio e os 17 anos de prisão.

Um dos agentes, Elói Fachada, foi condenado a 16 anos de prisão, outro, Luís Conceição, a 17 anos, e uma agente da PSP, Telma Freitas, foi condenada a uma pena suspensa de três anos e cinco meses.

Pereira Cristóvão e Mustafá foram condenados pelo envolvimento e preparação dos assaltos a uma residência no Atrium Cascais, em 27 de fevereiro de 2014, e a uma outra na Avenida do Brasil, em Lisboa, em abril desse ano, do qual acabaram por não levar dinheiro.

Quanto ao assalto à residência no Cascais Atrium, o coletivo de juízes deu como provado, “praticamente na integra os factos” que constam na acusação do Ministério Público, nomeadamente a participação “efetiva” de Paulo Pereira Cristóvão. Ficou ainda provado que um dos agentes PSP, que entrou na residência, ameaçou e apontou armas de serviço às vítimas.

Para o Tribunal de Cascais ficou provado que os arguidos retiraram 145 mil euros de um cofre que o proprietário tinha em casa, apesar de os arguidos, que receberam entre 7.500 e dez mil euros cada um, terem dito em julgamento que do assalto levaram 80 mil euros.

Quanto aos restantes 65 mil euros, a presidente do coletivo de juízes afirmou, aquando da leitura do acórdão, “que se desconhecia o paradeiro” desse valor.

O segundo assalto, em abril de 2014, foi a uma residência em Lisboa, que pertenceria a um alegado burlão do banco BPN que estaria em dívida para com o arguido Celso Augusto e que guardaria dinheiro debaixo do soalho da habitação, mas os assaltantes ligados a 'Mustafá' não encontraram qualquer dinheiro.

Crime e Justiça

Mais Crime e Justiça

Patrocinados