Governo do Catar desagradado com declarações "hostis" de altos responsáveis de Portugal

23 nov, 20:03
Trabalhadores no Catar (AP)

Embaixador português em Doha foi chamado pelo vice-primeiro-ministro do emirado, que lhe disse que tais declarações não são aceitáveis

O embaixador português em Doha, no Catar, Paulo Pocinho, foi chamado pelo vice-primeiro-ministro do país para lhe mostrar o desagrado das autoridades locais perante as declarações consideradas "hostis" de altos responsáveis de Portugal, nomeadamente do Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e do primeiro-ministro, António Costa.

De acordo com as informações recolhidas pela TVI/CNN Portugal, o vice-primeiro-ministro do emirado declarou que essas manifestações contra o país não são aceitáveis e que só não serão tomadas atitutes mais drásticas em nome da histórica amizade que une os dois países.

Contactado pela CNN Portugal, o Ministério dos Negócios Estrangeiros limita-se a confirmar "que o embaixador de Portugal em Doha esteve, conforme prática habitual, no Ministério dos Negócios Estrangeiros do Qatar, no quadro da preparação da deslocação do sr. Presidente da República Portuguesa ao país, por ocasião do Campeonato Mundial de Futebol".

Marcelo Rebelo de Sousa, depois de ser bastante criticado por ir ao Catar assistir ao primeiro jogo da Seleção no Mundial, explicou que Portugal mantém “relações diplomáticas com a maioria dos Estados do mundo e a esmagadora não é democrática” e garantiu que vai falar sobre a questão dos direitos humanos quando estiver no Catar.

O primeiro-ministro, António Costa, afirmou que os responsáveis políticos portugueses vão estar no Catar a apoiar a seleção nacional e não a violação dos direitos humanos ou a discriminação das mulheres nesse país. “O campeonato do mundo é lá [no Catar] e quando formos lá não vamos seguramente apoiar o regime do Catar, a violação dos direitos humanos no Catar e a discriminação das mulheres no Catar. Quando formos lá vamos apoiar a seleção nacional, a seleção de todos os portugueses, a seleção que veste a bandeira”, sustentou.

Além do Presidente da República e do primeiro-ministro, também o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva, vai estar no Catar.

A viagem de Marcelo Rebelo de Sousa ao Catar foi aprovada em plenário com os votos a favor de PS, PSD e PCP. O Bloco de Esquerda, Iniciativa Liberal, Livre e PAN votaram contra. Já o Chega absteve-se. Marcelo disse que os votos contra mostram que “houve ponderação política”, frisando que esta não é a primeira vez que viaja mesmo quando há votos não favoráveis.

Além de rejeitada por parte dos partidos, a viagem do Presidente foi criticada por diversos analistas, desde Pacheco Pereira a Helena Matos ou Anselmo Crespo.

A comentadora da CNN Portugal e ex-ministra socialista Alexandra Leitão defendeu que Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Augusto Santos Silva não deveriam deslocar-se ao Catar para ver os jogos da seleção portuguesa e afirmou mesmo que Portugal não deveria fazer-se representar ao mais alto nível" neste Mundial.

Relacionados

Política

Mais Política

Patrocinados